Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Rémy de Gourmont

Rémy de Gourmont

Luciano Pires -

Poeta, romancista, dramaturgo e ensaísta francês nascido em Bazoches-en-Houlmes, Orne, Normandie, um dos principais expoentes do simbolismo, defensor da tese de que a crítica deve basear-se somente em princípios estéticos, desprezando os valores éticos. Sua mãe, Marie de Montfort, era descendente do poeta François de Malherbe (1555-1628).

Após ser educado no lycée de Countances (1868-1876), estudou direito em Caen e foi para Paris (1883) para trabalhar na Biblioteca Nacional de Paris e onde foi um dos fundadores, juntamente com Alfred Vallette, Jules Renard e Louis Dumur, da importante publicação Le Mercure de France (1890). Acusado de comportamento antipatriótico, foi demitido (1891) após publicar o artigo Le joujou patriotisme, no Mercure de France, revista onde defendeu a corrente simbolista. Como crítico promoveu a divulgação do simbolismo francês e influenciou poetas como T. S. Eliot e Ezra Pound e teve o mérito de salientar a importância de autores como Villiers de l’Isle Adam, Huysmans, Mallarmé e Nietzsche, quando suas obras eram ainda pouco conhecidas.

Como ensaísta produziu uma obra de interesses filológicos, estéticos, filosóficos e literários, como em Épilogues, réflexions sur la vie (1895-1913), Les Chevaux de Diomède (1897), L’Esthétique de la langue française (1899), , Le Songe d’une femme (1899), Promenades littéraires (1904-1927), Promenades philosophiques (1905-1909) e La Culture des idées (1900) e Un cœur virginal (1907).

Foi também autor de peças, poemas simbolistas e romances, como Sixtine (1890), L’Pèlerin du silence (1896), D’un pays lointain (1898), Oraisons mauvaises, (1900), Simone (1901) e Physique de l’amour (1903). Também publicou Le Latin mystique (1892), uma história da poesia religiosa medieval em latim, e morreu em Paris.

Algumas frases

O que é imoral é a estupidez.

A gratidão, como o leite, azeda, caso o vaso que a contém não esteja escrupulosamente limpo.

As ideias simples só estão ao alcance de espíritos complexos.

O macho é um acidente; a fêmea seria suficiente.

A felicidade não existe, há apenas pessoas felizes.

É necessário matar muitos amores para que se chegue ao amor.

Saber o que todos sabem é não saber nada.

Nada iguala a satisfação de termos cumprido o nosso dever como uma boa noite de sono, uma excelente refeição e um belo momento de amor.