Iscas Intelectuais
O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
618 – No Toca Fitas Do Meu Carro – Scary Pockets
Mais um programa musical. E daqueles, cara. Você sabe ...

Ver mais

617 – O Clube da Música Autoral
617 – O Clube da Música Autoral
Uma das coisas mais fascinantes de quem se dispõe, como ...

Ver mais

616 – Na média
616 – Na média
Num ambiente construído para que as pessoas fiquem “na ...

Ver mais

615 – Fake News? Procure o viés
615 – Fake News? Procure o viés
Nova Iorque, madrugada de março de 1964. No bairro do ...

Ver mais

LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
LíderCast 112 – Paulo Rabello de Castro
Professor, consultor, com vasta experiência no setor ...

Ver mais

LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 – Tiemi Yamashita
LíderCast 111 - Hoje conversamos com Tiemi Yamashita, ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Lições de viagem 11 – Santa Catarina
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 11 Santa Catarina e seus diferenciais  Percebi que me encontrava num estado diferenciado na primeira vez que estive em Santa Catarina, em 1980, quando fui ministrar aulas em dois ...

Ver mais

Solidão em rede: estamos cada vez mais solitários
Mauro Segura
Transformação
Vivemos a "cultura do estresse", de não perder tempo e usar cada minuto para sermos mais produtivos. Mas isso tem um preço.

Ver mais

1936, 1984, 1918
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, ...

Ver mais

Região de conflito duplamente em foco
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Região de conflito duplamente em foco “Fronteiras? Nunca vi uma. Mas ouvi dizer que existem na mente de algumas pessoas.” Thor Heyerdahl Não é sempre que alguns dos focos mais controvertidos das ...

Ver mais

Cafezinho 82 – Paciência
Cafezinho 82 – Paciência
O que uma árvore frondosa precisa para se manter firme ...

Ver mais

Cafezinho 81 – A Confederação
Cafezinho 81 – A Confederação
A Confederação mais eficiente do Brasil é a dos bandidos.

Ver mais

Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Cafezinho 80 – A Copa que era nossa
Ao contrário do que acreditam coxinhas e petralhas, o ...

Ver mais

Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Cafezinho 79 – Desengajados Ativos
Engajamento vem do francês engager, que quer dizer “se ...

Ver mais

A beleza da futilidade

A beleza da futilidade

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Para ser belo hoje em dia é necessário primeiramente ter dinheiro. Um banho de loja, várias cirurgias plásticas, roupas da moda, até trocar o cabelo é possível com grana. E se não for possível, você vira uma pessoa simpática. Várias roupas de marca e um pouco de marketing pessoal deixam qualquer criatura fashion. Nossos jogadores de futebol tornam-se lindos quando estão numa Ferrari, num Porshe, numa Mercedes, dizem as mulheres. O detalhe de ser vesgo, ter dentes de ratinho ou qualquer outra questão anatômica some diante de uma conta bancária milionária. Quem não tem dinheiro, tenta, por sua vez, na sobrevivência do culto à imagem, improvisar. Fazer book com várias fotos tiradas pela própria pessoa diante do espelho ajuda.

Falsificações, genéricos de marcas, produtos de estética, além, claro, das cirurgias estéticas, que tentam dar à pessoa a bunda inexistente em forma e volume. Até que um dia a calça cai! A criatividade para tentar mostrar o que não existe. As tinturas de cabelo, as canetas e celulares da moda, as marcas de roupa tão cultuadas e apresentadas em público, no ser outdoor que se pretende alguém e a ilusão da vida abastada na roda dos créditos e eternos endividamentos assombram qualquer travesseiro. É o susto diante do espelho quem é esta pessoa? E a dúvida persiste: “como ser o que não sou?” A crise psicológica da pós modernidade na ruptura da identidade aparece, no ser produto de fachada, da alma plastificada.

Alguns leitores questionariam: tenho de ser feio para agradar este colunista? Não. O problema é ver beleza onde ela não existe. Querer viver apenas de aparência sem ter conteúdo. Ser apenas uma vitrine sem mais a oferecer. Até por que a questão de beleza varia de indivíduo para indivíduo, de cultura para cultura. E a beleza da beleza de cunho estético é que ela passa, como toda moda, como todo objeto de consumo. Na Idade Média ser gordinha era cult. Nos anos 60 era lindo ter costeletas, calça boca de sino cor-de-rosa era chique. Quantas modas do passado não nos fazem sentir cafona? Nossa, eu não vestia isso!

Ser belo não pode ser visto jamais como ser fútil. Futilidade hoje na sociedade beira a idiotia, o retardo mental, a massificação, a alienação, a burrice. Futilidade quebra a qualidade de vínculos sociais, deixando o espírito aprisionado em suas ilusões enquanto que o relógio da vida acelera. Neste sentido, a beleza da futilidade é seu estado perecível. Os modismos passam e se você não tiver conteúdo, vai passar com eles.

Lembrei-me de um amigo médico que conheceu uma linda mulher. Belíssima! Sonho de consumo! Ideal para bailes e apresentações públicas. O que tinha de bela, tinha de calada. Até que um dia, após umas cervejas, a língua soltou-se e a beleza da estética deu vazão a idiotia, nos fazendo crer piamente que existe uma ligação direta entre o intestino e a boca. Tão bela calada! O namoro com a beldade logo tornou-se tédio, não existia assunto, diálogo, e a vitrine logo envelheceu, exigindo do produto perecível sua substituição.

É necessário investir, além da estética, em cultura. Beleza representa estado de graça, simpatia, inteligência,  alegria e para que isto ocorra é necessário conteúdo. Em raros momentos da vida conheci pessoas fúteis com carisma. Ao contrário: os fúteis são chatos, presunçosos, são os que nos olham de lado e por vezes são os que tentam, em sua insignificância, mostrar à força que são alguém: “Sabe com quem você está falando?” Sua alienação por vezes é tamanha que não percebem o quanto é grande o papel ridículo que fazem, criando a tribo do nada. Educação só por conveniência. E são justamente os que mais adoecem na velhice e a partir dos 50 anos. Seu espírito escravo da vaidade e do orgulho tenta fugir da consciência o quanto pode, mas suas pernas são curtas. E o vazio da vida fútil gera o vazio da alma. ansiedade, depressão, drogas, autodestrutividade são apenas alguns dos sintomas que aparecem nestes casos. Especialmente quando a vitrine já não chama mais a atenção, porque passou. O belo e o sublime devem andar juntos. A isto chamamos graça. A simpatia, a alegria, o riso fácil e a inteligência são para nós o genuíno charme da beleza, são o complemento que dão carisma ao indivíduo comum.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima