Portal Café Brasil
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Os 7 erros da Folha de São Paulo sobre o “escândalo do Fake News”.
Carlos Nepomuceno
Veja o vídeo aqui.

Ver mais

Marxistas brasileiros vivem espécie de alucinação coletiva recorrente
Carlos Nepomuceno
O jornal Folha de São Paulo publica um artigo feita por uma petista confessa: Ver aqui: https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno/posts/10156853246303631 …sem nenhum fato, baseado em ...

Ver mais

Sempre, sempre Godwin
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O advogado Mike Godwin criou em 1990 a seguinte “lei” das analogias nazistas: “À medida que uma discussão online se alonga, a probabilidade de surgir uma comparação envolvendo Adolf Hitler ou os ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo
Jota Fagner
Origens do Brasil
Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico. A ...

Ver mais

Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Cafezinho 117 – Caem as máscaras
Quando passar a alucinação coletiva saberemos com quem ...

Ver mais

Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
Cafezinho 116 – Os demônios brochadores
O que vem por aí? Uma mudança ou nova brochada?

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

John Kennedy

John Kennedy

Luciano Pires -

Era filho de uma rica família católica, ligada ao Partido Democrata. Alistou-se na Marinha quando da entrada americana na Segunda Guerra, seguindo para o Pacífico em 1943. Ferido quando a lancha-torpedeira que comandava foi afundada pelos japoneses nas ilhas Salomão, conseguiu salvar sua tripulação, foi condecorado e fez questão de voltar ao serviço ativo.

Em 1946 iniciou a carreira política, como deputado, e defendeu reformas sociais destinadas a proteger os setores menos favorecidos da população.

Em 1952 elegeu-se senador pelo estado de Massachusetts e, no ano seguinte, casou com Jacqueline Lee Bouvier, que complementaria a imagem pública do futuro chefe de estado.

Em 1960, tornou-se o 35º presidente dos Estados Unidos, o mais jovem da história e o primeiro católico a ocupar o cargo, depois de vencer por pequena margem o candidato republicano, Richard Nixon.

Kennedy apoiou uma expedição de cubanos exilados contra Cuba, no famoso episódio da invasão da baía dos Porcos, que resultou num grande fracasso.

Quando, em 1962, se soube que a União Soviética instalara mísseis atômicos em Cuba, Kennedy pressionou, mesmo com o risco de provocar uma guerra nuclear, para que os mísseis fossem retirados e conseguiu o seu objetivo. No ano seguinte, assinou o tratado de proscrição de testes nucleares com o Reino Unido e a União Soviética.

Outra realização em política internacional foi a criação da chamada Aliança para o Progresso, organização de ajuda aos países da América Latina.

O envolvimento no Vietnã cresceu perigosamente em seu governo: se em 1960 o número de assessores militares americanos naquele país era de 900, no fim de 1962 já eram 11.000. O irmão Robert Francis, que ocupou o cargo de secretário de Justiça em seu governo, o ajudou a impor medidas contra o racismo, o que lhe valeu o apoio dos negros e da população de origem latino-americana. Durante seu mandato, a Casa Branca se caracterizou pelo alto nível intelectual e social das pessoas que cercavam o presidente e a primeira-dama.

Em 22 de novembro de 1963, uma sexta-feira, durante uma visita à cidade texana de Dallas – com o objetivo de consolidar a unidade do Partido Democrata – o Presidente Kennedy foi atingido fatalmente por duas balas, uma na garganta e outra na cabeça. Os tiros supostamente foram disparados por Lee Harvey Oswald, segundo a conclusão a que chegou a Comissão Warren, que investigou o crime.

Décadas depois, porém, essa versão oficial ainda era contestada por alguns, que viam no episódio sinais de uma conspiração. Oswald foi assassinado dois dias mais tarde. A Comissão Warren foi incumbida de investigar o crime. Todas as provas obtidas pelos investigadores incriminavam um certo Lee Harvey Oswald.

Segundo Mark Lane – advogado que conheceu bem o presidente Kennedy, estuda seus assassinato há mais de 20 anos e que colheu informações de pessoas íntimas de Oswald na época em que ele servia a Marinha, em Truro, na Califórnia – Oswald era um agente secreto. Era o único fuzileiro que sabia russo e que teve acesso a informações secretas interessantes para os soviéticos, como os dados sobre os aviões U2 .

Mark Lane assegura que Oswald foi enviado à União Soviética para ser visto como comunista. Considerado lá um desertor, Oswald volta para os Estados Unidos com uma esposa russa e é readmitido sem problemas. Foram programados contatos entre ele e um agente da KGB, no México.

Durante o inquérito da Comissão Warren, a CIA declarou que Oswald tinha contatos com esse agente soviético, sendo possivelmente um agente comunista. Oswald parecia o acusado perfeito, só que não chegou a ser julgado. Foi assassinado – dois dias depois de ser preso – por Jack Ruby, membro da CIA, em Dallas. Aparentemente, Ruby também trabalhava para a Máfia americana.

Na opinião da Comissão Warren, Ruby tinha silenciado a testemunha-chave do caso. Há quem diga que Kennedy foi morto devido ao seu posicionamento na guerra do Vietnã. Muitos americanos apoiavam a intervenção militar nesse país.

Em setembro de 1963, Kennedy anunciara sua intenção de retirar as tropas americanas do Vietnã antes do final do ano seguinte. Essa política foi revertida por Lyndon Johnson assim que se tornou presidente. Johnson enviaria mais de quatrocentos e cinqüenta mil reforços para o Vietnã.


John Kennedy

[youtube]UjuwhKMVS5s[/youtube]
[youtube]SMrvbnos4nY[/youtube]
[youtube]1q91RZko5Gw[/youtube]