Portal Café Brasil
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Aceitemos a luz. E paremos com essa bobagem do "sempre ...

Ver mais

574 – Os agoristas
574 – Os agoristas
Café Brasil 574 - Os agoristas. Vivemos no presente, ...

Ver mais

Café Brasil Curto 18 – O problema são os outros
Café Brasil Curto 18 – O problema são os outros
Mude essa sua visão preconceituosa, desconfiada e ...

Ver mais

Café Brasil Curto 17 – Cadê elas?
Café Brasil Curto 17 – Cadê elas?
Sem mulheres será muito difícil implementar as mudanças ...

Ver mais

LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 – Waldey Sanches - Waldey Sanches é um ...

Ver mais

LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 – Raquel e Leo Spencer – A Raquel e o ...

Ver mais

LíderCast 075 Renato Seraphin
LíderCast 075 Renato Seraphin
Renato Seraphin é presidente da Albaugh, uma empresa do ...

Ver mais

LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 – Camila Achutti é uma jovem e muito bem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Gente do bem
Tom Coelho
Sete Vidas
“Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos, 12:21)   Em meio ao trânsito desordenado, um motorista gentilmente cede-me passagem. Visito um ex-professor na faculdade ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2017
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2017 Memoráveis citações “Quando foi criada a Faculdade de Ciências Econômicas da USP, em 1945, eu decidi fazer Economia. Fiquei muito feliz com a Economia, me ajustei ...

Ver mais

O incrível avanço da economia compartilhada
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O incrível avanço da economia compartilhada  Possuir X Usar  “Todas essas relações já existiam há milhares de anos e vêm acontecendo desde então, mas tudo era feito de maneira informal. Hoje, o ...

Ver mais

Reforma política? Só se for a minha.
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen que quer apresentar à sociedade sugestões do que pode ser alterado e começar, a partir daí, a deslocar a Janela de Overton.

Ver mais

Guilherme Figueiredo

Guilherme Figueiredo

Luciano Pires -

Guilherme de Oliveira Figueiredo (Campinas, 1915 – Rio de Janeiro, 1997). foi um autor, e dramaturgo brasileiro.

Suas peças são voltadas para temas mitológicos, em sua maioria, escritas com uma abordagem cômica.

Formado em direito, iniciou fazendo crítica teatral, em O Jornal, e literária, no Diário de Notícias, ambos no Rio de Janeiro. Estreiou como dramaturgo em 1948 com a comédia Lady Godiva e o drama Greve Geral, ambos montados pela companhia de Procópio Ferreira.

No ano seguinte, montou a peça Um Deus Dormiu Lá em Casa, inspirada em temática grega, iniciando uma série que o aproximou do universo dos mitos. Dirigida por Silveira Sampaio, com Paulo Autran e Tônia Carrero à frente do elenco, a montagem alcançou repercussão e prêmios.

Em 1949, foi professor de história do teatro na Escola do Serviço Nacional de Teatro, SNT, bem como tradutor de inúmeros autores, como Molière, William Shakespeare e Bernard Shaw.

Para o teatro de revista colaborou com A Imprensa É Livre e Miss França, em co-autoria com Geysa Bôscoli. Em 1951, criou Don Juan, retomando a clássica figura do burlador.

Em 1952, A Raposa e as Uvas dirigida por Bibi Ferreira, tornando-se sua criação mais conhecida no Brasil e no exterior, onde conheceu diversas encenações e traduções, recebendo os prêmios Municipal do Rio de Janeiro e da Associação Brasileira de Críticos Teatrais, ABCT.

Em 1957, fez Menina Sem Nome, infantil. No volume Xântias – oito diálogos sobre a arte dramática, Guilherme Figueiredo resume seus ensinamentos sobre dramaturgia.

Em 1958, fez A Muito Curiosa História da Virtuosa Matrona de Éfeso, montagem de sucesso empreendida pelo Teatro Brasileiro de Comédia – TBC,novos textos são lançados, mas nenhum alcança grande repercussão: Tragédia para Rir, Retrato de Amélia e Os Fantasmas. Nos anos subsequentes criou as peças inéditas: Napoleão, Balada para Satã, O Herói, Comédia para Não Rir e Maria da Ponte, além de uma série de comédias curtas em um ato.

Com o livro A Raposa e as Uvas alcança o Prêmio Artur Azevedo, da Academia Brasileira de Letras, ABL, e com o livro Um Deus Dormiu Lá em Casa, obtém a medalha de ouro da ABCT.

Suas peças são voltadas para temas mitológicos, em sua maioria, escritas com uma abordagem cômica.

Formado em direito, iniciou fazendo crítica teatral, em O Jornal, e literária, no Diário de Notícias, ambos no Rio de Janeiro. Estreiou como dramaturgo em 1948 com a comédia Lady Godiva e o drama Greve Geral, ambos montados pela companhia de Procópio Ferreira.

No ano seguinte, montou a peça Um Deus Dormiu Lá em Casa, inspirada em temática grega, iniciando uma série que o aproximou do universo dos mitos. Dirigida por Silveira Sampaio, com Paulo Autran e Tônia Carrero à frente do elenco, a montagem alcançou repercussão e prêmios.

Em 1949, foi professor de história do teatro na Escola do Serviço Nacional de Teatro, SNT, bem como tradutor de inúmeros autores, como Molière, William Shakespeare e Bernard Shaw.

Para o teatro de revista colaborou com A Imprensa É Livre e Miss França, em co-autoria com Geysa Bôscoli. Em 1951, criou Don Juan, retomando a clássica figura do burlador.

Em 1952, A Raposa e as Uvas dirigida por Bibi Ferreira, tornando-se sua criação mais conhecida no Brasil e no exterior, onde conheceu diversas encenações e traduções, recebendo os prêmios Municipal do Rio de Janeiro e da Associação Brasileira de Críticos Teatrais, ABCT.

Em 1957, fez Menina Sem Nome, infantil. No volume Xântias – oito diálogos sobre a arte dramática, Guilherme Figueiredo resume seus ensinamentos sobre dramaturgia.

Em 1958, fez A Muito Curiosa História da Virtuosa Matrona de Éfeso, montagem de sucesso empreendida pelo Teatro Brasileiro de Comédia – TBC,novos textos são lançados, mas nenhum alcança grande repercussão: Tragédia para Rir, Retrato de Amélia e Os Fantasmas. Nos anos subsequentes criou as peças inéditas: Napoleão, Balada para Satã, O Herói, Comédia para Não Rir e Maria da Ponte, além de uma série de comédias curtas em um ato.

Com o livro A Raposa e as Uvas alcança o Prêmio Artur Azevedo, da Academia Brasileira de Letras, ABL, e com o livro Um Deus Dormiu Lá em Casa, obtém a medalha de ouro da ABCT.

http://va.mu/EQDM – Guilherme Figueiredo na Enciclopédia Itau Cultural


Guilherme Figueiredo