Portal Café Brasil
#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Café Brasil Premium – Retrospectiva 2018
Ao longo de 2018 o Café Brasil Premium decolou e ...

Ver mais

#Retrospectiva PodSumários
#Retrospectiva PodSumários
Comece 2019 praticando o Fitness Intelectual. A barriga ...

Ver mais

657 – Brumadinho e a Challenger
657 – Brumadinho e a Challenger
A tragédia da explosão da Challenger em 1986 marcou ...

Ver mais

656 – Rua Ramalhete
656 – Rua Ramalhete
Este programa é uma homenagem ao Tavito, que faleceu em ...

Ver mais

655 – É carnaval
655 – É carnaval
Tem gente boa, muito boa, fazendo a legítima música de ...

Ver mais

654 – Sarau Café Brasil III
654 – Sarau Café Brasil III
Realizamos mais uma edição do Café Brasil Premium, ...

Ver mais

LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
LíderCast 145 – Ana Paula Andrade
CEO de uma multinacional de trademarketing, a Marco ...

Ver mais

LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
LíderCast 144 – Daniel Arcoverde e Rafael Belmonte
Os jovens empreendedores que criaram a netshow.me, uma ...

Ver mais

LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
LìderCast 143 – Doug Alvoroçado
Esse alvoroçado não é nome não, é adjetivo. Um ...

Ver mais

LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
LíderCast 142 – Marcelo Pimenta
O Menta é um facilitador da inovação, um inquieto ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Uma certa ideia de Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Uma certa ideia de Brasil Excelente retrospectiva de 2003 a 2018 “Precisamos ter uma ideia de como nos vemos como país, de nosso passado, nosso presente e nosso futuro.” Pedro Malan Este não é, ...

Ver mais

CAPÍTULO 2 – LINGUAGEM E SEUS SÍMBOLOS (parte 4)
Alexandre Gomes
O caminho até agora está ficando longo, não é? Por mais que eu use exemplos próximos da realidade; ainda assim, eu e você estamos buscando entender conceitos abstratos. Afinal, estamos falando ...

Ver mais

Só envelhece quem perde a curiosidade
Henrique Szklo
O mundo está muito óbvio. As coisas têm sido analisadas pelos pontos de vista mais superficiais e, em geral, equivocados. Julga-se por aparência, por condição financeira, por orientação sexual, ...

Ver mais

Defendam Douglas também
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não conhece Douglas Leandro Clizesqui? Sem problemas. Ninguém conhece. Ele é pai de Douglas Murilo, uma das oito vítimas fatais no massacre da escola estadual em Suzano; o caso todos conhecem. ...

Ver mais

Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Cafezinho 161 – A prisão do ex-presidente
Embora pareça que tudo está dentro da esfera criminal, ...

Ver mais

Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Cafezinho 160 – Os cinco estágios
Ajudando a compreender o cenário político brasileiro.

Ver mais

Cafezinho 159 – O bobo da corte
Cafezinho 159 – O bobo da corte
O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a ...

Ver mais

Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Cafezinho 158 – O tempo que lhe resta
Dê o primeiro passo para fazer com que o tempo de vida ...

Ver mais

Monique Gardenberg

Monique Gardenberg

Luciano Pires -

alt
Monique Gardenberg

Monique Pedreira Gardenberg (Salvador, 28 de julho de 1958) é uma cineasta, diretora teatral e produtora cultural brasileira.

De mãe baiana de família tradicional e pai judeu polonês, Monique nasceu em Salvador e passou parte da infância em Santos.

Em 1975, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde estudou Economia na UFRJ. Ligada ao Movimento Estudantil, em seguida passou a ser diretora cultural do Centro Acadêmico, promovendo shows e eventos na Universidade. A partir daí, entrou em contato com gravadoras e artistas, trabalhou como manager numa turnê de Milton Nascimento, tornou-se empresária de Djavan e Marina Lima. Assim que concluiu o curso de Economia, passou a produzir peças teatrais de Gerald Thomas.

Em 1982, em parceria com sua irmã Sylvia Gardenberg, criou a Dueto Produções, através da qual produziu grandes eventos culturais periódicos, como o Free Jazz Festival (1985-2001), o Carlton Dance (nove edições) e o TIM Festival (a partir de 2002), além de shows no Brasil de artistas internacionais como Rolling Stones e Elton John.

Em 1989, fez um curso de 3 meses na escola de cinema da New York University, onde realizou os curtas-metragens “Insônia” e “Day 67”. De volta ao Brasil, tentando iniciar-se na realização cinematográfica exatamente no difícil período Collor, Monique descobriu que, para viabilizar seu primeiro projeto de longa-metragem, precisava antes provar que podia dirigir um curta de forma profissional. Assim, realizou “Diário noturno” (1993), que recebeu quatro prêmios no Festival de Gramado, incluindo o de melhor direção de curta, e foi selecionado para o Festival de Veneza.

Em 1996, seu primeiro longa-metragem, “Jenipapo”, parcialmente falado em inglês, foi selecionado para o Sundance Film Festival, além dos festivais de Toronto e Roterdã.

A partir daí, passou também a dirigir videoclipes, tendo sido premiada por “Não Enche”, com Caetano Veloso, com o qual realizou também dois espetáculos filmados – “Caballero da Fina Estampa” (1996) e “Prenda Minha” (1999), ambos lançados em DVD. Voltando também à produção teatral, trabalhou com José Celso Martinez Corrêa, Bia Lessa e Pedro Cardoso.

Em 2002, Monique tornou-se também diretora teatral, levando aos palcos “Os Sete Afluentes do Rio Ota”, de Robert Lepage, espetáculo de cinco horas duração que fez grande sucesso de público e concorreu ao Prêmio Shell em 5 categorias – direção, ator (Caco Ciocler), cenário (Hélio Eichbauer), figurino (Marcelo Pies) e iluminação (Maneco Quinderé).

Com seu segundo longa, “Benjamim” (2004), adaptado do livro homônimo de Chico Buarque, Monique trabalhou com o ator Paulo José e lançou a atriz Cléo Pires. O filme foi premiado nos Festivais do Rio e de Miami, inclusive como Melhor Filme.

Em 2005, voltou ao teatro, montando a peça “Baque”, de Neil Labute, com Emílio de Mello, Deborah Evelyn e Carlos Evelyn.

Em 2007, Monique lançou seu terceiro longa-metragem, Ó Paí, ó, a partir de uma peça de Márcio Meirelles que havia sido grande sucesso nos anos 1990 do Bando de Teatro Olodum.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Monique_Gardenberg

http://va.mu/WvVX – Entrevista com Monique Gardenberg na Isto É Gente

http://xyzlive.com.br/monique