Iscas Intelectuais
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

A cama na Kombi

A cama na Kombi

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

​​​Douglas, meu amigo e colega de faculdade, contou uma história divertida e absolutamente verídica: Nos anos 80, sua família comprou uma casa de praia em Caraguá, litoral norte paulista. Modesta mas confortável, no trecho preferido dos bauruenses da época, a Praia de Capricórnio. Tudo que estivesse sobrando na residência de Bauru devia ser levado para lá, a fim de economizar na compra de novos móveis. E a cada vez levavam colchões, armários, fogão, geladeira, cadeiras, tudo, enfim, que guarnece uma casa e coubesse numa Kombi. Um dia o pai de Douglas disse que não aguentava mais desmontar móveis em Bauru e remontá-los na praia. Era cansativo, irritante; afirmou que a cama de casal seria transportada inteira, amarrada no teto da Kombi – uma ideia tão brilhantes quanto simples. Douglas, irmãos e mãe tentaram, inutilmente, fazer ver que isso era uma loucura, um perigo. O pai permaneceu irredutível, e lá se foi a troupe pela estrada, com a cama sobre o utilitário.
​​​Vou dispensar os leitores da desgraça, da comédia italiana misturada com drama inglês na qual a viagem se transformou; em resumo, a polícia rodoviária os parou várias vezes, a cama escorregava para os lados nas curvas e para frente nas freadas, um quase perdeu um dedo enrolado nas cordas, o teto da Kombi amassou, uma das pernas da cama enroscou na cobertura de um posto de gasolina, o pai discutia com a mãe – que não se conformava com aquela ideia doida, e de execução pior ainda. Enfim, um inferno estradeiro.

 

Pois, ladies and gents, eis que chega o fim da viagem, a glória dos ousados, o prêmio dos lutadores; o pai, cheio de si, dizia que podia ter sido o fim do mundo – mas lá estava a cama, intacta (ou quase) e isso valia qualquer sacrifício. Desmontar e montar móveis? Gastar os dedos com porcas e chaves de fenda? Nunca mais! Era a vitória do Homem sobre as agruras da vida!
​​​Ainda em êxtase, desamarrando o móvel em meio à escuridão da noite, o pai recebeu uma trágica notícia: Douglas medira a cama e agora percebia que ela não passaria nem pelas portas, nem pelas janelas. Teria que ser desmontada para adentrar a casa. Nesse momento começou a chover.
​​O pai de Douglas, ensopado, ferramentas em punho, desmontava o enorme objeto no escuro, desfiando o maior rosário de impropérios, pragas e maldições de que um ser humano seria capaz. Mas quando a raiva passou, ele aprendeu uma coisa: Teimosia não transforma uma ideia ruim em boa.
​​Quando o ex-presidente FHC começou as privatizações, vendendo estatais podres, endividadas, inchadas de empregados, com péssimos serviços e tecnologia ultrapassadíssima, a Lulada uivou: Vendendo as joias da coroa! Entregando os bens do povo! Dilapidando o País!
​​​De nada adiantaram as explicações, que as tais estatais renderiam muito mais em mãos privadas, recolhendo mais impostos com custo zero, além de prestar serviços muito melhores. Além disso, o saldo serviria para abater a dívida interna, o déficit público que atolava o Brasil. Além disso, as – então – duas novas tecnologias desconhecidas dos brasileiros, os telefones celulares e a internet, não poderiam ser instalados a contento se não houvesse investimento privado. Só lembrando: Uma linha telefônica custava mais de 7 mil dólares. Eram tão caras e raras que a espera por uma era de anos; havia um verdadeiro mercado negro de aluguel de linhas e aparelhos telefônicos, algo inimaginável hoje, depois da tão necessária privatização das telecomunicações. Não obstante, hoje a Lulada usufrui de tudo isso, mas insiste na cama em cima da Kombi.
​​​Além de não admitirem o êxito das privatizações, inventaram que FHC venderia também a Petrobrás, algo que ele jamais cogitou. Até hoje imaginam aqui e ali “inimigos privatistas” para não perderem a boquinha em estatais e sindicatos. Lamentável.
​​Pois bem: Lula e sua fantocha resolveram vender a Petrobrás; não toda, nem suas ações; decidiram algo muito pior. Estão vendendo seus ativos. Traduzindo, como a empresa está quebrada pela péssima administração e roubalheira sem fim, o governo teve a brilhante ideia de vender algumas das empresas que compõe a poderosa estatal do petróleo. Estão vendendo as mais lucrativas partes para fazer caixa, como as distribuidoras BR, diante da quase falência. Espantosa decisão para quem considerava privatização o horror supremo. E desonesta a mais não poder. Isso sem dizer que os pobres acionistas (principalmente os milhões de trabalhadores que Lula convenceu a enfiar seu FGTS nessa empresa cuja quebra estava planejada para consumar o saque) tiveram um prejuízo imenso. Suas economias viraram pó, assistindo à queda de uma ação de R$ 75 há apenas alguns anos para R$ 8 atualmente; a desvalorização foi tão violenta que bateu 35% em apenas 2 meses de 2014, sem a menor chance de recuperação nos próximos anos. Caso de polícia. O mais engraçado é que Dilma e seu mentor negam terminantemente que isso seja privatização. Bom, o nome do bicho não altera sua realidade. É privatização sim, e da pior espécie, na hora mais errada.
​​Pelo menos o pai do Douglas reconheceu seu erro, e hoje dão boas risadas com a história da família. Lula, Dilma e sua gangue nunca vão reconhecer suas asneiras. E vão insistir sempre na quadratura do círculo – sem contar a ilusão estelionatária do Pré-Sal. E nós não vamos rir de nada. Chorar, talvez.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes