Iscas Intelectuais
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

643 – Dominando a Civilidade
643 – Dominando a Civilidade
Vivemos uma epidemia de incivilidade que ...

Ver mais

642 – A caverna de todos nós
642 – A caverna de todos nós
Olhe em volta, quanta gente precisando de ajuda, quanta ...

Ver mais

641 – O delito de ser livre
641 – O delito de ser livre
Na ofensiva contra a liberdade, fica cada vez mais ...

Ver mais

640 – O monumento à incompetência
640 – O monumento à incompetência
É muito fácil e confortável examinar o passado com os ...

Ver mais

LíderCast 136 – Paulo Farnese
LíderCast 136 – Paulo Farnese
Empreendedor, fundador da agência EAí?, envolvido com ...

Ver mais

LíderCast 135 – Thalis Antunes
LíderCast 135 – Thalis Antunes
Gestor de Conteúdo da Campus Party, que tinha tudo para ...

Ver mais

LíderCast 134 – Diego Porto Perez
LíderCast 134 – Diego Porto Perez
O elétrico Secretário de Esportes do Governo de ...

Ver mais

LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
LíderCast 133 – Dennis Campos e Cláudio Alves
Empreendedores que criam no grande ABC uma agência de ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Como ser um Diabo da Tasmânia
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
​​​Como disse certa vez o ex-ministro Pedro Malan, no Brasil até o passado é incerto. Mas o futuro não – ao menos em um caso: Há plena certeza que o tecido social esgarçou e vai rasgar. ...

Ver mais

O mundo platônico e suas consequências
Carlos Nepomuceno
Live de terça O mundo platônico e suas consequências Live de terçaO mundo platônico e suas consequênciasTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O ...

Ver mais

O Trivium – uma introdução
Alexandre Gomes
As Sete Artes Liberais era a forma que os jovens eram preparados desde a Antiguidade até a alta Idade Média para educação superior. E a introdução nas Sete Artes era pelo Trivium, um método que ...

Ver mais

Live de terça – a liderança liberal
Carlos Nepomuceno
Live de terçaA liderança liberalTENHA VISÃO MAIS SOFISTICADA SOBRE O NOVO SÉCULO!TURMA PERMANENTE, COMECE HOJE!"O curso me ajudou a pensar o digital como meio e não fim". – JEAN ...

Ver mais

Cafezinho 134 – A Síndrome de Chico Buarque
Cafezinho 134 – A Síndrome de Chico Buarque
- Como é que um cara tão legal, tão sensível, tão ...

Ver mais

Cafezinho 133 – Rifa de CDs
Cafezinho 133 – Rifa de CDs
Uma forma de fazer uma corrente do bem, capaz de ...

Ver mais

Cafezinho 132 – Os cagonautas
Cafezinho 132 – Os cagonautas
Seu chefe é um cagonauta? Hummmm...tome cuidado, viu?

Ver mais

Cafezinho 131 – Compartilhe!
Cafezinho 131 – Compartilhe!
Seja a mídia que você quer ver no mundo

Ver mais

2015 – Parte II

2015 – Parte II

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Quem somos em 2015? Ser conectado em 2015 é vital. O emprego da tecnologia em massa em redes sociais divide a opinião pública. O mundo físico foi suplantado pelo virtual e o plasma. O  conceito de Guy Debord sobre a cultura na sociedade do espetáculo evidenciam em 2015 a cultura imagética e midiática. A vida vira um espelho que distorce a essência da existência, e você só existe se presente em rede. A vida é feita em poses, e a imagem refletida não condiz com a energia que a criou. Como  sobreviver a isto?

Em 2015 torna se decadente viver na  cultura do espetáculo. Ser In é viver na  cultura do escândalo. Já não mais basta aparecer. Chocar é a regra. Garante mais de um milhão de curtidas nas redes sociais. Visibilidade garante público, anúncios e uma ampla receita pela publicidade. Seja criativo e choque, quebre tabus, regras, tratados. Aparecer é mais importante que ter conteúdo. Neste cenário é natural falar besteira, mostrar ignorância, evidenciar asneiras. Quem faz isto vira pólvora de fogo de artifício, tem sucesso mas é pulverizado nas cinzas. Sobreviver neste paradigma é buscar o bom senso e evitar os escândalos.

Em 2015 torna se naturalizado ser ansioso, urgente, apático, egoísta. As altas tecnologias do cotidiano tornam tudo para ontem. Muita informação e pouca digestão. Tudo é rápido e a vida lenta. Psicopatologias viram epidemias no desajuste da temporalidade psíquica e afetiva. Correr sem destino o slogan. 2 bilhões de indivíduos no planeta com algum tipo de transtorno de ansiedade.

Em 2015 é evidente  o centramento das experiências do individuo. Compartilhar não é dividir. Cada um por si é regra geral. Pensar no outro careta, coisa do passado. Grupos falam de eu não de nós. O que sinto jargão e os outros… Este paradigma é complexo e confuso. Novamente o errado é certo e o volátil presente. Na instabilidade o centramento é regra de subsistência. Salve sua vida depois olhe para os lados. Sobreviver em 2015 exige aprender a dividir, a reencontrar o respeito ao próximo, ou sucumbir.

A vida familiar e afetiva de 2015 reproduz os efeitos acima. Amor virou produto de consumo, e como o sexo,   está na prateleira. Tem peso, prazo de validade, e ofertas… quem dá mais? A identidade de gênero entre os jovens é maleável. Rompimento familiar e afetivo frequente é associado ao caráter utilitário dos relacionamentos. Em 2015 o  egoísmo e o interesse falam mais alto. Pessoas têm preço e se vendem. Sobreviver implica em restituir seu valor real e não se vender.

2015 evidencia uma profunda transformação em nossa civilização que vive em decadência. Acredito que teremos profundas mudanças e transformações a curto e médio prazo. Porém isto custa caro a todos nós. As máscaras cairam e não conseguimos mais as colocar no mesmo lugar. A lei do retorno é imediata… como  sobreviver nestes tempos?

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima