Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Goiá

Goiá

Luciano Pires -

alt
Goiá

Gérson Coutinho da Silva, mais conhecido como Goiá, (Coromandel, 11 de janeiro de 1935 — Uberaba, 20 de janeiro de 1981) foi um compositor brasileiro.

Nascido em 11 de Janeiro de 1935, em Coromandel, MG, na Rua Raul Soares, numa casa que muitos anos depois ficou conhecida por “Casa do Períque”, desde pequeno Goiá gostava de “falar versos” (recitar trovas), e como sempre recebia em troca um “cachê” (doce, queijo, requeijão, etc.).

Ele ganhou do pai uma gaita de boca, que foi sua companheira por muitos anos, até que trocou-a por um cavaquinho, mas, sua maior alegria foi quando ganhou um violão “de tarrachas”. Começou a cantar em dupla com vários parceiros, dentre eles, Anterino Coutinho, seu irmão Nelson, Geraldo Telles (Geraldinho do Vigilato) e seu irmão José (Zé do Vigilato).

Goiá começou a  estudar música com  José Ferreira, e, após passar uma temporada em Lagamar, em casa de sua irmã Maria e do cunhado “Fulô”, foi ele e Miguelinho para Patos de Minas, onde cantou, por alguns meses, no programa do “Compadre Formiga”, seu amigo Padre Tomaz Olivieri. Mas ele não suportava passar mais que dois meses fora de Coromandel! Saía e voltava, voltava e saía…

Em 1953 ele foi para Goiânia, onde ficou por dois anos, aprendendo muito, em todos os sentidos! Formou o “Trio da Amizade”, (o primeiro nome artístico foi “Rouxinol”) com programas diários na inesquecível Rádio Brasil Central, e o trio foi o primeiro do Estado a gravar discos em São Paulo (2 discos com 78 RPM na antiga Columbia, atual CBS). Foi por causa de Goiás que ele acabou com o apelido de Goiá. Em 1955 ele foi para São Paulo. E foi na capital paulista que fez amizade com Belmonte. Os dois não gravaram juntos, mas compuseram Saudade de Minha Terra, que se tornaria o Hino Nacional Sertanejo do Brasil!

Em São Paulo Goiá gravou alguns discos com o “Trio Mineiro” e após uma temporada na Rádio Nacional, nos programas do amigo “Nhô Zé”, transferiu-se para a Rádio Bandeirantes, onde foi contratado como apresentador de programas.

Na Rádio Bandeirantes Goiá teve suas composições gravadas por quase todas as grandes duplas da época, como Pedro Bento e Zé da Estrada, Liu e Léo, as Irmãs Galvão, Zilo e Zalo, Caçula e Marinheiro, Tibagi e Miltinho, Souza e Monteiro, Primas Miranda, Milionário e José Rico, Chitãozinho e Xororó, Belmonte e Amaraí, Sergio Reis, Clayton Aguiar e João Renes e Reni. A partir da década de 60, Goiá largou o microfone e passou a viver apenas como compositor.

Um dia, para a alegria do povo de Coromandel, a dupla, Goiá e Biá, grava o seu primeiro LP, com todas as composições de Goiá, e muitas falando de Coromandel e Estado de Goiás, sendo que nesta época o seu parceiro e “cunhado” era bem conhecido na música sertaneja, através da dupla “Palmeira e Biá”, assim concretizando de vez os seus sonhos no âmago de sua alma. Mas sentindo certas dificuldades ao cantar em dupla, não com relação a Biá, que sempre foi o seu “parceiro-amigo-irmão”, como ele mesmo dizia, separou-se de Biá para gravar individualmente o seu primeiro LP em duas vozes, sendo um dos primeiros no Brasil a gravar neste estilo.

Por volta do ano de 1971, começa um tempo negro em sua vida; Goiá passou a ser portador de diabetes, e como ele mesmo dizia, abusava muito de sua saúde, não se alimentando corretamente, passando longos períodos de viagens e cantorias, ficando até três anos sem fazer um exame de sangue sequer. E foi em dezembro do ano de 1.979, nos exames realizados em Uberlândia que ficou comprovado: além do açúcar no sangue, Goiá tinha “Cirrose Hepática”, já bem acentuada,e “Ascite”, água no Piritônio.

De volta a São Paulo, começou a corrida aos hospitais na tentativa de estacionar a cirrose, e com isso ele perdia peso assustadoramente. Foi quando em novembro de 1.980, já vivendo praticamente só de cama, transferiu-se para Uberaba, ficando mais perto de Coromandel, podendo ser visitado freqüentemente pelos seus conterrâneos, trazendo para si, forças para continuar, mesmo acamado, a escrever suas canções.

Nos últimos anos de sua vida, Goiá já escrevia para o estilo sertanejo moderno e já era gravado por Chitãozinho e Xororó, João Mineiro e Marciano, Cesar e Paulinho, Milionário e José Rico, Duduca e Dalvã, Chico Rey e Paraná e muitos outros. E no dia 20 de Janeiro de 1.981, às 8 da manhã, morre em Uberaba, Minas Gerais, Gerson Coutinho da Silva, o Goiá, aos 46 anos de idade, e seu corpo foi levado para Coromandel e esperado por uma multidão de pessoas, exatamente na placa de 5 Km, onde outrora foi sempre esperado pelo seu povo.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gérson_Coutinho_da_Silva

http://www.recantocaipira.com.br/goia.html