Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Sherpas

Sherpas

Luciano Pires -

 

Na China, eles são conhecidos comp Xiaerba, apesar de o governo chinês classificá-los como membros do povo tibetano. Na língua xerpa, shyar significa “leste”; pa é o sufixo significando ‘povo’: daí a palavra shyarpa ou xerpa. Nos anos recentes, muitos xerpas migraram para a Índia.

A maioria dos xerpas vive nas regiões orientais do Nepal: Solu, Khumbu ou Pharak. No entanto, alguns vivem mais a oeste, no vale Rolwaling e na região de Helambu, ao norte de Katmandu. Pangboche é a mais antiga vila xerpa do Nepal, e acredita-se ter sido construída há mais de 300 anos. Os xerpas falam sua língua própria, que se assemelha a um dialeto do tibetano. Eles são por tradição comerciantes e fazendeiros, cultivando seus campos de batatas, cevada e trigo. Alguns vivem perto de Namche Bazaar. Os Jirels, povo originário de Jiri, têm parentesco étnico com os xerpas. Diz-se que os Jirels são descendentes de uma mãe xerpa e de um pai Sunuwar (outro grupo étnico da parte oriental do Nepal. Na Índia, os xerpas também vivem nas cidades de Darjeeling e Kalimpong, bem como no Estado indiano de Sikkim.

Tradicionalmente (embora não seja seguido sempre), os nomes dos homens sherpa refletem freqüentemente o dia da semana em que nasceram:

Os sherpas foram de um valor incomensurável para os primeiros exploradores da região do Himalaia, servindo de guias e carregadores nas altitudes extremas dos picos e passos da região. Hoje em dia, o termo foi estendido para se aplicar a praticamente qualquer guia ou carregador empregado pelas expedições que se aventuram pelo Himalaia. No entanto, no Nepal, os sherpas insistem freqüentemente em fazer uma distinção entre eles mesmos e os carregadores normais, já que eles têm também um papel de guias e reclamam salários mais elevados e maior respeito da comunidade. É freqüente ver-se o termo genérico “sherpa”, significando “guia”, escrito em minúsculas, em contraste com o termo “Sherpa”, com inicial maiúscula, significando o grupo étnico.

Os sherpas são conhecidos no mundo da montanha e da escalada por sua resistência, conhecimento e experiência em altas altitudes. Eles ganharam tal reputação principalmente porque, apesar do valor de seus serviços, o pagamento é insuficiente para muitos deles comprarem os modernos apetrechos de escalada utilizados pelos alpinistas ocidentais.

Muitos especularam que parte da capacidade extraordinária dos sherpas para o alpinismo deve-se a uma capacidade pulmonar superior adquirida geneticamente, permitindo um desempenho bem melhor a altas altitudes. Também sugeriu-se que uma das razões pelas quais eles eram largamente empregados como carregadores deve-se ao fato de terem menos restrições dietéticas do que as outras etnias da região, e estavam preparados para comer qualquer coisa que lhes fosse dada a comer durante as expedições.

Historicamente, o sherpa mais famoso é Tenzing Norgay, que escalou o monte Everest com Edmund Hillary pela primeira vez em 1953.

Dois sherpas, Pemba Dorjie e Lhakpa Gelu, competiram recentemente para determinar quem conseguiria escalar o Everest mais rapidamente. Em 23 de maio de 2003, Dorji alcançou o topo em doze horas e 46 minutos. Três dias depois, Gelu bateu esse recorde de duas horas, alcançando o pico em dez horas e 46 minutos. Em 21 de maio de 2004, Dorjie novamente melhorou a marca em mais de duas horas, com um tempo total de oito horas e dez minutos. Este feito pode ser considerado como uma das maiores façanhas da história do alpinismo.


Um Sherpa


Pemba Dorjie