Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

587 – Podres de Mimados
587 – Podres de Mimados
Você já reparou como estão mudando os padrões morais, ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Luiz Carlos Miele

Luiz Carlos Miele

Luciano Pires -

Aos 12 anos de idade, começou a trabalhar como rádio-ator em uma emissora de rádio em São Vicente (SP), no programa Meu filho, meu orgulho de Mário Donato. Mais tarde, protagonizou outros programas infantis na Rádio Tupi, ao lado de Regis Cardoso, Érlon Chaves e Walter Avancini.

Iniciou a carreira profissional como locutor das rádios Excelsior, Tupi e Nacional. Em 1959, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde conheceu o compositor Ronaldo Bôscoli, com quem formou a dupla Miele & Bôscoli, responsável pela direção e produção de diversos espetáculos, além de programas musicais em emissoras de televisão.

Na televisão, atuou na direção e produção dos programas musicais Noite de Gala e Cara & Coroa (com Dori Caymmi e Silvia Telles), na TV Rio. Dois no Balanço (jazz e bossa nova), Se meu apartamento falasse (com Cyl Farney e Odete Lara), Rio Rei, Os 7 Pecados (com Fernando Barbosa Lima) e Musical em Bossa 9, na TV Excelsior, O Fino da Bossa, Show em Simonal e Elis Especial, na TV Record, Alô Dolly, Dick & Betty 17 (com Dick Farney e Betty Faria), Fantástico (direção musical), Elis Especial, Praça da Alegria, Sandra & Miele, Cem anos de espetáculo, Viva Marília e Batalha dos Astros, além de festivais de música, na Rede Globo, Um homem – uma mulher (com Tuca), Cassio Muniz Show (criação dos comerciais) e Programa Flávio Cavalcanti (musicais essenciais), na TV Tupi, Miele & Cia e Ele & Ela (com Leila Richers), na TV Manchete, Coquetel e Cocktail, no SBT, e Escolinha do Barulho, na TV Record.

Como produtor e diretor de espetáculos de artistas como Roberto Carlos, Elis Regina, Wilson Simonal, Sergio Mendes, Lennie Dale, Sarah Vaughan, Leny Andrade/Pery Ribeiro/Bossa 3 (“Gemini V”), Taiguara/Claudette Soares (Primeiro Tempo 5×0), Milton Nascimento/Marcos Valle/Joyce/Wanda Sá (Sucata, RJ), Alcione (Canecão, RJ), Agnaldo Timóteo, Joanna, Angela Maria/Lucinha Lins (“Spot Light”), Os Cariocas, Família Caymmi, Trio Irakitan/Rosana Tapajós (Beco das Garrafas, RJ), Regina Duarte (Regina Mon Amour, no Canecão), Sandra Bréa/Pedrinho Mattar (“Caso Water-Closed”) e Dzi Croquettes (Monsieur Pujol, RJ), além dos projetos “Chega de Saudade”, “Vivendo a Rádio Nacional”, “Vivendo Vinícius” e “Festival Internacional de Mágica”. Como show-man, participou dos espetáculos “Miele & Juarez Machado” (Sucata, RJ), “Concerto para Miele & Orquestra” (Maksud Plaza, SP), “Miele & Tuca” (Rui Barbossa e Sucata), “Miele no Palladium”, com Rosemary, “Elis & Miele” (Teatro Clara Nunes e Teatro Maria Della Costa).

Atuou, ainda, como diretor de projetos especiais no Metropolitan (RJ) e como mestre de cerimônias do Prêmio Moliére. Gravou o compacto simples “Miele e Carolina”, com a participação de Carol Saboya, registrando as canções “A menina e a TV” (Rolf Zuckowski, vers: Antonio Adolfo e Jésus Rocha) e “Cirrose” (Daltony Nóbrega e Ana Maria). Em 1997, apresentou-se, com Roberto Menescal e Wanda Sá, no Mistura Fina (RJ), em espetáculo gravado ao vivo e lançado pelo selo Albatroz no CD “Uma mistura fina”. Dois anos dpois, assinou a direção do espetáculo “Vivendo Vinícius”, com Carlos Lyra, Toquinho, Miúcha e Baden Powell, apresentado no Metropolitan (RJ). Ainda em 1999, passou a exercer a função de diretor de projetos especiais na Casa de Cultura da Universidade Estácio de Sá (RJ), onde produziu vários espetáculos, como “Um brasileiro chamado Jobim”, com Roberto Menescal, Danilo Caymmi, Joyce, Cris Delanno e o conjunto Os Cariocas, “Minhas duas estrelas – Pery Ribeiro canta e conta – Dalva de Oliveira e Herivelto Martins”, “Essa Bahia chamada Caymmi”, com Nana Caymmi, Dori Caymmi e Danilo Caymmi”, “Jazz para as onze”, com o Quinteto Paulinho Trompete, e “Rio Jazz Orquestra”, no qual atuou como crooner, entre outros.

Em 2004, fez show no Tom Brasil (SP), mostrando pela primeira vez em público o “Hino do Fome Zero” (Roberto Menescal e Abel Silva), cujo DVD foi dirigido por ele, Também nesse ano, publicou o livro “Poeira de estrelas” (Ediouro). Ainda em 2004, foi responsável pela apresentação do espetáculo “Bossa Nova in Concert, realizado no Canecão (RJ), com a participação de Johnny Alf, João Donato, Carlos Lyra, Roberto Menescal, Wanda Sá, Leny Andrade, Pery Ribeiro, Durval Ferreira, Eliane Elias, Marcos Valle, Os Cariocas e Bossacucanova. O show contou com uma banda de apoio formada por Durval Ferreira (violão), Adriano Giffoni (contrabaixo), Marcio Bahia (bateria), Fernando Merlino (teclados), Ricardo Pontes (sax e flauta) e Jessé Sadoc (trompete), concepção e direção artística de Solange Kafuri, direção musical de Roberto Menescal, pesquisa e textos de Heloisa Tapajós, cenários de Ney Madeira e Lídia Kosovski, e projeções de Sílvio Braga. Também nesse ano, lançou o livro “Poeira de estrelas” (Ediouro). Apresentou-se, em 2005, no Bar do Tom, com o espetáculo “Bênção Bossa Nova”, ao lado de Roberto Menescal e Wanda Sá. Nesse mesmo ano, lançou o DVD “Miele, um showman brasileiro – Um show de música & muito humor” (CID), com festa no Bar do Tom (RJ). Miele torce para o São Paulo Futebol Clube.

Em 2005, interpretou o advogado Wexler no seriado Mandrake da HBO Brasil, baseado na obra de Rubem Fonseca. O melhor momento da carreira foi o musical “Elis”. O pior momento da carreira foi o Programa Cocktail (exibido no SBT de agosto 1991 a agosto 1992). Miéle disse em uma entrevista em 2002: “Aquele programa não era muito a minha praia”. Ele prefere esquecer e considerava um programa de mau gosto.


Luiz Carlos Miele

[youtube]rMy5giGqBBU[/youtube]
[youtube]ADVZKApm3e0[/youtube]
[youtube]IA3TPJ-jTDM[/youtube]