Iscas Intelectuais
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

687 – A herança maldita
687 – A herança maldita
Uma apresentação, com números, do descompromisso, a ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

LíderCast 174 – Eduardo Albano
LíderCast 174 – Eduardo Albano
Diretor de conteúdo da Ubook, plataforma que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Sem enredo
Chiquinho Rodrigues
Ainda bem que o U2 pegou um avião e foi pra puta-que-pariu! Eu já não aguentava mais, cara! Te juro que se eu visse o Bono Vox mais uma vez no Jornal Nacional ou na droga de um palanque qualquer ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

2015

2015

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Tinha um ano quando a distopia de Stanley Kubrick em seu filme “2001 – Uma Odisséia no Espaço” anunciava uma nova existência nos acordes de “Assim Falou Zaratustra” de Richard Strauss. A conquista de um novo mundo, do espaço, do futuro. A maravilha do simbólico, do mistério, do enigma. O eterno estrangeiro que nos habita na essência do absurdo que somos, daria porre a Camus, todavia fez a promessa do futuro não ser tão previsível assim. E o que é nosso mundo hoje?

Hoje vivemos em um mundo totalmente instável. O permanente flutua sem rumo certo. 2015 é demarcado pelo burlar de regras, mutabilidade extrema, nada nem ninguém são eternos. O que vale é o agora e não vale a pena perder tempo com passado ou futuro. Ficar é mais importante que ser. Prudência e previdência palavras ermas em desuso. Hoje quem quer sobreviver tem de ser flexível e estar pronto a mudanças.

As ideologias em 2015 foram substituídas pelo capitalismo especulativo. Valem apenas quando o indivíduo quer se dar bem.  Esquerda e direita confundem se em uma orgia satânica. Sobreviver em 2015 implica em não se arraigar a nenhuma ideologia seja ela política, racial, religiosa. Para sobreviver é necessário desconfiar.

Em 2015 é vergonhoso ser honesto. A corrupção ganha regras claras que aviltam o juízo. Roubo torna se comum, naturalizado. O valor do trabalho relegado ao quanto o estado pode retirar do contribuinte, sempre visto como sonegador. Impostos em alta, usados para o enriquecimento lícito de políticos. Inflação escondida rouba a pujança. Sobreviver implica em rolar dívidas, aprender a viver na corda bamba, a apertar o cinto por que o piloto sumiu.

Os valores invertidos são a essência de 2015. O errado feito de certo e vice versa. O mundo feito de mutabilidade que cheira a volatilidade.”O pra sempre, sempre acaba” dá ao ar de 2015 uma eterna finitude, a certeza de que o fim esta próximo, fim este que jamais chega. Viver bem em 2015 é sair do negativismo, da apatia, do pessimismo.

Freud se vivo teria de reescrever sua teoria do desejo em 2015. O marketing e a vida plastificada, retirou do ser humano seu potencial criativo e de  desejo. A vontade é pensada nas estratégias de mercado. A escolha manipulada pela publicidade fazem a satisfação ter ar de comédia do absurdo. Ser feliz é propaganda de margarina. Viver bem em 2015 é resgatar a essência e reencontrar a própria identidade substituída pelo arbítrio e manipulação dos meios.

2015 é demarcado pelo fanatismo e superficialidade. A imagem documenta a realidade no extremo da ficção. Nada tem valor se não for registrado em aparência. Pose mais importante que ser. A essência em crise evidenciam o novo rumo dos anos vindouros: doença ou resgate da individualização…

(continua na próxima semana)

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima