Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Maurício Einhorn

Maurício Einhorn

Luciano Pires -

Moisés David Einhorn nasceu no Rio de Janeiro, em 29 de maio de 1932. Esse carioca nascido na Lapa e criado no Flamengo, praticamente trocou as fraldas pela gaita. Filho de pais poloneses e gaitistas, ganhou sua primeira harmônica aos 6 anos.

Aos treze já dominava uma harmônica de boca, tendo com ela integrado vários conjuntos e participado de vários programas de Rádio, inclusive do famoso Papel Carbono, de Renato Murce, na Rádio Nacional.

Desde então tem viajado pelo mundo participando de tournées e de gravações com artistas brasileiros e estrangeiros tais como Sarah Vaughan, Fred Cole, Sebastião Tapajós, Baden Powell e Hélio Delmiro. Em 1975 grava seu primeiro disco: “The Oscar Winners”, no mercado foi lançado com o título “A Era de Ouro do Cinema”.

Em 1979 lança o segundo, com o seu próprio nome, disponível apenas na Europa.Parceiro de Eumir Deodato, Ugo Marota, Johnny Alf, Durval Ferreira, e entre outros encontrou seu amigo e violonista Sebastião Tapajós, a sua parceria mais constante e duradoura.

Com presença marcante no movimento da bossa nova, compôs “Batida Diferente”, além de “Tristeza de nós dois”, “Estamos aí” e “Alvorada”.

Formou com Hélio Delmiro e o baixista Arismar do Espírito Santo um trio dos mais requisitados nas noites cariocas. Em 1983 o trio se apresentou com enorme sucesso no Teatro Nacional de Brasília.

Em 1985 se apresentou no Maksoud Plaza em São Paulo, espetáculo que foi considerado antológico ao lado de Leni Andrade, Johnny Alf e Paulo Moura.Ainda em 85. Participou do I Free Jazz Festival com seu conjunto (Chimeli, Arismar, Bob Wyatt) e junto com o trio de Toots Thielemans.

No último espetáculo de Bobby McFerrin no Canecão, ao reconhecer Maurício na platéia convidou-o para uma canja, tendo tocado juntos “Summertime” e um blues improvisado. Dois dias depois, quando se apresentava no People, Bobby acompanhado do trompetista Chuck Mangione retribuíram a canja do Canecão tocando ao lado de Maurício, num encontro considerado memorável.

Simples, afável modesto e companheiro, Mauricio Einhorn é desses artistas considerado como patrimônio da cultura musical brasileira. Com muita técnica e sensibilidade ele é respeitado e querido em todo o mundo.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Maurício_Einhorn

http://www.myspace.com/mauricioeinhorn


Maurício Einhorn

[youtube]ky1OuCUHSOU[/youtube]
[youtube]CPycffpAVKY[/youtube]
[youtubed]EmkqdQ_Gi-k[/youtube]