Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

A cavalaria chegou!

A cavalaria chegou!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A cavalaria americana está chegando em grande estilo, como nos western dos anos 50, para salvar a Petrobrás; salvar seus acionistas no mundo todo e os brasileiros em geral do ataque dos peles-e-corações-vermelhos lulistas à caravana dos pobres coitados que apostaram seu suado dinheiro na empresa, que caminha a passos largos para a falência.

Quando os tudo-vermelhos lulistas arrancharam no poder em 2003, levando na garupa o populismo, o comunismo de aproveitadores, a mentira e o vale-tudo nas contas públicas, quiseram fazer crer que uma nova ordem mundial chegara, e que tudo se resolveria num passe de mágica maoísta, através de uma tal “vontade política”, discursos grandiloquentes e três pôsteres do Che Guevara. E a Petrobrás sempre esteve na mira da lulada, pela imensa facilidade em saquear a viúva.

Nada disso é novidade; o saudoso Paulo Francis denunciava o roubo da nossa multinacional do petróleo desde os anos 80, quando Lula ainda não havia iludido a massa com suas ideias tão mirabolantes quanto falsas, mas os sindicatos e socializadores do dinheiro alheio já davam as cartas na empresa – que jamais foi uma “estatal” no sentido específico da palavra, uma vez que não pertence ao governo, sendo este apenas um de seus acionistas. Majoritário, mas apenas um deles, com uns 38% das ações, embora a trate como sua poupança particular e sem fundos. Enquanto isso, os demais acionistas perdem dinheiro e não podem reclamar a ninguém, pois aqui, no meio da caatinga lulista, só temos direito a pagar impostos e louvar o Politburo instalado em Brasília. Enquanto os tudo-vermelhos nos atacam com suas metafóricas flechas stalinistas, a Petrobrás vai para o buraco e os acionistas também, em razão do enorme prejuízo apresentado pela petrolífera, com as ações em plena queda e dívida crescente.

Péssima gestão e roubos absolutamente fabulosos reduziram a ação da Petrobrás a míseros R$ 11, tendo valido mais de R$ 120 há apenas alguns anos. Hoje toda a empresa vale em torno de US$ 150 bilhões, enquanto sua dívida monta mais de US$ 250 bilhões e o preço do petróleo despenca no mundo todo. Conclusão: O pré-sal, outra ilusão, fica cada dia mais distante pelo alto preço de extração. Um barril de óleo pode ser adquirido no exterior por apenas US$ 60,00 (em queda) enquanto o mesmo barril, se e quando puder ser retirado de uma profundeza para a qual simplesmente ainda não existe tecnologia no mundo, custará uns US$ 120, tornando o pré-sal apenas um sonho, em razão do alto custo que o torna inviável.

Lula e sua marioneta torraram o cheque especial com promessas absolutamente irrealizáveis, calcadas no populismo e na impunidade que garantiam à sua turma bolsos (e cuecas) cheias e eleitores robotizados, perpetuando a zona com dinheiro público. E azar dos acionistas, inclusive fundos de pensão dos trabalhadores que acreditaram na dupla stalinista e compraram ações da multinacional brasileira usando o próprio FGTS e economias suadas.

E nada, nada acontece – no Brasil.

Porém, nos Estados Unidos, país onde a ilusão perdeu há muito para a realidade – essa coisa teimosa e implacável – as coisas são diferentes. Lá é crime grave roubar e enganar acionistas (a compra da refinaria sucateada de Pasadena é apenas uma das falcatruas). E adivinhem… muitos americanos são acionistas da Petrobrás!

Resumindo a fatura, já são seis as ações movidas contra a empresa brasileira nos EUA, pra que sua diretoria apodrecida explique toda essa roubalheira e os prejuízos gigantescos. Os valores aos quais a Petrobrás pode ser condenada quebrariam de vez a empresa-vítima do vampirismo lulista-bolivariano, sem contar as inevitáveis prisões via Interpol. Só resta esperar que a cavalaria americana nos salve, porque aqui na taba é o salve-se-quem-puder e azar das mulheres e crianças, neste Titanic subequatorial cercado pelos tudo-vermelhos, muito piores e vorazes que o fatídico iceberg.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes