Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Sérgio Saraceni

Sérgio Saraceni

Luciano Pires -

alt
Sérgio Saraceni

Sergio Saraceni é natural do Rio de Janeiro, nascido em 1 de novembro de 1952, compositor e maestro atuante no universo audio visual.

Dos 12 aos 17 anos, estudou piano, orquestração e composição com Eunice Katunda, teoria musical com Bohumil Med, e violão clássico com Jodacil Damaceno e Turíbio Santos. Aos 18 anos de idade prestou vestibular para a escola superior de música Instituto Villa-Lobos-Fefierj (1970) e obteve o primeiro lugar entre 182 candidatos.

Após 2 anos, transferiu-se para os Estados Unidos (1972), graduando-se em “arranging and composition” pela Berklee College of Music. Sergio foi um dos primeiros brasileiros a chegar na escola que é hoje o mais conhecido e renomado centro de estudo de música popular do mundo.

De volta ao Brasil, trabalhou dando aulas, tocando em conjuntos, gravando e atuando como músico acompanhante de cantores populares (Nana Caymmi, Emílio Santiago, Beth Carvalho entre outros). Ao mesmo tempo, aprofundou-se no estudo do seu grande objetivo: o de atuar como compositor para cinema, publicidade e televisão.

Em 1977 , assina a trilha sonora original do seu primeiro filme, no premiado “Anchieta, José do Brasil”, longa metragem dirigido por Paulo Cezar Saraceni, num trabalho executado pela Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

Daí, iniciou uma sólida carreira como compositor de filmes. Musicou 42 longa-metragens, trabalhando com alguns dos mais importantes cineastas brasileiros, como Carlos Manga (Os Trapalhões e o Rei do Futebol), Paulo Thiago (Águia na Cabeça, Policarpo Quaresma), Fábio Barreto (O Rei do Rio), Murilo Salles (Nunca Fomos tão Felizes), Paulo Cezar Saraceni (Anchieta José do Brasil, Natal da Portela, entre outros), David Neves (Fulaninha), Nelson Pereira dos Santos (A Estrada da Vida, Insonia, O Ladrão) e muitos outros diretores.

Em 1978, após uma espera de 3 meses em frente aos estúdios de música da TV Globo em Botafogo, logra êxito e consegue uma vaga como arranjador no antigo e famoso programa de auditório “Globo de Ouro”, escrevendo para pequenos conjuntos acompanhantes de cantores famosos.

De lá, em 1979, juntamente com os maestros Waltel Branco e Geraldo Vespar, dá início a um trabalho pioneiro, escrevendo as primeiras composições originais para as novelas e séries de TV, o que viria a abrir um enorme caminho na própria TV Globo e nas outras emissoras, visando a criação de núcleos de composição de trilhas originais. Até aquela época, todos os programas de dramaturgia da TV Globo eram sonorizados por discos de trilhas sonoras americanas e européias, não havendo inclusão de músicas originais compostas por compositores brasileiros.

 Na televisão, destacaram-se as composições e a direção musical de Sergio em séries como “O Tempo e o Vento”, 1984, com A.C. Jobim, A. Didier, Dori Caymmi, “Anos Dourados”, 1985, “A Muralha”, 2000, e “Dalva & Herivelto ” em 2010 . Escreveu ainda trilhas sonoras originais para novelas de grande audiência, tais como, “Vale Tudo”, 1986, “Roque Santeiro”, 1988, “O Cravo e a Rosa”, 2000, “Celebridade”, 2003, “Belíssima”, 2004, e “Passione ” 2010.

Entre 1978 e 2011, Saraceni trabalhou ao lado dos mais importantes diretores de televisão do país, tais como Roberto Talma, Walter Avancini, Denise Saraceni, Dennis Carvalho, Jorge Fernando, Ricardo Waddington, Daniel Filho e muitos outros.

Nos anos 80 e início dos 90, Sergio atuou também como compositor no universo publicitário, com especial atuação na agência Provarejo, na produção de trilhas para a rede de lojas Mesbla.

Transfere-se da TV Globo para o SBT em 1993 com a finalidade de criar ali um centro de produção de música para dramaturgia, algo inédito naquela emissora. Deixa o cargo de diretor musical do SBT em 1995 e segue normalmente as suas atividades como compositor e produtor de trilhas originais para cinema e publicidade.

Em 1997, convidado por seu amigo, o compositor e maestro Aluisio Didier, assume as funções de compositor e produtor musical do canal à cabo Globonews, juntamente com a sua volta aos quadros da TV Globo. Na Globonews, ajuda a criar a trilha sonora deste canal, permanecendo ali, até o ano de 2004, quando deixa as suas funções neste veículo.

Premiado 5 (cinco) vezes nos importantes festivais de cinema de Gramado e Brasília . Ainda no cinema, colaborou (1980) com Radamés Gnattali na criação e produção da música do filme “Eles não usam Black Tie”, de Leon Hirszman . Com Radamés, Sergio construiu uma significativa parceria de amizade e música por longos anos. Formavam um belo grupo de compositores e grandes amigos, ao lado de Aluisio Didier, Antonio Carlos Jobim e Zeca Assumpção.

Atualmente prossegue sua carreira como compositor de cinema e televisão.

http://www.musimagembrasil.com/socios/br/20/sergio-saraceni