Iscas Intelectuais
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Cafezinho 104 – A greta
Cafezinho 104 – A greta
Dois meio Brasis jamais somarão um Brasil inteiro.

Ver mais

1936, 1984, 1918

1936, 1984, 1918

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A guerra civil espanhola (1936-1939) foi assustadora, cruel, mas teve seus lances tragicômicos. Um deles era a eterna bagunça entre as muitas facções que formavam as Forças Republicanas, compostas de anarquistas, comunistas, brigadas internacionais e outros aliados de pura conveniência, apoiados por uma insuspeita União Soviética, louca para expandir seu império de terror stalinista. Juntar num caldeirão essa gente toda, por vezes ideologicamente antagônica, criava situações complexas. As subdivisões de grupelhos anarcocomunistas precisavam ser constantemente atualizadas sobre quem era amigo ou inimigo, tal a rapidez com que mudavam de posição no conflito; ao acordar pela manhã, corriam risco de levar chumbo do amigo de ontem que era o inimigo de hoje, mas poderia voltar a ser o amigo de amanhã. Coisa de maluco.

Dizem que essa situação era tão caótica e servil ao comunismo soviético que inspirou George Orwell a criar a ficcional situação belicista dos blocos da Eurásia, Lestásia e Oceania, numa eterna guerra entre si em sistema de rodízio, em sua genial obra 1984. Não conhece? Leia. Imperdível, e vai descobrir até a razão pela qual aquele programa da Globo se chama Big Brother.

Orwell sabia do que falava; inglês, combateu na guerra civil da Espanha como voluntário nas brigadas internacionais. Escapou com vida para contar seus horrores.

Se soubesse escrever ou mesmo se expressar de forma minimamente razoável, nossa brasileiríssima Kátia Abreu poderia escrever seu livro 2018, relatando sua história vivida nessa alternância de trincheiras tão cara ao político brasileiro, que busca somente seus interesses. não sentindo a menor vergonha em aliar-se – ou “desaliar-se” – desde que algum lucro, político ou financeiro, seja auferido. Ciro Gomes, que trocou de partido como quem troca de camisa, que o diga.

A fazendeira goiana Kátia Abreu, hoje senadora pelo PDT no Tocantins, era odiada pelos lulistas desde os anos 90 (ou mesmo antes) pela defesa dos ruralistas e por ser presidente do CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária) de 2008 em diante. Em 2002 elegeu-se deputada federal e senadora em 2006, sempre defendendo seus colegas do agronegócio e desancando fortemente Lula e sua turma. Era odiada pela esquerda; o MST a chamava de assassina, latifundiária, bandida, entre outras gracinhas. Odiavam-se de morte.

Na eleição de 2010, firme em sua luta a favor do ruralismo e contra a esquerda radical, Kátia defendeu José Serra diante de Dilma, criticando severamente Lula e sua política que ela classificava como derrota geral do país. Bem; como se sabe, Serra perdeu e Dilma ganhou. Num passe de mágica, obviamente sem nenhum interesse próprio, apenas por patriotismo e amor desprendido ao povo, Kátia Abreu tornou-se a melhor amiga de Dilma do dia para a noite, vindo a ser sua ministra e lutando por ela a socos e pontapés durante o impeachment da ensacadora de vento – mesmo vestindo a camisa do PMDB, esse saco de gatos. MST e lulistas deixaram de pedir o escalpo da nova aliada, afagando-a com elogios e salamaleques que só a mais rígida cara de pau dos arrivistas sabe proporcionar. Mas… eis que a maré vira novamente.

Com seu governador cassado pela justiça, o Tocantins realizou, há poucos dias, novas eleições para ocupar o cargo numa espécie de mandato tampão. A pedetista Kátia era franca favorita nas pesquisas, com até 22% de intenção de voto, sendo a única candidata que superava a soma de votos brancos e nulos; era barbada. Poucos dias antes da votação, Lula e sua secretária, Gleisi Hoffman, acharam por bem brindá-la com um vídeo pedindo votos à ex-inimiga e atual cumpanhêra; pois não é que, veiculado o tal vídeo (vingança ou amizade real?), os eleitores fugiram da favorita, que amargou um desonroso 4º lugar na apuração? Não se sabe se Gleisi e Lula estão rindo ou chorando com a fragorosa derrota, mas ou foi de caso pensado, ou pesquisa eleitoral não vale mais nada.

Não que seja novidade; lula e sua seita já pularam do ódio ao amor (e vice-versa) com gente do calibre de Sarney, Maluf, Collor, Ciro Gomes, Garotinho, Palocci, Jucá, e até o próprio presidente Temer.

Ao fim e ao cabo, a insanidade espelhada por Orwell no rodízio de inimigos para perpetuar a guerra é uma realidade indiscutível.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes