Iscas Intelectuais
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

601 – Alfabetização para a Mídia II
601 – Alfabetização para a Mídia II
Publicamos um videocast sobre Alfabetização para a ...

Ver mais

600 – God Save The Queen
600 – God Save The Queen
Café Brasil 600... Chegou a hora de comemorar outra ...

Ver mais

599 – Gastando tempo
599 – Gastando tempo
Quem ouve o Café Brasil há algum tempo sabe da minha ...

Ver mais

598 – O bovárico
598 – O bovárico
Madame Bovary é um livro clássico que nos apresenta a ...

Ver mais

LíderCast 97 – Michael Oliveira
LíderCast 97 – Michael Oliveira
Michael Oliveira, que é criador e apresentador do ...

Ver mais

LíderCast 96 – Ricardo Geromel
LíderCast 96 – Ricardo Geromel
Ricardo Geromel, que sai do Brasil para jogar futebol, ...

Ver mais

LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
LíderCast 95 – Pascoal da Conceição
Pascoal da Conceição, que fala sobre a vida de ator no ...

Ver mais

LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
LíderCast 94 – Marcelo e Evelyn Barbisan
Marcelo e Evelyn Barbisan. O Marcelo é médico, a Evelyn ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mostrem essa coragem toda!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não há mais o que falar, esmiuçar ou palpitar sobre a intervenção federal na Segurança do Rio de Janeiro. Entre especialistas da área, especialistas do nada, gente se fingindo de especialista e ...

Ver mais

Como não combater a inflação
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Como não combater a inflação  O livro que, infelizmente, poucos leram “Os controles são profunda e intrinsecamente imorais. Substituindo o governo da lei e da cooperação voluntária no mercado ...

Ver mais

Como vencer um debate tendo razão
Bruno Garschagen
Ciência Política
O estrondoso sucesso do psicólogo canadense Jordan Peterson tem mostrado coisas extremamente interessantes sobre como parte da sociedade reage diante de alguém que sabe defender corajosamente as ...

Ver mais

O oitavo círculo
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima ...

Ver mais

Cafezinho 48 – As reformas
Cafezinho 48 – As reformas
Reformas estruturais implicam em mudanças na forma como ...

Ver mais

Cafezinho 47 – Os poblema
Cafezinho 47 – Os poblema
Como as mídias sociais revelaram o tamanho do desastre ...

Ver mais

Cafezinho 46 – Experimente
Cafezinho 46 – Experimente
Experimente abrir uma empresa. Seja o dono.

Ver mais

Cafezinho 45 – O louco
Cafezinho 45 – O louco
Na semana passada, quase sete anos após a apresentação ...

Ver mais

1956, 1968, 1989 e a insanidade de 2016

1956, 1968, 1989 e a insanidade de 2016

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Invasões às escolas de ensino fundamental e médio se repetem pelo País, predominantemente no Paraná. Seus mentores alegam lutar contra a Proposta de Emenda Constitucional 241 (PEC do teto) e pela melhoria do ensino. Aham. Senta lá, Cláudia.

Chamam essa loucura de “Primavera Estudantil”, ou “Primavera do Paraná”. Embora não passem de invasões a prédios públicos, prejudicando milhares de alunos e suas famílias, os atos criminosos foram autodenominados dessa forma poética por seus líderes, numa comparação esdrúxula com fatos históricos – esses sim movimentos admiráveis, de coragem, de luta pela liberdade, contra a tirania comunista.

Winston Churchil, sempre profético, anunciou em 1945, ao fim da 2ª Guerra Mundial, que a União Soviética ( “um quebra-cabeças envolto num mistério dentro de um enigma”), não levaria seus exército de volta pra casa; permaneceria nos países “ocupados”, tornando-os satélites escravos. Acertou, como sempre. E acrescentou: “De Stettin, no Báltico, a Trieste, no Adriático, uma cortina de ferro desceu sobre o Continente”, criando uma das expressões mais populares do mundo para definir o totalitarismo soviético.

Um desses Países foi a Hungria. Em 1956, fartos da invasão soviética e do regime escravista imposto, estudantes da capital, Budapest, iniciaram um levante tentando afrouxar a coleira comunista. No início, houve alguns pequenos avanços, e foi proposta a retirada das tropas invasoras. Porém, Moscou mudou de ideia rapidinho e enviou um enorme exército para esmagar a revolta pacífica. Os húngaros resistiram, mas depois de 3 mil mortos e 200 mil refugiados, a “primavera” se mostrou efêmera – mas nunca esquecida, pela coragem e determinação dos revoltosos. Hoje é comemorada como data cívica de uma nação livre desde a implosão da URSS e o fim do comunismo. Foi a gloriosa Primavera de Budapest.

Na Tchecoslováquia ocorreu basicamente o mesmo, em 1968. O ato de libertação passou para a História como a Primavera de Praga; estudantes, intelectuais, jornalistas e cidadãos comuns se uniram para reduzir o poder soviético em sua terra. Queriam liberdade de imprensa e de expressão. Como em Budapest, a alegria durou pouco – até a chegada das tropas blindadas soviéticas. Depois da matança de sempre, Moscou se satisfez, garroteando ainda mais o sofrido povo tcheco, que só vislumbrou a liberdade com o fim da tirania internacional soviética. Enquanto isso, os filhinhos de papai parisienses, entediados, lutavam pela liberdade de se drogar, roubar, destruir, vandalizar e vagabundear. Em 1989, finalmente, veio a mãe de todas as Primaveras (na verdade, no outono). Os alemães orientais, fartos da ditadura comunista, literalmente derrubaram o trágico Muro de Berlim que circundava Berlim Ocidental e dividia um país todo. Era o símbolo maior do imperialismo soviético. Sua derrubada é considerada um marco da democracia mundial, o maior símbolo da liberdade da História, apesar de Lula ter lamentado o fato https://jornalivre.com/2016/10/17/lula-lamentou-a-queda-do-muro-de-berlim-a-embaixador-venezuelano/ , bem como o fizeram lulistas de 50 tons de vermelho: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/aos-80-anos-um-intelectual-de-esquerda-lamenta-o-fato-de-o-brasil-nao-ser-uma-ditadura-ou-uma-coluna-de-jornal-uma-entrevista-e-a-democracia/

Sofridos – mas corajosos – povos, incluindo romenos, poloneses, os ex-iugoslavos e tantos outros, deram ao mundo uma lição de tenacidade até a sonhada liberdade vinda com a implosão da podre URSS. Contando, claro, com uma poderosa ajuda de Ronald Reagan e do Papa João Paulo II – não por acaso, polonês.

Mas nada disso adianta, quando a mente está obnubilada pelo vermelhismo demente. Isso não é assunto para Marx ou Lênin, é coisa de Freud mesmo. É inacreditável que essa espécie de MST escolar insista em pautas que morreram junto com o malfadado muro; mas apesar de todos os fatos, de toda a História, de tudo o que se sabe sobre a desgraça do comunismo, instituições como a UNE e a UBES, tentáculos obedientes do PC do B, ainda conseguem seduzir jovens com essa patacoada inacreditável.

Escolas com 2, 3 mil alunos matriculados foram invadidas (e não “ocupadas”, como eufemisticamente, ao estilo Antonio Gramsci, matraqueiam) por 20 ou 30 desordeiros, a maioria maiores em idade que nada tem de estudantes. Emblematicamente, a “assembleia nacional” que decidiu pela continuidade das criminosas invasões foi dirigida e votada por meros 600 agitadores. Inacreditável.

E ousam chamar isso de primavera. Não é e nunca será. Os europeus do leste ensinaram o que é a liberdade versus totalitarismo, o que é a luta contra a opressão, pela democracia que floresce ao sol. Esses garotos, pura massa de manobra, impedem que milhares de alunos frequentem suas escolas. Tratam o público como privado (só deles), e ainda alegam fazer isso pelo “povo”. Poloneses gargalhariam diante de tanta bobagem bolorenta.

Em suma: Os invasores de escolas públicas passaram anos ignorando o desastre lulista, e até o desmonte do Fies. De repente resolveram “defender” os frascos e comprimidos, impedindo que crianças frequentem as aulas, impedindo o Enade, prejudicando um número gigantesco de populares humildes numa ação evidentemente política orquestrada pelo P C do B e os de sempre. Até a CUT está nas escolas! Drogas, vandalismo, depredação, invasão e o assassinato de um jovem de 16 anos por outro de 17 são detalhezinhos, xapralá. Comportam-se como os mesmos soviéticos que as primaveras defenestraram. Querem “defender” as pessoas de problemas que eles mesmos criaram? Querem decidir o que é bom para os outros? Quem lhes deu procuração para isso? Quem os nomeou professores de Deus?

Pobres garotos iludidos. Aqui já fizemos nossa Primavera, e não faz tempo não; só falta prender mais alguns membros do Politburo moreno e da Stasi brazuca. Procurem outros bobos para fazer parte dessa seita ideológica. Aliás, vão estudar, que é o que vocês deviam estar fazendo e deixando os outros fazerem. Envelheçam, como pedia Nélson Rodrigues. E não imitem Lula, não se orgulhem da própria ignorância.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes