Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Preta Gil

Preta Gil

Luciano Pires -

Em 1974, o pai de Preta Gil, também cantor Gilberto Gil, foi ao cartório, registra-la, com a avó materna da cantora. Chegando lá o tabelião falou: “Você não vai poder registrar o nome de sua filha de Preta”. Gilberto Gil achou aquilo um cúmulo e protestanto disse: “Mas por que? Existem Biancas, Brancas, Claras, Rosas e não pode ter Preta?”. E o tabelião disse: “Tudo bem, você vai botar Preta, mas só se botar um nome católico junto.”. Então a Cantora e Atriz se chama “Preta Maria” por conta do tabelião.

Ela morou no Rio até um ano de idade, depois foi para Salvador. Sua mãe logo depois teve outra filha, chamada Maria. Preta diz ter achado pouco criativo para falar a verdade. Ela já tinha um irmão mais velho, o Pedro, que tinha nascido em Londres, na época do exílio. Gilberto Gil, seu pai foi exilado junto com o Caetano na época da ditatura. Aquilo foi um caos na família.

Desde criança ela tem uma imaginação muito fértil. Ela tinha um cachorrinho imaginário, quando tinha cinco anos. Seu pai foi fazer um disco em Los Angeles com o Sérgio Mendes. A família foi morar na Califórnia oito meses. A mãe de Preta que fala: “Chegou o navio negreiro!”, ela e os filhinhos pretos.

Ela conta que na rua as pessoas perguntavam se ela estava com os filhos das empregadas. Porque a irmã de Preta, Maria, tem o cabelo crespo. Seu irmão Pedro também. E Preta com os cabelos lisos. Preta comenta: “Eu era a índia, tanto é que eu meu apelido de criança era ‘Filipina'”. Caetano a chamava de Filipina.

Estava no Rio de Janeiro no auge dos anos 80. Bombando, Blitz, Paralamas, Barão Vermelho, Lulu Santos. Tinha tanta coisa boa que acontecia. Essa coisa da música nos anos 80 era algo muito gritante. Tinha o Circo Voador, que tinha show todo fim de semana, que eu, como boa filha de artista, vivia nos bastidores, nos camarins, via tudo aquilo acontecer.

“Isso tudo me deixava alucinada, amava esse ambiente, me sentia confortável. Palco era uma coisa que me atraía muito.” revela a cantora. “Toda vez que eu ia em show do meu pai, quando chegava no bis, que eu sabia que ele já tinha feito a parte dele, ele nem me chamava, mas eu e meu irmão subíamos lá.” continua a cantora. “Ele ia pra percussão e eu já ia pro lado da minha irmã Nara, que era backing vocal do meu pai, e já ficava cantando.” finaliza Preta.

Ela queria ser chacrete (do famoso programa de TV do Chacrinha) e todo sábado tinha gravação no teatro Fenix, no Jardim Botânico. O pai de Preta, nessa época, estava estourado nas paradas, seu tio Caetano, a madrinha Gal, alguém da família sempre ia no Chacrinha. E Preta falava: “Mãe, fala pro tio para eu ir, pai, deixa eu ir.” Ela vivia no Chacrinha.

Lembra que entrava no camarim dele, aquele camarim cheio de coisas e balagandans, e achava que ele era a ‘Carmem Miranda homem’. Ela sentava no colo dele, beijava ele, ele a amava. Começava aquele programa, as luzes, a platéia, e ela ficava em um cantinho e aí entravam todas as bandas que naquela época ela amava. Amava Elke Maravilha, que era jurada. Foi criada nesse ambiente dos anos 80, muito efervescente, muita cor cítrica, muita calça semi-bag.

E ali, nos anos 80 ainda, ela resolveu que ia ser atriz, e que ia estudar porque seria atriz e cantora. Ela achava que dava para ser as duas coisas, mas queria mais era ser atriz. E diz que já era. Ela já tinha o maiozinho de oncinha, já fazia números para os seus irmãos, que odiavam. Eles falavam: “Ai, essa menina é muito metida!”.

E ela fazia showzinho para a Gal, que é madrinha de Preta. Imitava ela, para ela. Quando ela chagava na casa de Preta, ela já botava “oh balancê, balancê…”. Ela levava boá à Preta, levava roupas dela. Imitava a Rita Lee, Elba, amava Elba, ia a todos os shows dela.

Amora Silvestre, filha do Jorge Mautner, é melhor amiga de Preta. Um dia, quando elas eram crianças, Amora chegou na casa da amiga com uma boneca incrível que o Mautner viajou e trouxe para ela. E Preta não tinha uma boneca igual.

Ficou mal, arrasada, uma inveja horrorosa de criança. Preta queria porque queria aquela boneca também, mas orgulhosa, não falava nada. A amiga de Preta, Amora, ficava andando com aquela boneca e Preta com ‘ódio’ dela. Uma hora ela virou para Preta e disse: “Eu tenho essa boneca e você não tem!”, e Preta disse: “Ah é, mas o meu pai fala com Deus e o seu não!”. Estava no auge da música Se Eu Quiser falar com Deus, e Preta realmente achava que ele falava com o Senhor.

http://www.pretagil.com.br/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Preta_Gil


Preta Gil

[youtube]ktuDysHOIbE[/youtube]
[youtube]BKfoHT263DY[/youtube]
[youtube]I0WN_-phw3U[/youtube]