Portal Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

A abundante mente semanal
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: https://youtu.be/hHzgP5sqbjM LIVE COMPLETA: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157193323018631/   Quer fazer? Me mande um zap: 21-996086422. R$ 200,00 ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Paulo Padilha

Paulo Padilha

Luciano Pires -

Paulo Padrilha segundo ele mesmo

Sou um brasileiro típico, vira-lata nascido em Sampa , em 09/08/1964, filho das duas maiores correntes migratórias que passaram por aqui. Meu pai é descendente direto de italianos, vindos de uma pequena cidade ao sul da Itália chamada Tito, daí a origem do meu sobrenome “Lotito”. Minha mãe é mulata de pele clara, baiana de Salvador, filha de múltiplas e indecifráveis misturas, provavelmente negro, índio e português ou espanhol, de quem emprestei o “Padilha”.

De minha mãe herdei canções de Luiz Gonzaga, marchinhas de carnaval, histórias de tradição oral, o gosto pelo canto e por picadinho de carne de segunda com quiabo, além de vatapá, farinha e pimenta.

Do meu pai, um engenheiro que toca violino, pinta, desenha e escreve, trago talvez o bom humor, o espírito curioso, humanista, ateu e multidisciplinar. Além, é claro, da macarronada e outras delícias culinárias preparadas pela minha avó Antonieta e minha tia Nilza.

Tive uma infância de classe média absolutamente normal, no bairro do Campo Belo, onde brinquei na rua de esconde-esconde, rolimã, pipa, futebol, taco, bicicleta e tudo mais.

Minha lembrança mais remota ligada à música são as canções de ninar que minha mãe cantava, e uma viagem que fizemos de carro à Salvador.

Eu tinha sete anos. Minhas irmãs queridas, Denise e Márcia, tinham, respectivamente, 5 e 2 anos. A Marta, nossa babá/empregada, que devia ter uns 14 anos, também foi. A viagem durou três dias… Imagina a zona!

Não sei se havia carro com toca-fitas na época, mas tenho certeza que no nosso não tinha. Para passar o tempo, minha mãe cantava e meu pai batucava com a aliança no volante do carro, o volante duro e sonoro de uma Volks Wagen Variant bege. Aprendi muitas canções nesta viagem. Lembro de várias até hoje, acho que era basicamente Luiz Gonzaga e Braguinha, canções da juventude da minha mãe. Provavelmente escolhia as mais alegres, deixando de lado as da Ângela Maria, que ela também adorava.

Aos 10 anos, descobri um violão velho em casa e comecei a estudar com uma professora do bairro. Tinha facilidade para tocar e cantar. Durante a adolescência passei por vários professores de violão. Estudava um semestre, enjoava, parava um semestre, mudava de professor.

Ouvia muita MPB, deitado no sofá com o encarte do vinil na mão. Chico, Caetano, Gil, Gal, Bethânia, e uma coletânea de sambas em fita cassete que tinha Novos Baianos (Besta é Tu), Paulinho da Viola (Foi um Rio…), Martinho da Vila( Pagode do Vavá) e outros. Abri o pulso de tanto batucar no criado-mudo do quarto dos meus pais ouvindo esta fita.

Mas o que eu adorava mesmo era o Milton Nascimento. Especialmente uma coletânea da Abril, que vendia nas bancas de jornal, acompanhada de um encarte/revista. Era um vinil menor que os outros, com umas quatro faixas de cada lado. Tinha Milagre dos Peixes, Travessia, Meu Pai Grande, Aviões da Panair e outras. Eu cantava o disco inteiro, tentando imitar os falsetes e agüentar as notas longas do Milagre dos Peixes (“…a nossa doooooooor…”). Ouvia também o que tocava no rádio. Disco Music (Donna Summer, Chic e muitos outros). Ia gravando da rádio FM, novidade da época!

http://www.lastfm.com.br/music/Paulo+Padilha

alt
Paulo Padilha

[youtube]H2vdZ4V6Z9g[/youtube]
[youtube]hCatfoX-V9g[/youtube]
[youtubed]HsMZVvB3wJY[/youtube]