Portal Café Brasil
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Os 7 erros da Folha de São Paulo sobre o “escândalo do Fake News”.
Carlos Nepomuceno
Veja o vídeo aqui.

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Quando passar a alucinação coletiva saberemos com quem ...

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Roberto Ribeiro

Roberto Ribeiro

Luciano Pires -

Sambista do Império Serrano, Roberto Ribeiro construiu uma respeitável carreira de intérprete e compositor desde a segunda metade da década de 1960. De voz bem timbrada e enxuto fraseado, seu repertório incluíam sambas de todos os tipos, como afoxés, ijexás, maracatus e outros ritmos africanos. Tem mais de 20 discos gravados, com sucessos populares como as canções “Acreditar”, “Estrela de Madureira”, “Todo Menino É um Rei”, “Malandros Maneiros”, “Fala Brasil” e “Amor de Verdade”.

Filho de Antônio Ribeiro de Miranda (um jardineiro) e Júlia Maciel Miranda, Roberto era um carioca típico, apaixonado por futebol e samba. Aos nove anos de idade, trabalhava como entregador de leite. Naquele tempo, já frequentava a Escola de Samba Amigos da Farra, da cidade de Campos dos Goytacazes, e participava das festas do tradição “Boi Pintadinho”.

Ele foi jogador de futebol profissional em sua cidade natal. Depois de passagens por equipes amadoras (Cruzeiro e Rio Branco), ele se tornou goleiro do Goytacaz Futebol Clube. Era conhecido pelo apelido de “Pneu”. Em 1965, Roberto mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro em busca de um lugar em um clube grande carioca.

Chegou a treinar no Fluminense, mas acabou desistindo da carreira e começou a trabalhar com música, a se apresentar no programa “A Hora do Trabalhador”, da Rádio Mauá, do Rio de Janeiro. Sua performance chamou a atenção da compositora Liette de Souza (que viria a ser sua esposa), irmã do compositor Jorge Lucas. Ela resolveu apresentá-lo aos sambistas da Império Serrano e Roberto passou a frequentar as rodas de samba da tradicional escola de Madureira. A diretoria da Império convidou-o para ser o puxador de samba-enredo da escola no Carnaval de 1971.

Ele aceitou, mas se afastou nos dois carnavais seguintes para gravar seus primeiros discos como cantor. A partir de 1974, Roberto Ribeiro firmou-se como puxador oficial da Império, defendendo a agremiação até o Carnaval de 1981. Dentre os grandes destaques nos desfiles cariocas, estão os sambas-enredo “Brasil, Berço dos Imigrantes”, de 1977 (feito em parceria com o cunhado Jorge Lucas), e em “Municipal Maravilhoso, 70 Anos de Glórias”, de 1979 (parceria com Jorge Lucas e Edson Passos).

Sua carreira como cantor ganhou impulso a partir de 1972 com gravações de três compactos em parceria com Elza Soares pela Odeon. Satisfeita com o sucesso dos compactos, o selo lançou o LP “Elza Soares e Roberto Ribeiro”. No ano seguinte, Roberto gravou um LP, “Simone et Roberto Ribeiro – Brasil Export 73 Agô Kelofé”, junto com a Simone, lançado pela Odeon exclusivamente para o mercado externo.

Em 1975, a mesma gravadora lançou o compacto duplo “Sucessos 4 sambas”, no qual Roberto Ribeiro interpretou “Leonel/Leonor” (de Wilson Moreira e Neizinho). Ainda neste ano, foi lançado o disco “Molejo”, que despontou com os sucessos “Estrela de Madureira” (de Acyr Pimentel e Cardoso) e “Proposta amorosa” (de Monarco) e chamou a atenção da crítica. No ano seguinte, foi lançado “Arrasta Povo”, LP que destacou mais dois grandes sucessos nas rádios de todo o Brasil: “Tempo É” (de Zé Luiz e Nelson Rufino) e “Acreditar” (de Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho).

Gravou em 1977 o LP “Poeira Pura”, onde se destacou “Liberdade” (de Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho). Um ano depois, foi lançado o álbum “Todo Menino É Um Rei”, que o colocou outra vez nas lista dos discos mais vendidos, puxado pelos sucessos da faixa-título (de Nelson Rufino e Zé Luiz), de “Amei demais” (de Flávio Moreira e Liette de Souza), de “Isso não são horas” (de Catoni, Chiquinho e Xangô da Mangueira) e de “Meu drama” (de Silas de Oliveira e J. Ilarindo) – esta incluída também na trilha sonora da novela “Pai Herói”, da Rede Globo. Em 1979, foi a vez do lançamento do LP “Coisas da Vida”, que teve entre as mais tocadas “Vazio” (de Nelson Rufino), também conhecida na época como “Está faltando uma coisa em mim”, e “Partilha” (de Romildo e Sérgio Fonseca).

No início da década de 1980, Roberto gravou “Fala meu povo”. Neste LP, de 1980, constavam algumas composições de sua autoria como “Vem” (parceria com Toninho Nascimento) e sucessos como “Só chora quem ama” (de Wilson Moreira e Nei Lopes) e “Quem lucrou fui eu” (Monarco). Em 1981, foi lançado “Massa, raça e emoção”, com o sucesso “Santa Clara Clareou” (de Zé Baiano do Salgueiro).

Em 1983, foi lançado o disco “Roberto Ribeiro”, com o sucesso “Algemas” (parceria com Toninho Nascimento). Em 1984, no seu LP “De Palmares ao tamborim”, obteve êxito com “Lágrima Morena” (outra parceria sua com Toninho Nascimento). Naquele ano participou do disco “Partido alto nota 10”, de Aniceto do Império, no qual interpretaram em dueto a faixa “Chega Devagar”, de autoria de Aniceto do Império.

Em 1985, foi lançado o LP “Corrente de Aço”, que contou com a participação de Chico Buarque de Hollanda na música “Quem te viu, quem te vê” (do próprio Chico) e de Nei Lopes, em “Malandros maneiros” (Nei Lopes e Zé Luiz). Em 1987, Roberto Ribeiro gravou o disco “Sorri pra Vida”, obtendo sucesso com a faixa “Ingrata Paixão” (de Mauro Diniz, Adílson Victor e Ratinho) e, um ano depois, “Roberto Ribeiro”, que contou com a participação especial de Alcione na faixa “Mel pra minha dor” (de Nelson Rufino e Avelino Borges) e do Grupo Raça, em “Malandro mais um” (de Ronaldinho e Carlos Moraes).

Passou a sofrer de um seriíssimo problema de vista e, em Janeiro de 1996, faleceu em virtude um atropelamento no bairro de Jacarepaguá, Rio de Janeiro. Perdeu um olho em razão de uma contaminação por fungo agravada pelo diabetes).

Um ano antes, em 1995, a EMI-Odeon lançou a coletânea “O Talento de Roberto Ribeiro”, na qual compilou 22 sucessos de seus vários discos. Roberto participara ainda naquele ano do disco-homenagem “Clara Nunes com Vida”, produzido por Paulo César Pinheiro, no qual interpretou (com sua voz acrescida posteriormente) um dueto com Clara Nunes, “Coisa da Antiga” (de Wilson Moreira e Nei Lopes).

Sua vida foi contada em livro de autoria de sua própria esposa, Liette de Souza Maciel, com o título “Dez anos de saudade” (Potiguar Editora).

http://www.dicionariompb.com.br/roberto-ribeiro


Roberto Ribeiro

[youtube]oHv-m7YlSqc[/youtube]
[youtube]dm2u9T9nc74[/youtube]
[youtube]dduV3HNuq2U[/youtube]