Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Zé da Velha e Silvério Pontes

Zé da Velha e Silvério Pontes

Luciano Pires -

Nascido em Sergipe, Zé da Velha (José Alberto Rodrigues Matos) foi influenciado musicalmente pelo pai, alfaiate profissional e flautista e saxofonista amador. Já morando no Rio, aos 15 anos começou a tocar trombone, primeiro de pistão, mais tarde de vara. Logo cedo se enturmou com músicos de gafieira, sambistas e chorões da Velha Guarda, de onde veio o apelido que virou nome artístico. Paralela à atividade de instrumentista, trabalhou em companhias aéreas por mais de 40 anos, até se aposentar.

O trompetista Silvério Pontes, 20 anos mais jovem que Zé da Velha, transita pela área do choro e tocou ao lado de artistas como Luiz Melodia, Tim Maia, Elza Soares e integra o naipe de metais do grupo de reggae Cidade Negra. A parceria entre Silvério e Zé da Velha começou em 1991, e deu tão certo que os dois passaram a se apresentar juntos e em 1995 gravaram o disco “Só Gafieira”, indicado para o prêmio Sharp. Em 1999 veio o segundo CD, “Tudo Dança — Choros, Maxixes, Sambas”, trazendo faixas como “Bole Bole” (Jacob do Bandolim), “O Bom Filho a Casa Torna” (Bonfiglio de Oliveira) e “Pra Machucar Meu Coração” (Ary Barroso). No ano seguinte veio “Ele e Eu”, com repertório de choros e sambas.

O trombonista Zé da Velha e o trompetista Silvério Pontes são dois representantes do que há de melhor na música brasileira. Junta há 21 anos, a dupla já participou de inúmeras gravações importantes, de nomes como Ney Matogrosso, Beth Carvalho, Martinho da Vila e Yamandu Costa. Desde que foi criada, em 2001, a Biscoito Fino – a gravadora que mais vem dando espaço à MPB esquecida pelas multinacionais – já convidou Zé da Velha e Silvério Pontes para vários projetos, entre eles o tributo Ao Jacob, Seus Bandolins, com regravações dos maiores clássicos do chorão.

Jacob do Bandolim, aliás, não é  personagem estranho para Zé da Velha, que tocou com ele e outros gênios do choro como Paulo Moura, Waldir Azevedo e o mestre Pixinguinha.

Mas, sozinha, a dupla gravou pouco. Foram apenas quatro discos, sendo que o primeiro, Só Gafieira, saiu apenas em 1995, pelo selo Kuarup. “No Brasil, quando se toca música instrumental, não acreditam na gente enquanto não gravamos nosso primeiro disco”, lamenta Silvério Pontes, lembrando que, mesmo assim, para o primeiro disco a Kuarup queria apenas a presença de Zé da Velha. “Mas ele bateu o pé e exigiu minha presença. Até hoje esse é o nosso disco mais vendido.”

O mais recente trabalho da dupla é Samba Instrumental, gravado em novembro de 2002 no Teatro Municipal de Niterói e lançado em 2003 por um selo da Prefeitura do município fluminense. O nome do disco já diz tudo. Mantendo seu clima de gafieira característico, Zé da Velha e Silvério Pontes – acompanhados por Charles da Costa (violão), Alessandro Cardoso (cavaquinho), Carlinhos Sete Cordas (violão 7 cordas) e Jacaré, Rodrigo de Jesus, Netinho e Marcelo Pizzotti (percussão) – relêem grandes clássicos do samba em forma de choro.

http://zedavelhaesilveriopontes.blogspot.com/


Zé da Velha e Silvério Pontes

[youtube]fuHAe2VIQAI[/youtube]
[youtube]64rUfSSs4f0[/youtube]
[youtube]3L1zB6IbHjw[/youtube]