Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Jeca Mineiro

Jeca Mineiro

Luciano Pires -

alt
Jeca Mineiro

José Silva (Jeca Mineiro) nasceu em Arceburgo/MG no dia 04 de setembro de 1913.

Iniciou sua carreira artística aos 10 anos de idade, quando passou a tocar viola e cantar em reuniões festivas em sua cidade natal. Aos 15 anos, recebeu de seu avô uma viola de presente.

Mudou-se para São José do Rio Pardo e continuou se apresentando em festas. Em 1946, mudou-se para São Paulo. No mesmo ano formou uma dupla com Chico Carretel e os dois passaram a se apresentar na Rádio Cruzeiro do Sul, no programa “Serra da Mantiqueira”. A dupla logo se desfez e, em seguida, formou uma nova parceria com Motinha, com quem atuou no programa “Serra da Mantiqueira”, na Rádio Bandeirantes.

Em 1949, formou dupla com Mineirinha. Em 1953, a dupla gravou o rasqueado “Perfume de Meu Bem”, de sua autoria. Gravou no ano seguinte “Mulher Ciumenta”, rasqueado de Palmeira e Nonô Basílio. Em 1955, foi formado o Trio Jeca Mineiro, Bambuí e Pirajá, que gravou em 1956 a toada “Filho de Ninguém”, de José Fortuna, e a moda de viola “Moda das duplas”, de Piraci.

No início dos anos 1960, formou nova dupla, agora com Nininha. O primeiro disco da dupla incluiu a canção rancheira “Meu Diário” , parceria com Teixeira Filho, e a guarânia “Quem é que não sente”, parceria com José Russo. A dupla faria ainda outras gravações nos quatro anos em que permaneceu atuando. Suas composições foram gravadas e conheceram sucesso na voz de outros intérpretes.

Em 1959, Nonô e Naná gravaram a valsa “Minas Gerais”. Em princípios dos anos 1960, Liu e Léu gravaram o valseado “Amarga Saudade”. Em 1963, Zilo e Zalo gravaram a moda de viola “Alma do Ferreirinha”. No mesmo ano, Paiozinho e Zé Tapera gravaram o bolero “A Dama de Vermelho”, que se tornaria um dos maiores sucessos de sua autoria e um dos clássicos do repertório sertanejo. Na Rádio Cultura, apresentou o programa “Lá no Pé da Serra”.

Na segunda metade dos anos 1960, por recomendações médicas, teve que parar de cantar, continuando, entretanto, a compor.

Em 1976, a dupla Chitãozinho e Xororó gravou em seu LP “Doce Amada”, a composição “Caboclo de Fato”, de sua autoria e Kambukira.

Em 1978, compôs, com o pintor de placas e cartazes Atílio Versuti, a canção “Fuscão Preto”, que se tornou um verdadeiro fenômeno da música sertaneja. Logo após ficar pronta, a música foi gravada pela dupla Giovanti e Mariel, numa prensagem particular.

Em 1980, o trio mineiro Vandeirante, Zé Batista e Darlon gravou-a por um pequeno selo. No fim daquele ano, Zé Tapera e Teodoro gravaram “Fuscão Preto” para a RCA. Estas gravações, entretanto, não obtiveram sucesso e passaram desapercebidas.

Em 1982, foi regravada pelo Trio Os Gladiadores e iniciou sua trajetória de sucesso. Com aquele trio vendeu mais de 100 mil cópias.

No mesmo ano, Almir Rogério a gravou e chegou a vender mais de 700 mil cópias.

A música “Fuscão Preto” recebeu versões nos Estados Unidos, “Black Mustang”, e na Itália, “Fiat Nero”, além de ter virado filme de Jeremias Moreira Filho, com atuação de Xuxa e Almir Rogério, entre outros. Recebeu também mais de 50 regravações. Em 1997, a gravação de “Fuscão Preto” na voz do Duo Ciriema foi relançado pela BMG, no CD da “Luar do Sertão” dedicado à dupla.

http://www.recantocaipira.com.br/jeca_mineiro.html

http://mpbantiga.blogspot.com.br/2011/01/jeca-mineiro.html