Iscas Intelectuais
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Café Brasil Curto 11 – Os mais vivos
Os vivos serão sempre, e cada vez mais, governados ...

Ver mais

570 – LíderCast 6
570 – LíderCast 6
Hoje apresentamos nosso elenco de convidados da ...

Ver mais

Café Brasil Curto 10 – Os porquês
Café Brasil Curto 10 – Os porquês
Nestes tempos de novilíngua, de “mentiras simbólicas” e ...

Ver mais

Café Brasil Curto 09 – Economia do Compartilhamento
Café Brasil Curto 09 – Economia do Compartilhamento
Na economia do compartilhamento, não vence quem tem a ...

Ver mais

LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes
LíderCast 073 Lucas Mendes está à frente da implantação ...

Ver mais

LíderCast 072 Oscar Maroni
LíderCast 072 Oscar Maroni
Oscar Maroni se identifica como “dono de uma empresa ...

Ver mais

LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa
LíderCast 071 Bene Barbosa é um dos mais ferrenhos ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Nas redes sociais, você é o que publica
Mauro Segura
Transformação
A facilidade e a displicência com que publicamos algo numa rede social são incríveis. As vezes publicamos coisas que não entendemos bem e nem temos consciência do impacto que causamos.

Ver mais

Abaixo a polícia, viva o bandido!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não, pára. Tudo bem que nós, viventes dessa nau dos insensatos chamada Brasil, estamos com o couro grosso de tanta asneira, e achávamos que discursos de Dilma seriam o ápice da fronteira entre a ...

Ver mais

O Festival de Besteira que Assola a Esquerda Brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Diante da condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, intelectuais, professores, artistas, estudantes e os demais suspeitos de sempre negam que Lula tenha cometido os crimes pelos ...

Ver mais

Lições de astronomia
Tom Coelho
Sete Vidas
“A hora mais escura da noite é justamente aquela que nos permite ver melhor as estrelas.” (Charles Beard)   Uma moto, dois jovens e um carro em alta velocidade. Um acidente. E Bruno, 19 ...

Ver mais

2015 – Parte II

2015 – Parte II

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Quem somos em 2015? Ser conectado em 2015 é vital. O emprego da tecnologia em massa em redes sociais divide a opinião pública. O mundo físico foi suplantado pelo virtual e o plasma. O  conceito de Guy Debord sobre a cultura na sociedade do espetáculo evidenciam em 2015 a cultura imagética e midiática. A vida vira um espelho que distorce a essência da existência, e você só existe se presente em rede. A vida é feita em poses, e a imagem refletida não condiz com a energia que a criou. Como  sobreviver a isto?

Em 2015 torna se decadente viver na  cultura do espetáculo. Ser In é viver na  cultura do escândalo. Já não mais basta aparecer. Chocar é a regra. Garante mais de um milhão de curtidas nas redes sociais. Visibilidade garante público, anúncios e uma ampla receita pela publicidade. Seja criativo e choque, quebre tabus, regras, tratados. Aparecer é mais importante que ter conteúdo. Neste cenário é natural falar besteira, mostrar ignorância, evidenciar asneiras. Quem faz isto vira pólvora de fogo de artifício, tem sucesso mas é pulverizado nas cinzas. Sobreviver neste paradigma é buscar o bom senso e evitar os escândalos.

Em 2015 torna se naturalizado ser ansioso, urgente, apático, egoísta. As altas tecnologias do cotidiano tornam tudo para ontem. Muita informação e pouca digestão. Tudo é rápido e a vida lenta. Psicopatologias viram epidemias no desajuste da temporalidade psíquica e afetiva. Correr sem destino o slogan. 2 bilhões de indivíduos no planeta com algum tipo de transtorno de ansiedade.

Em 2015 é evidente  o centramento das experiências do individuo. Compartilhar não é dividir. Cada um por si é regra geral. Pensar no outro careta, coisa do passado. Grupos falam de eu não de nós. O que sinto jargão e os outros… Este paradigma é complexo e confuso. Novamente o errado é certo e o volátil presente. Na instabilidade o centramento é regra de subsistência. Salve sua vida depois olhe para os lados. Sobreviver em 2015 exige aprender a dividir, a reencontrar o respeito ao próximo, ou sucumbir.

A vida familiar e afetiva de 2015 reproduz os efeitos acima. Amor virou produto de consumo, e como o sexo,   está na prateleira. Tem peso, prazo de validade, e ofertas… quem dá mais? A identidade de gênero entre os jovens é maleável. Rompimento familiar e afetivo frequente é associado ao caráter utilitário dos relacionamentos. Em 2015 o  egoísmo e o interesse falam mais alto. Pessoas têm preço e se vendem. Sobreviver implica em restituir seu valor real e não se vender.

2015 evidencia uma profunda transformação em nossa civilização que vive em decadência. Acredito que teremos profundas mudanças e transformações a curto e médio prazo. Porém isto custa caro a todos nós. As máscaras cairam e não conseguimos mais as colocar no mesmo lugar. A lei do retorno é imediata… como  sobreviver nestes tempos?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima