Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Orlando Silveira

Orlando Silveira

Luciano Pires -

alt
Orlando Silveira

Orlando Silveira de Oliveira Silva (Rincão, 1922 – Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 1993), mais conhecido como Orlando Silveira, foi um acordeonista, maestro, compositor e arranjador brasileiro.

Com 12 anos, seu pai o ensinou a tocar acordeão. Aos 17, teve as primeiras noções de teoria musical. Logo mudou-se para São Paulo e, recomendado pelo acordeonista Arnaldo Meireles, assinou contrato com a Rádio Tupi, passando a integrar o regional de Antônio Rago. Lá conheceu o cavaquinista Esmeraldino Sales, com quem começou a compor.

Em 1951, foi levado por Luiz Gonzaga ao Rio de Janeiro, onde participou do Regional do Canhoto. Nesta época estudou com Koellreutter, Leo Peracchi e Henrique Morelembaum. Trabalhou de 1956 a 1976 na Gravadora Odeon, onde fez arranjos para artistas da gravadora, entre eles Elza Soares, Miltinho, Raul Seixas(No disco “Raulzito e os Panteras”, de 1968), Marcos Valle, Clara Nunes e Elton Medeiros.

Foi arranjador de Luiz Gonzaga em muitos discos, até o disco “70 Anos de Sanfona e Simpatia”, lançado em 1983. Fez arranjos para Pixinguinha, Waldir Azevedo, Abel Ferreira, Conjunto Época de Ouro, Déo Rian, Dirceu Leite, Nelson Gonçalves, Beth Carvalho, Ed Motta e muitos outros.

Como músico, acompanhou vários artistas da MPB, entre eles Jacob do Bandolim, Altamiro Carrilho, Luiz Gonzaga, Belchior, Guinga e Chico Buarque.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Orlando_Silveira

http://www.dicionariompb.com.br/orlando-silveira

http://musicosdobrasil.com.br/orlando-silveira