Portal Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

LíderCast 174 – Eduardo Albano
LíderCast 174 – Eduardo Albano
Diretor de conteúdo da Ubook, plataforma que está ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Sem enredo
Chiquinho Rodrigues
Ainda bem que o U2 pegou um avião e foi pra puta-que-pariu! Eu já não aguentava mais, cara! Te juro que se eu visse o Bono Vox mais uma vez no Jornal Nacional ou na droga de um palanque qualquer ...

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

Cafezinho 225 – O Meu Everest
Cafezinho 225 – O Meu Everest
Nos livros, isso tem o nome de planejamento estratégico.

Ver mais

Cafezinho 119 – A imprensa que pode tudo

Cafezinho 119 – A imprensa que pode tudo

Luciano Pires -

Em novembro de 1970 eu tinha 14 anos e morava em Bauru. Uma menina de 10 anos chamada Mara Lúcia Vieira, desapareceu levada por um estranho quando brincava em frente de casa. O corpo da menina, violentada, foi encontrado seis dias depois numa casa vazia próxima de onde ela morava. O m eu pai era correspondente dos Diários Associados em Bauru e cobriu todos os detalhes do crime. E eu me lembro que naquele dia 16 de novembro de 1970 vi meu pai em casa chorando, pois ele tinha visto o corpo da Mara Lúcia.

Comoção na cidade. Manchetes em todos os jornais de Bauru e da Capital. E uma busca frenética pelo culpado. Vários suspeitos foram presos e depois liberados. E um dia chegou a Bauru o jornalista Saulo Gomes, famoso por suas reportagens policiais. Fez suspense e acusou um tal de “Francês” como sendo o culpado.

Eu, um adolescente curioso, acompanhei todo o desenrolar do caso pelos jornais e rádios, que jamais foram personagens influentes na ação. Eles contavam o que acontecia, até surgir Saulo Gomes. O jornalista deixou de ser o contador da história para se tornar agente da história. Ele criou uma narrativa, ampliou expectativas, acusou e expôs hipóteses como sendo certezas. Investigou, indiciou e julgou. Só não executou…

Ali, aos 14 anos, comecei a perceber que o jornalismo talvez fosse muito mais que relatar fatos, que informar o que acontecia. Ele podia interferir na história. E o que assisti nos 50 anos que me separam da história da Mara Lucia foi a ampliação dessa percepção do jornalismo como agente da história, uma certeza que culmina com estas eleições de 2018. Olha, eu nunca vi tanto jornalista fazendo campanha, inventando histórias, acusando e julgando, assumindo um papel que não lhe cabe. Não lhe cabe!

Tome cuidado, muito cuidado com a imprensa. Saulo Gomes fez um carnaval, nada do que ele disse foi provado e até hoje o assassinato da Mara Lucia, quase 50 anos atrás, continua um mistério.

A imprensa pode muito. Mas não pode tudo.

 

 

Receba este podcast por Whatsapp acessando assinecafezinho.com

Este cafezinho chega a você com apoio do Cafebrasilpremium.com.br, um MLA – Master Life Administration, que ajuda a refinar sua capacidade de julgamento e tomada de decisão. www.cafebrasilpremium.com.br