Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Sadi Cabral

Sadi Cabral

Luciano Pires -

Sadi Sousa Leite Cabral (Maceió, 10 de setembro de 1906 – São Paulo, 23 de novembro de 1986) foi um ator e compositor brasileiro.

Ele veio para o sul do país ainda bem jovem e em 1923, já no Rio de Janeiro, começou no teatro, trabalhando em várias comédias. Em 1936 teve a oportunidade de participar do elenco do filme “Bonequinha de Seda”, de Oduvaldo Vianna.

A partir daí, integrou vários elencos de revistas no teatro e entrou para o TBC em 1956 atuando ao lado de Cacilda Becker. Foi pioneiro no rádio, onde introduziu as radionovelas com base em romances e textos teatrais.

Ele nunca foi galã, mas se tornou um ator imprescindível tanto no teatro como no cinema e na TV desde seus primeiros movimentos. No cinema, depois de “Bonequinha de Seda” ele fez trabalhos marcantes em “Inconfidência Mineira”, “A Escrava Isaura”, “O Pecado de Nina”, “Rio 40 graus”, “Mãos Sangrentas”, “Cinco Vezes Favela”, “Lampião, o Rei do Cangaço”, “Chuvas de Verão” e “Perdoa-me por Me Traíres”, entre muitos outros.

Na TV, Sadi Cabral estrearia no início dos anos 50 nos teleteatros da TV Tupi e em telenovelas apenas em 1967 em “Paixão Proibida”, telenovela escrita por Janete Clair para a TV Tupi, mas ganhou projeção nacional ao viver o Seu Pepê na novela “Minha Doce Namorada” na TV Globo na década de 1970. Seu último trabalho na televisão foi em “Maçã do Amor”, novela exibida pela TV Bandeirantes.

Foi como letrista que deixou sua contribuição para a música popular brasileira. Seu grande parceiro foi Custódio Mesquita.

Em 1938, escreveu uma opereta em parceria com Custódio Mesquita: “A Bandeirante”, encenada em outubro do mesmo ano, no Teatro São Pedro, em Porto Alegre, RS.

Em 1940, escreveu letras para composições de Custódio Mesquita, que se tornaram grandes sucessos na voz de Sílvio Caldas: “Mulher” e “Velho realejo”. A primeira é um fox, de letra inspirada, aproveitado como tema em seriado de mesmo nome, produzido pela TV Globo quase 50 anos depois de composto, pelo cantor Emílio Santiago.

Em 1941, compôs, também em parceria de Custódio Mesquita, valsas como “Pião” e “Bonequinha”, gravada por Carlos Galhardo na RCA Victor.

Em 1943, Carmen Costa gravou a valsa “Velho realejo”, em ritmo de samba. Esta valsa foi regravada dois anos depois pelo grupo Anjos do Inferno. Em 1946, teve o choro “Ciúmes”, parceria com David Raw, gravado por Rubens Peniche.

Faleceu aos 80 anos, vitimado por uma parada cardíaca.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Sadi_Cabral

http://www.adorocinema.com/atores/sady-cabral/

http://va.mu/EuwZ – Sadi Cabral em Meu cinema brasileiro


Sadi Cabral