Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

John Cage

John Cage

Luciano Pires -

“Quando eu era jovem, um de meus professores costumava se queixar de que assim que eu começava uma música, já a encaminhava para o final. (…) Eu introduzi o silêncio. Eu era um solo – digamos assim – no qual o vazio podia crescer.”

Assim se expressou o compositor de vanguarda John Cage, que viria a se consagrar como o músico que concebeu o silêncio como parte fundamental e geradora da criação musical.

Em 1932, Cage ingressou na universidade, mas, desiludido com as condições de ensino, abandonou-a dois anos mais tarde. Viajou então para a Europa, em 1935, primeiro a Paris, e depois a Mallorca, onde começou a pintar e compor.

De volta aos Estados Unidos, compôs músicas para textos da escritora Gertrude Stein e o coro da tragédia “Os Persas”, de Ésquilo, improvisadas no piano.

Estudou em Nova York, com Cowell, e em 1934, retornou a Los Angeles, onde se tornou aluno de Schönberg. Dessa época, datam suas primeiras composições, escritas num sistema atonal que ele mesmo criou.

Em Seatlle, em 1937, passou a trabalhar criando composições para companhias de dança, atividade que a que se dedicaria também em São Francisco (39), Chicago(41) e Nova York (42), como a de Merce Cunningham.

Em 1938, Cage fundou uma orquestra de percussão. Data dessa época a criação do piano preparado, “prepared piano”, em que utilizou cortiças, pedaços de madeira, de papel e outros materiais entre as cordas do piano, transformando-o numa orquestra de percussão. Criou peças de concerto também para o novo instrumento.

John Cage começou a inclinar-se às filosofias orientais, especialmente o zen-budismo, incorporando vários de seus elementos às suas composições.

Determinado a remover qualquer intencionalidade em suas composições, chegou a usar jogar moedas para determinar eventos. A apresentação de suas obras o aproximou da performance, como em “Música aquática”.

Acrescentou elementos de aleatório, indeterminação e invenção de novos padrões musicais Em “Paisagem Imaginária nº 4”, de 1951, Cage reuniu 24 aparelhos de rádio ligados, aleatória e simultaneamente, por doze executantes.

John Cage foi autor de dois livros de grande repercussão, “Silêncio” e “Um ano desde segunda-feira”, em que expõe suas concepções musicais, que viriam a assinalar uma grande ruptura em toda a tradição musical.

http://www.pt.wikipedia.org/wiki/John_Cage


John Cage

[youtube]BHFzu-X6Ruw[/youtube]
[youtube]hUJagb7hL0E[/youtube]
[youtube]gN2zcLBr_VM[/youtube]
[youtube]1UPlYnBFrI0[/youtube]
[youtube]mGrhL49-YQw[/youtube]
[youtube]q2tNeoMKyq8[/youtube]