Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Wilson Moreira

Wilson Moreira

Luciano Pires -

alt
Wlson Moreira

Wilson Moreira Serra, ou simplesmente Wilson Moreira (Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 1936), é um cantor e compositor brasileiro.

Wilson Moreira é um mestre. Sua família, povo do jongo e caxambu, o iniciou no melhor de nossa arte negra. Começou nas escolas de samba de Realengo onde morava. Foi tocar tamborim na Água Branca, que se fundiu posteriormente à Mocidade Independente de Padre Miguel. Já mostrava seu talento artístico, tocava percussão, era passista e fazia suas primeiras composições. Em 1956, Leny Andrade gravou sua primeira música, Antes Assim.

Em 1962 e 63 ganhou os sambas-enredo da escola. Começou a participar de grupos como Os Cinco Só (com Zuzuca, Zito, Jair do Cavaquinho e Velha), que depois mudou de nome para Turma do Ganzá. Com grupo Partido em 5, grava um LP de mesmo nome. Dividia o espaço com bambas como Candeia, Casquinha, Velha e Joãozinho da Pecadora. O disco fez muito sucesso na época. Vendeu tanto que não só gerou duas continuações, como foi motivação suficiente para que o Wilson largasse sua profissão de carcereiro (sic) e se tornasse músico profissional.

A carreira de Wilson começa a deslanchar. Grava os volumes seguintes dos discos Partido em 5 e duas de suas parcerias com Candeia fazem sucesso. Mel e Mamão com Açúcar e Não Tem Veneno, esta última levava a quadra de sua nova escola, a Portela, à loucura quando interpretada.

Quando o Nei Lopes procurava um parceiro para letrar as melodias, o Delcio Carvalho falou para ele: “Vem cá que vou te apresentar um sujeito que põe música até em bula de remédio”. Formava-se então uma das mais geniais duplas da história da música brasileira. Se você gosta de samba, conhece algumas de suas músicas. Como Coisa da Antiga (“Na tina, que vovó lavou/a roupa que mamãe vestiu quando foi batizada”), grande sucesso de Clara Nunes. Goiabada Cascão em Caixa (“Goiabada Cascão em caixa/É coisa fina, sinhá/que ninguém mais acha”), sucesso na voz de Beth Carvalho. A lindíssima Gostoso Veneno (“Esse amor me envenena/mas todo amor sempre vale a pena/desfalecer de prazer/morrer de dor/tanto faz, eu quero mais amor”), gravada por Alcione e que outro dia virou até trilha de novela global. Senhora Liberdade (“Abre as asas sobre mim, ó Senhora Liberdade/ eu fui condenado sem merecimento/por um sentimento/por uma paixão”) que virou hino na campanha das diretas e nos comícios do Lula em 89. Parafraseando o Monarco, se for falar dos sucessos do Wilson, hoje não vou terminar.

A dupla gravou dois discos fundamentais de samba, “A Arte Negra de Wilson Moreira e Nei Lopes” e “O Partido muito Alto de Wilson Moreira e Nei Lopes”. A última vez que os discos foram editados saíram na série de coletâneas Raízes do Samba.

No final dos anos oitenta, a dupla se desfez em discos. Ambos lançaram discos solo que tinham músicas da dupla, mas também contavam com outros parceiros. Wilson fez dois discos especialmente para o mercado japonês produzidos pelo Tanaka, “Peso na Balança” e “Okolofé”. Estes discos contavam com a nata dos instrumentistas brasileiros.

Em 97 acontece um acidente, Wilson sofre um derrame. O mundo do samba se une em show para ajudar seu tratamento. Apesar da fraca divulgação na mídia, o show lotou o Teatro João Caetano no Rio de Janeiro. Mais de 1.000 pessoas aplaudiram extasiadas Paulinho da Viola, Dona Ivone Lara, Nei Lopes, Zeca Pagodinho, Zé Ketti, Nelson Sargento e muitos, muitos outros homenagearem o bamba. Meses depois, ao falar do show, Wilson afirma: “Vencemos a mídia”.

http://www.dicionariompb.com.br/wilson-moreira/

http://cliquemusic.uol.com.br/artistas/ver/wilson-moreira
    
[youtube]4bXwkuMP1rk[/youtube]
[youtube]4hMCbgZJ6ZU[/youtube]
[youtube]V10UvkRU4MY[/youtube]
[youtube]t40or2CGE0c[/youtube]