Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Zuza Homem de Mello

Zuza Homem de Mello

Luciano Pires -

alt

José Eduardo Homem de Mello, mais conhecido como Zuza Homem de Mello (São Paulo, 1933) é um musicólogo e jornalista brasileiro.

Zuza Homem de Mello atuou como baixista profissional em bailes e clubes da cidade. Em 1955 abandona o curso de engenharia para dedicar-se à música. No ano seguinte, inicia-se no jornalismo, assinando colunas de jazz para os jornais Folha da Noite e Folha da Manhã, de São Paulo. Em 1957, frequenta a célebre School of Jazz, em Tanglewood, EUA, onde teve aulas com Ray Brown e outros músicos do mesmo calibre. Em 1957-58, estuda musicologia na Juilliard School of Music, de Nova York.

De volta ao Brasil, em 1959, Zuza – como é conhecido no meio musical – ingressa na TV Record, onde permanece por cerca de dez anos. Ao longo desse período, trabalha como engenheiro de som nos célebres programas de MPB e festivais da Record e, booker na contratação de astros internacionais.

Entre 1977 e 1988, concentra suas atividades no rádio e na imprensa: produz e apresenta o premiadíssimo Programa do Zuza, na Rádio Jovem Pan AM; faz crítica de música popular para o jornal O Estado de S. Paulo; escreve para as revistas Som 3, Nova e outras publicações no Brasil e no exterior. Em 1997, coordena a Enciclopédia da música brasileira, e em 1982, ao lado de Tárik de Souza, planeja e coordena a terceira edição dos fascículos História da Música Popular Brasileira, da Editora Abril.

Desde 1958 realiza palestras e cursos sobre Música Popular Brasileira e Jazz no Brasil e no exterior, tendo sido também jurado de alguns do mais importantes festivais de música no Brasil.

Com uma larga experiência como produtor e diretor musical, Zuza dirige nos anos 70 a série de shows O Fino da Música, no Anhembi, São Paulo, que apresentava nomes conhecidos como o regional do Canhoto, Elis Regina e Elizeth Cardoso, e outros que apenas despontavam, como João Bosco, Ivan Lins e Alcione, por exemplo.

Nos anos 80, dirige os três Festivais de Verão do Guarujá, reunindo os veteranos Jackson do Pandeiro, Patativa do Assaré e Luiz Gonzaga, os consagrados Jorge Ben e Raul Seixas, e novatos como Djavan, Beto Guedes e Alceu Valença. Mais tarde, produz a tournée de Milton Nascimento ao Japão (1988); dirige Milton e Gilberto Gil na série de concertos Basf Chrome Music (1989).

Nos anos 90 assume a direção geral das três edições do Festival Carrefour, que revela nomes como Chico César, Lenine, Sérgio Santos e Zélia Duncan; durante a mesma década, dirige para o SESC os shows Ramalhete de melodias, Lupicínio às Pampas, o premiado Raros e Inéditos, a série Ouvindo Estrelas (durante dois anos), os 10 espetáculos Aberto para Balanço comemorativos dos 50 anos da entidade e o concerto de 100 anos de George Gershwin.

Na televisão, apresentou a série “Jazz Brasil” pela TV Cultura e na área fonográfica produziu discos de Jacob do Bandolim, Orlando Silva, Fafá Lemos e Carolina Cardoso de Meneses, Elis Regina, atuando na seleção de repertório do CD “Canções paulistas” com os Trovadores Urbanos transformado, em 2007, num DVD do espetáculo. Foi diretor musical do Baretto entre 2001 e 2004, em 2005 produziu as vinhetas da radio Band News FM e no anos seguinte da TV Band News. Em 2006 foi curador dos shows de MPB no Café Filosófico da CPFL em Campinas, sendo coordenador dessa programação desde 2007.

Jornalista convidado para os mais importantes festivais de música do globo – Montreux, Edimburgo, Nova York, New Orleans, Barbados, Paris, Midem de Cannes, Tóquio, Montreal e Perugia -, Zuza integrou a equipe dos dois Festivais de Jazz de São Paulo (1978 e 80) e foi curador do elenco do Free Jazz Festival desde sua primeira edição, em 1985, e depois do seu sucessor, Tim Festival. Membro e ex-presidente da Associação dos Pesquisadores da MPB, Zuza Homem de Mello publicou os livros Música popular brasileira cantada e contada (1976), A canção no tempo (dois volumes, em co-autoria com Jairo Severiano (Editora 34, 1997-98), João Gilberto (Publifolha, Coleção Folha Explica, 2001) e A Era dos Festivais (Editora 34, 2003).

http://pt.wikipedia.org/wiki/Zuza_Homem_de_Mello

http://www.homemdemello.com.br/zuza.html