Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Octávio Babo

Octávio Babo

Luciano Pires -

Sua atuação na música popular brasileira ficou marcada pela canção de natal “O velhinho”, defendida em concurso natalino pelo cantor João Dias e classificada em terceiro lugar. A composição no entanto alcançou grande aceitação popular e se tornou um clássico do repertório natalino, cujos versos famosos diziam : “Botei meu sapatinho/Na janela do quintal/Papai noel deixou/Meu presente de natal”. Em 1945, fez com Elpídio Viana a marcha “Excesso de lotação” e o samba “Ela ainda não voltou” gravadas pelo Conjunto Tocantins na Continental. Em 1948, fez com Paulo Barbosa o samba “Dagmar” gravado em dueto por Lauro Borges e Castro Barbosa na gravadora Star.

Em 1953, a valsa “O velhinho” foi gravada por João Dias em dueto com Edith Falcão na Odeon. Em 1955, Carlos Galhardo gravou na RCA Victor a “Marchinha do Fon-Fon”. Em 1957, Carlos Galhardo regravou com sucesso na RCA Victor a valsa “O velhinho”. Nesse ano, compôs com Gerson Filho a marcha “Por mulher nunca chorei” gravada pelo próprio Gerson Filho ao acordeom com vocal de Luiza de Castro.

Em 1958, o baião “Segure-gure”, foi gravado na RCA Victor por Gerson Filho, parceria dos dois. Em 1959, teve o samba “O pranto é meu” gravado por Maria Lopes na Todamérica. Nesse ano, teve a valsa “Mamãe, mamãezinha” gravada por Carlos Galhardo na RCA Victor. Em 1960, o sanfoneiro alagoano Gerson Filho gravou o samba “Teimoso”. Em 1961 sua marcha “Por mulher nunca chorei”, com Gerson Filho foi regravada na Chantecler por Ataíde Pereira. Em 1962, Carlos Galhardo gravou a marcha “Rio enxuto”. Em 1963, compôs com Gerson Filho o “Baião da meia-noite” e o forró “Desengonçado” gravados pelo próprio Gerson Filho na RCA Victor.

Em 1970, teve a música “Luar, saudade” gravada por Carlos Galhardo na RCA Victor. Uma das gravações mais conhecidas da valsa “O velhinho” foi feita por Luiz Bordón e sua harpa em disco Continental em 1975.