Iscas Intelectuais
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Café Brasil Curto 12 – Viver do passado
Que triste sina. Em vez de aprender com o passado, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

Café Brasil Curto 10 – Os porquês
Café Brasil Curto 10 – Os porquês
Nestes tempos de novilíngua, de “mentiras simbólicas” e ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A Era da Integração
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu sou eu mais as minhas circunstâncias.” (José Ortega y Gasset)   Um dia você apanha um velho álbum de fotografias e começa a revisitar seu passado. Entre as imagens registradas nas fotos ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

Não, não é por ser mulher

Não, não é por ser mulher

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto​

Não, presidente Dilma, não é por ser mulher que a senhora está sendo impedida de presidir o Brasil.

Não raro, a senhora recorre a esse argumento. Fez hoje uma vez mais, no que pode ser seu penúltimo dia como presidente.

Ser mulher nunca foi a razão.

Fosse por isso, não teria sido sequer eleita. E a senhora venceu duas eleições. permita-me lembrá-la. Verdade que sob um marketing mentiroso e ultrajante, economia inflada por modelos insustentáveis e muita militância quebra-Petrobras, quebra-Correios, etc, sinais indeléveis de estelionatos eleitorais, mas a senhora foi eleita duas vezes. Duas!

Ser mulher e “a primeira mulher presidente”, ao contrário, devem tê-la ajudado a cegar os eleitores para os verdadeiros aspectos de sua personalidade e a completa falta de habilidades administrativas. E o jogo sujo de suas campanhas, sobretudo a última que, preconceituosa e machista, não poupou com mentiras e ofensas, uma mulher brasileira muito mais importante e reconhecida que a senhora internacionalmente. Incomparavelmente mais, sejamos claros.

Aliás, foi desespero eleitoral ou ciúme de mulher – e seu marqueteiro, além de seu espúrio padrinho Lula – o que a moveu para ataques tão rasteiros e mentirosos contra Marina Silva?

Portanto, é, sim, vergonhoso que busque no gênero um abrigo para sua derrocada justa e necessária, legal e reconhecida. Olhar para sua condição de mulher como justificativa para sua queda só aumenta a percepção de sua pequenez.
Isso ofende as mulheres e seus defensores indepedentemente do gênero. Eu estou ofendido.

O que influenciou seu impeachment, e minutos de humildade lhe mostrariam isso com eloquência, foi sua incompetência, arrogância, abuso, desrespeito, falta de vergonha, falta de respeito com os brasileiros e os país. E suas afrontas fiscais que nenhuma dona de casa, por mais simples que seja, cometeria com o orçamento próprio ou do Estado.

A senhora não está à altura de ser comparada a uma dona de casa que faz a feira e o mercado com a responsabilidade que lhe é inerente.

A senhora ofende essas mulheres. Elas são de bem e aprender com elas pode lhe garantir uma despensa a preservar sua cozinha quando deixar o palácio e seus mimos e mordomias.

A incredulidade que nos acomete é justamente porque não imaginávamos que poderia haver alguém tão irresponsável a ocupar a Presidência da República, mulher ou homem.

A senhora nos surpreendeu de forma terrível e, de forma jocosa, em vez de recolhida, insiste na petulância de olhar ao redor a procura das razões que a destituíram. Razões que só existem dentro de seus desvarios e defeitos, ao que parece, irreconhecidos pela dona que mente pra si mesma.

Não será facil a reconstrução do país.

No entanto, não duvide que o Brasil e os brasileiros avançarão sem a senhora e guardarão seu exemplo para nunca mais vê-lo copiado.

Embora seu imenso estrago ainda vá se revelar maior, uma conta que teremos de pagar, o que vai atrasar a sonhada recuperação, protelada pela sua insistência em permanecer no poder, ela virá.

Diante de milhões de brasileiros trabalhando para restabelecerem suas vidas e a de seu país, por ora, seria um estorvo menor e uma tentativa de elegância republicana se a senhora percebesse suas imensuráveis limitações, além de seus arroubos esquizofrênicos, e se recolhesse ao silêncio, à profundidade da reclusão da alma e da autoanálise.

Os grandes fariam isso.

Mesmo a senhora não sendo um deles, pode se inspirar na grandeza alheia.

Sei que ela lhe é inalcançável.

Mas tentativas normalmente são bem vistas.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto