Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Mauricy Moura

Mauricy Moura

Luciano Pires -

alt
Mauricy Moura

Nascido em São Vicente – SP, a 03 de janeiro de 1926, faleceu aos 51 anos de idade.

Apelidado de Cicica por sua mãe Georgina, adicionava à sua voz personalíssima a facilidade do seu próprio acompanhamento ao violão e ainda a de solista exímio. Era olhado por muitos apenas como um boêmio sem remédio.Mas boemia está inerente à arte; uma coisa não viveria sem a outra.

Trazido à carreira artística ainda muito novo pelas mãos de sua própria mãe (profunda conhecedora que era da arte vocal), formou com seu irmão Mauricio (outro fora de série), Gentil da Silva, Edésio e Jarina Resende (e posteriormente Avelino e Rachel Tomaz) o famoso Conjunto Calunga.

Já como profissional e solista do conjunto, sempre orientados pela sua mãe Georgina, obtiveram autorização do juiz de menores para abrilhantarem as noitadas do antigo Cassino Ilha Porchat, programas na Rádio Piratininga e outros “shows” por esse Brasil afora. Mais tarde, com a dissolução do conjunto, Cicica ingressou na Rádio Atlântica de Santos, onde já havia, em criança, participado do famoso “Programa de Dª. Dindinha Sinhᔠe daí, levado pelas mãos de Silvio Caldas, em 1950, foi para São Paulo, para fazer parte do “cast” da Rádio Excelsior (antiga denominação da Rádio Nacional), juntando-se na época a Francisco Egídio; Sólon Sales; Oscar Ferreira; Cauby Peixoto; Roberto Luna; Homero Marques (outro da Baixada Santista) e logo após, para a Rádio Record, onde lhe foi oferecido programação exclusiva conquistando o famoso troféu “Roquete Pinto” como revelação do ano.

Permaneceu em São Paulo durante quase 30 anos, vivendo somente da música, e era tido como um grande nome da noite.

Filósofo por natureza tinha, paradoxalmente, na sua aparente irresponsabilidade a sua grande responsabilidade: jamais quis contrair compromisso mais sério com o amor, mas sim com a noite, com quem se acasalava nas suas serestas românticas, junto aos amigos e sob sacadas que deixavam descer corações, igualmente enamorados. Mauricy era a noite, era o canto, era a boemia pura revestida de arte, era o descompromisso com a vida com a qual estava sempre de braços dados.

Mauricy era uma pessoa que não dependia de dinheiro: desprezava-o. Ele e seu próprio valor eram medidos pela presença sempre útil, valiosa e concentradora em qualquer ambiente que freqüentasse.

Profissional e promocionalmente, não era muito divulgado, pelo seu desapego às coisas materiais, não havia dentro da noite paulistana quem o desconhecesse, tal a voz marcante que ao ser entoada o silêncio se impunha e o barulho desaparecia. Era o respeito a um canto inigualável.

Outra peculiaridade de Mauricy era que não portava documentos de espécie alguma: ele era a sua própria identificação; sua própria personalidade.

Como cantor possuía todos os dotes que alguém necessita para ser completo: grave, agudo e nuances vocais irrepreensíveis. Dava às canções que interpretava uma forma totalmente pessoal e talentosa, e não era à toa que era considerado por Silvio Caldas, Alfredo Borba, Ciro Monteiro, Elizeth Cardoso, Evaldo Rui, Wilson Batista e outros cultores da nossa música, como o mais completo seresteiro do Brasil.

Dentre inúmeras gravações, deixou interpretações primorosas de músicas que são ouvidas com emoção: “Flor de Maç㔠de Denis Brean e O. Guilherme, “Irmã da Saudade” de Portinho e João Pacifico, “Meus Tempos de Criança” de Ataulpho Alves, “Maria da Piedade” de Evaldo Rui, “Mulata”, “Vou brigar com ela”, “Nunca” e “Homenagem” de Lupiscínio Rodrigues, “Mulher” de Jorge Duarte.

Não se casou, não deixou descendente. Morreu no Hospital Santa Verônica em São Paulo, a 23 de agosto de 1977.
Está sepultado no cemitério de São Vicente, no mesmo túmulo onde repousam seus pais e o irmão Mauricio.

http://www.samba-choro.com.br/artistas/mauricymoura

http://va.mu/UiXm – Mauricy Moura – o falso boêmio

http://www.dicionariompb.com.br/mauricy-moura

http://www.baudelongplaying.com/archives/1714