Portal Café Brasil
O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

610 – Abre-te Sésamo
610 – Abre-te Sésamo
Abre-te Sésamo é a frase mágica do conto de Ali-Babá e ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 – Labi Mendonça
LíderCast 106 - 106 - Hoje conversamos com Labi ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

O domínio esquerdista na dramaturgia brasileira
Bruno Garschagen
Ciência Política
Hoje, não há qualquer ameaça ao domínio da esquerda nas novelas, filmes, séries, teatro, programas de TV, jornalismo. Por isso a reação agressiva quando alguma obra fura a ditadura cultural.

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
Cafezinho 70 – O Efeito Genovese
O comportamento de quem vê algo errado e nada faz a ...

Ver mais

Paulo Padilha

Paulo Padilha

Luciano Pires -

Paulo Padrilha segundo ele mesmo

Sou um brasileiro típico, vira-lata nascido em Sampa , em 09/08/1964, filho das duas maiores correntes migratórias que passaram por aqui. Meu pai é descendente direto de italianos, vindos de uma pequena cidade ao sul da Itália chamada Tito, daí a origem do meu sobrenome “Lotito”. Minha mãe é mulata de pele clara, baiana de Salvador, filha de múltiplas e indecifráveis misturas, provavelmente negro, índio e português ou espanhol, de quem emprestei o “Padilha”.

De minha mãe herdei canções de Luiz Gonzaga, marchinhas de carnaval, histórias de tradição oral, o gosto pelo canto e por picadinho de carne de segunda com quiabo, além de vatapá, farinha e pimenta.

Do meu pai, um engenheiro que toca violino, pinta, desenha e escreve, trago talvez o bom humor, o espírito curioso, humanista, ateu e multidisciplinar. Além, é claro, da macarronada e outras delícias culinárias preparadas pela minha avó Antonieta e minha tia Nilza.

Tive uma infância de classe média absolutamente normal, no bairro do Campo Belo, onde brinquei na rua de esconde-esconde, rolimã, pipa, futebol, taco, bicicleta e tudo mais.

Minha lembrança mais remota ligada à música são as canções de ninar que minha mãe cantava, e uma viagem que fizemos de carro à Salvador.

Eu tinha sete anos. Minhas irmãs queridas, Denise e Márcia, tinham, respectivamente, 5 e 2 anos. A Marta, nossa babá/empregada, que devia ter uns 14 anos, também foi. A viagem durou três dias… Imagina a zona!

Não sei se havia carro com toca-fitas na época, mas tenho certeza que no nosso não tinha. Para passar o tempo, minha mãe cantava e meu pai batucava com a aliança no volante do carro, o volante duro e sonoro de uma Volks Wagen Variant bege. Aprendi muitas canções nesta viagem. Lembro de várias até hoje, acho que era basicamente Luiz Gonzaga e Braguinha, canções da juventude da minha mãe. Provavelmente escolhia as mais alegres, deixando de lado as da Ângela Maria, que ela também adorava.

Aos 10 anos, descobri um violão velho em casa e comecei a estudar com uma professora do bairro. Tinha facilidade para tocar e cantar. Durante a adolescência passei por vários professores de violão. Estudava um semestre, enjoava, parava um semestre, mudava de professor.

Ouvia muita MPB, deitado no sofá com o encarte do vinil na mão. Chico, Caetano, Gil, Gal, Bethânia, e uma coletânea de sambas em fita cassete que tinha Novos Baianos (Besta é Tu), Paulinho da Viola (Foi um Rio…), Martinho da Vila( Pagode do Vavá) e outros. Abri o pulso de tanto batucar no criado-mudo do quarto dos meus pais ouvindo esta fita.

Mas o que eu adorava mesmo era o Milton Nascimento. Especialmente uma coletânea da Abril, que vendia nas bancas de jornal, acompanhada de um encarte/revista. Era um vinil menor que os outros, com umas quatro faixas de cada lado. Tinha Milagre dos Peixes, Travessia, Meu Pai Grande, Aviões da Panair e outras. Eu cantava o disco inteiro, tentando imitar os falsetes e agüentar as notas longas do Milagre dos Peixes (“…a nossa doooooooor…”). Ouvia também o que tocava no rádio. Disco Music (Donna Summer, Chic e muitos outros). Ia gravando da rádio FM, novidade da época!

http://www.lastfm.com.br/music/Paulo+Padilha

alt
Paulo Padilha

[youtube]H2vdZ4V6Z9g[/youtube]
[youtube]hCatfoX-V9g[/youtube]
[youtubed]HsMZVvB3wJY[/youtube]