Portal Café Brasil
O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

Quem faz nossa cabeça
Quem faz nossa cabeça
Isca intelectual de Luciano Pires. Imagino uma criança ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
LíderCast 066 – Alex Bezerra de Menezes
Hoje converso com Alex Bezerra de Menezes, que é Clark ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

O coração da empresa
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se fôssemos bons em tudo não necessitaríamos trabalhar em equipe.” (Gisela Kassoy)   É comum qualificarmos as empresas como “organismos vivos”. E, sob esta ótica, comparar seu funcionamento ...

Ver mais

Manual de disrupção do marketing
Mauro Segura
Transformação
17 fenômenos acontecendo no marketing que nem todo mundo está enxergando

Ver mais

Todos iguais. SQN
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A atual crise, com a delação dos famigerados irmãos Joesley e Wesley Batista, tem causado reações estranhas da nobre plateia; há mais fervura nas torcidas contra (e a favor do quanto-pior-melhor ...

Ver mais

Jô de Souza

Jô de Souza

Luciano Pires -

alt

Jô de Souza por ela mesma

Nasci no dia 5 de dezembro de 1965.

Meu berço não era muito musical, mas eu nasci com alma de músico, com uma percepção musical das coisas.

Sou do interior de São Paulo (Araraquara), e pude exercer essa musicalidade natural, no tempo mais “aproveitado” que a gente tem fora das grandes cidades.

Tempo de ouvir música com os primeiros amigos músicos e de gostar de jazz lentamente, deixando o sopro de Coltrane, George Adams, Billie Holiday, Miles Davis entrar na minha alma junto com Orlando Silva (que meu pai adorava), Elis Regina, Milton Nascimento e tantos outros.

O piano chegou em casa quando eu tinha uns dois anos, portanto a minha primeira memória do instrumento é de um encantamento que permanece até hoje. Tive minhas primeiras lições musicais com uma professora aos 7 anos e depois entrei no Conservatório Musical Maestro José Tescari, em Araraquara, onde concluí o curso de 9 anos.

Naquele tempo a música já era a coisa mais importante da minha vida e tudo que eu queria era ser cantora. Antes de terminar o colegial, eu já vinha pra São Paulo uma vez por semana pra ter aulas de técnica vocal com o tenor Luiz Tenaglia. Participei de vários festivais no interior, sempre cantando.

Quando chegou a hora de fazer faculdade, já queria mais gente, outras histórias. Deixei o piano um pouco de lado e fui pra São Paulo cursar cinema na FAAP, mas sempre com a cabeça no canto. Tive outros professores de voz: Nancy Miranda, Madalena Bernardes e Maúde Salazar. Acabando a faculdade, fui trabalhar como vocalista. Então cantei com cantor espanhol (Manolo Otero), cantor sertanejo (Leandro e Leonardo, Zezé di Camargo e Luciano), cantor de samba, rock, funk e soul e assim foi.

Quando o piano me chamou de volta, tive aulas do instrumento e de harmonia com o mestre Gogô, que me apresentou um universo harmônico, e com Armando Ferrante, que me deu muita lição de casa pra ficar com os dedos em dia. Hoje eu penso que mixando isso tudo ficou um grande interesse pela palavra cantada, pela importância do discurso e como ele vem apresentado; do cinema eu trouxe a preocupação em contar histórias, em roteirizar.

Com o Tuco, já há muito tempo, vou construindo nossa história musical, mesclando as nossas influências, procurando nos bastar em todos os sentidos, achando no outro o complemento – eu sou fogo e terra, e ele é ar e água, então eu acendo e ele espalha. Juntos temos um filho lindo, que se chama Tom.

http://www.joetuco.com.br/pt/biografia.php

[youtube]JIDBjS2c2y4[/youtube]