Iscas Intelectuais
Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

670 – A nova Previdência
670 – A nova Previdência
No dia 12 de Junho fomos à Brasília e, no Ministério da ...

Ver mais

669 – Fora da Caixa 2
669 – Fora da Caixa 2
Você não precisa inventar a lâmpada para ser original. ...

Ver mais

668 – Fora da caixa
668 – Fora da caixa
Não é fácil hoje em dia ter uma ideia original, ...

Ver mais

667 – Ajuda, por favor
667 – Ajuda, por favor
Toda mudança implica em incomodação. Se não incomoda, ...

Ver mais

LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
LíderCast 157 – Marcel Van Hattem
Marcel Van Hattem é um jovem Deputado Federal pelo ...

Ver mais

LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
LíderCast 156 – Karina Oliani e Carlos Morey
Aproveitando que o Everest está sendo discutido na ...

Ver mais

LíderCast Temporada 12
LíderCast Temporada 12
Vem aí a Temporada 12 do LíderCast, que será lançada na ...

Ver mais

LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
LíderCast 155 – Emilio Dantas Costa
Servidor público de carreira, que a partir das ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – AMBIGUIDADE DA LINGUAGEM (parte 10)
Alexandre Gomes
Já que uma PALAVRA é um SÍMBOLO, um SIGNO ARBITRÁRIO ao qual é imposto um significado por convenção, é natural que esteja sujeita (a palavra) à AMBIGUIDADE. E isso pode surgir de alguns pontos: ...

Ver mais

O salário do professor brasileiro é um dos mais baixos do mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Matéria de ontem no jornal O Globo nos lembra um fato que é amplamente reconhecido: os professores brasileiros estão entre os que recebem os menores salários no mundo inteiro. Em relação aos ...

Ver mais

As cigarras, as formigas e o tal do viés ideológico
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA.

Ver mais

Komsomol brasileiro
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ...

Ver mais

Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
Cafezinho 188 – O coeficiente de trouxidão
É seu coeficiente de trouxidão, com a suspensão ...

Ver mais

Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Cafezinho 187 – Quem merece seu tempo de vida
Meu tempo de vida está sendo enriquecido ou só desperdiçado?

Ver mais

Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Cafezinho 186 – A disciplina intelectual
Na definição dos dicionários, disciplina é o conjunto ...

Ver mais

Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Cafezinho 185 – O princípio Eisenhower
Dê uma olhada nas pautas em discussão nas mídias. Veja ...

Ver mais

Tempos alvissareiros

Tempos alvissareiros

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Por Adalberto Piotto

Os partidos políticos estão perdendo o poder porque perderam a noção da realidade do Brasil. Lamentável e preocupante.
O poder absoluto em sociedades evoluídas é da lei, das instituições regradas por leis que as aplicam sob e sobre tudo e todos. Este poder já não parece mais ser dividido, como já foi neste país, com caciques deputados ou senadores.
A influência do parlamentar se resume, como deve ser, à discussão e aprovação da legislação. Uma vez existente, passa a domínio público e à aplicação pelos poderes constituídos.
Por isso a Justiça e o Ministério Público estão à frente das decisões que estão transformando o Brasil e chamam nossa atenção para este momento único e provavelmente nunca experimentado por nós brasileiros
Líderes partidários, quer governistas ou da oposição, estão reconhecendo seus limites ante a lei que eles mesmos aprovaram, o que é saudável.
Ao se imaginarem com poder de traficar influência permanentemente em decisões do poder judiciário perdem a legitimidade do comprometimento com o país e se afogam com verborragia indecente e, ao que se viu, comprometedora.
Tamanha essa desconexão com o legal e imagem ruim que se deram, até mesmo a discordância ou concordância deles com o pedido de prisão de Lula pelos promotores de São Paulo equivale a nada, dentro do vácuo de representatividade dos partidos políticos existente hoje na sociedade brasileira.
A lei é soberana.
A decisão de denunciar o ex-presidente e pedir sua prisão preventiva foi técnica, sob o olhar acusatório do Ministério Público de São Paulo.
A decisão de acolher a denúncia e decretar ou não a prisão do denunciado Luis Inácio Lula da Silva, como é referido no pedido, será igualmente técnica da moderadora Justiça.
Ao insistirem neste debate que visa descredenciar ações legais em curso, os partidos perdem relevância. Estão no caminho de perder a importância se não se reinventarem. Uma pena.
A democracia de representação no Brasil requer partidos fortes e conectados com a sociedade. Mas não esses aí tal como estão agindo.
A Justiça não está nem aí para o que pensam os partidos politicamente. E isso é bom.
Tem-se pautado legalmente pelo que rege a Constituição.
O momento atual do Brasil é o mais visível resultado da independência dos poderes e o fortalecimento das instituições de Estado neste renascimento da democracia e da República brasileira.
E o prazer de ver isso acontecer é de nós encher de orgulho.

Em tempo: vejo os colegas de imprensa tomando a opinião de juristas sobre o pedido de prisão de Lula ou outro assunto jurídico em voga – ainda mais quando vieram de alguma corte superior- como verdade absoluta.
Um erro grave.
Primeiro porque verdades absolutas são raras e normalmente provêm da Natureza.
Segundo porque a maioria dos juristas também atua como advogados em bancas e escritórios prestigiados. São exatamente algumas dessas bancas que prestam serviços aos acusados e condenados por corrupção mais terríveis deste país.
E advogado defende a parte acusada. Decisões ou condutas de extrito cumprimento e aplicação da lei por órgãos da Justiça ou do Ministério Público, chamados inadvertidamente de “linha dura”, decisões céleres. rigorosas e independentes como sempre sonhamos no país da impunidade, não agradam aos causídicos.
Sua retórica pomposa acerca dos direitos de defesa do acusado pode sempre oscilar entre a nobreza do fazer-se justiça e o mais espúrio interesse.
Prudência e ceticismo nestes casos fazem sempre bem.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto