Portal Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

O que aprender (ou não) com os headhunters
Mauro Segura
Transformação
Será que os headhunters realmente ajudam (ou não) a nossa carreira? A experiência de Mauro Segura com headhunters pode ajudar a encontrar a resposta para essa pergunta.

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Zé da Velha e Silvério Pontes

Zé da Velha e Silvério Pontes

Luciano Pires -

Nascido em Sergipe, Zé da Velha (José Alberto Rodrigues Matos) foi influenciado musicalmente pelo pai, alfaiate profissional e flautista e saxofonista amador. Já morando no Rio, aos 15 anos começou a tocar trombone, primeiro de pistão, mais tarde de vara. Logo cedo se enturmou com músicos de gafieira, sambistas e chorões da Velha Guarda, de onde veio o apelido que virou nome artístico. Paralela à atividade de instrumentista, trabalhou em companhias aéreas por mais de 40 anos, até se aposentar.

O trompetista Silvério Pontes, 20 anos mais jovem que Zé da Velha, transita pela área do choro e tocou ao lado de artistas como Luiz Melodia, Tim Maia, Elza Soares e integra o naipe de metais do grupo de reggae Cidade Negra. A parceria entre Silvério e Zé da Velha começou em 1991, e deu tão certo que os dois passaram a se apresentar juntos e em 1995 gravaram o disco “Só Gafieira”, indicado para o prêmio Sharp. Em 1999 veio o segundo CD, “Tudo Dança — Choros, Maxixes, Sambas”, trazendo faixas como “Bole Bole” (Jacob do Bandolim), “O Bom Filho a Casa Torna” (Bonfiglio de Oliveira) e “Pra Machucar Meu Coração” (Ary Barroso). No ano seguinte veio “Ele e Eu”, com repertório de choros e sambas.

O trombonista Zé da Velha e o trompetista Silvério Pontes são dois representantes do que há de melhor na música brasileira. Junta há 21 anos, a dupla já participou de inúmeras gravações importantes, de nomes como Ney Matogrosso, Beth Carvalho, Martinho da Vila e Yamandu Costa. Desde que foi criada, em 2001, a Biscoito Fino – a gravadora que mais vem dando espaço à MPB esquecida pelas multinacionais – já convidou Zé da Velha e Silvério Pontes para vários projetos, entre eles o tributo Ao Jacob, Seus Bandolins, com regravações dos maiores clássicos do chorão.

Jacob do Bandolim, aliás, não é  personagem estranho para Zé da Velha, que tocou com ele e outros gênios do choro como Paulo Moura, Waldir Azevedo e o mestre Pixinguinha.

Mas, sozinha, a dupla gravou pouco. Foram apenas quatro discos, sendo que o primeiro, Só Gafieira, saiu apenas em 1995, pelo selo Kuarup. “No Brasil, quando se toca música instrumental, não acreditam na gente enquanto não gravamos nosso primeiro disco”, lamenta Silvério Pontes, lembrando que, mesmo assim, para o primeiro disco a Kuarup queria apenas a presença de Zé da Velha. “Mas ele bateu o pé e exigiu minha presença. Até hoje esse é o nosso disco mais vendido.”

O mais recente trabalho da dupla é Samba Instrumental, gravado em novembro de 2002 no Teatro Municipal de Niterói e lançado em 2003 por um selo da Prefeitura do município fluminense. O nome do disco já diz tudo. Mantendo seu clima de gafieira característico, Zé da Velha e Silvério Pontes – acompanhados por Charles da Costa (violão), Alessandro Cardoso (cavaquinho), Carlinhos Sete Cordas (violão 7 cordas) e Jacaré, Rodrigo de Jesus, Netinho e Marcelo Pizzotti (percussão) – relêem grandes clássicos do samba em forma de choro.

http://zedavelhaesilveriopontes.blogspot.com/


Zé da Velha e Silvério Pontes

[youtube]fuHAe2VIQAI[/youtube]
[youtube]64rUfSSs4f0[/youtube]
[youtube]3L1zB6IbHjw[/youtube]