Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

A cavalaria chegou!

A cavalaria chegou!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A cavalaria americana está chegando em grande estilo, como nos western dos anos 50, para salvar a Petrobrás; salvar seus acionistas no mundo todo e os brasileiros em geral do ataque dos peles-e-corações-vermelhos lulistas à caravana dos pobres coitados que apostaram seu suado dinheiro na empresa, que caminha a passos largos para a falência.

Quando os tudo-vermelhos lulistas arrancharam no poder em 2003, levando na garupa o populismo, o comunismo de aproveitadores, a mentira e o vale-tudo nas contas públicas, quiseram fazer crer que uma nova ordem mundial chegara, e que tudo se resolveria num passe de mágica maoísta, através de uma tal “vontade política”, discursos grandiloquentes e três pôsteres do Che Guevara. E a Petrobrás sempre esteve na mira da lulada, pela imensa facilidade em saquear a viúva.

Nada disso é novidade; o saudoso Paulo Francis denunciava o roubo da nossa multinacional do petróleo desde os anos 80, quando Lula ainda não havia iludido a massa com suas ideias tão mirabolantes quanto falsas, mas os sindicatos e socializadores do dinheiro alheio já davam as cartas na empresa – que jamais foi uma “estatal” no sentido específico da palavra, uma vez que não pertence ao governo, sendo este apenas um de seus acionistas. Majoritário, mas apenas um deles, com uns 38% das ações, embora a trate como sua poupança particular e sem fundos. Enquanto isso, os demais acionistas perdem dinheiro e não podem reclamar a ninguém, pois aqui, no meio da caatinga lulista, só temos direito a pagar impostos e louvar o Politburo instalado em Brasília. Enquanto os tudo-vermelhos nos atacam com suas metafóricas flechas stalinistas, a Petrobrás vai para o buraco e os acionistas também, em razão do enorme prejuízo apresentado pela petrolífera, com as ações em plena queda e dívida crescente.

Péssima gestão e roubos absolutamente fabulosos reduziram a ação da Petrobrás a míseros R$ 11, tendo valido mais de R$ 120 há apenas alguns anos. Hoje toda a empresa vale em torno de US$ 150 bilhões, enquanto sua dívida monta mais de US$ 250 bilhões e o preço do petróleo despenca no mundo todo. Conclusão: O pré-sal, outra ilusão, fica cada dia mais distante pelo alto preço de extração. Um barril de óleo pode ser adquirido no exterior por apenas US$ 60,00 (em queda) enquanto o mesmo barril, se e quando puder ser retirado de uma profundeza para a qual simplesmente ainda não existe tecnologia no mundo, custará uns US$ 120, tornando o pré-sal apenas um sonho, em razão do alto custo que o torna inviável.

Lula e sua marioneta torraram o cheque especial com promessas absolutamente irrealizáveis, calcadas no populismo e na impunidade que garantiam à sua turma bolsos (e cuecas) cheias e eleitores robotizados, perpetuando a zona com dinheiro público. E azar dos acionistas, inclusive fundos de pensão dos trabalhadores que acreditaram na dupla stalinista e compraram ações da multinacional brasileira usando o próprio FGTS e economias suadas.

E nada, nada acontece – no Brasil.

Porém, nos Estados Unidos, país onde a ilusão perdeu há muito para a realidade – essa coisa teimosa e implacável – as coisas são diferentes. Lá é crime grave roubar e enganar acionistas (a compra da refinaria sucateada de Pasadena é apenas uma das falcatruas). E adivinhem… muitos americanos são acionistas da Petrobrás!

Resumindo a fatura, já são seis as ações movidas contra a empresa brasileira nos EUA, pra que sua diretoria apodrecida explique toda essa roubalheira e os prejuízos gigantescos. Os valores aos quais a Petrobrás pode ser condenada quebrariam de vez a empresa-vítima do vampirismo lulista-bolivariano, sem contar as inevitáveis prisões via Interpol. Só resta esperar que a cavalaria americana nos salve, porque aqui na taba é o salve-se-quem-puder e azar das mulheres e crianças, neste Titanic subequatorial cercado pelos tudo-vermelhos, muito piores e vorazes que o fatídico iceberg.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes