Portal Café Brasil
Podpesquisa 2018
Podpesquisa 2018
Em sua quarta edição, a PodPesquisa 2018 recebeu mais ...

Ver mais

Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

639 – Chega de falar de política
639 – Chega de falar de política
Diversos ouvintes mandam mensagens pedindo para que eu ...

Ver mais

638 – O efeito Dunning-Kruger
638 – O efeito Dunning-Kruger
Cara, eu fico besta com a quantidade de gente que ...

Ver mais

637 – LíderCast 10
637 – LíderCast 10
Olha só, chegamos na décima temporada do LíderCast. Com ...

Ver mais

636 – As duas éticas da eleição
636 – As duas éticas da eleição
Gravei um LíderCast da Temporada 11, que só vai ao ar ...

Ver mais

LíderCast 132 – Alessandro Loiola
LíderCast 132 – Alessandro Loiola
Médico, escritor, um intelectual inquieto, capaz de ...

Ver mais

LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
LíderCast 131 – Henrique Szklo e Lena Feil
Henrique Szklo e Lena Feil – Henrique se apresenta como ...

Ver mais

LíderCast 130 – Katia Carvalho
LíderCast 130 – Katia Carvalho
Mudadora de vidas, alguém que em vez de apenas lamentar ...

Ver mais

LíderCast 129 – Guga Weigert
LíderCast 129 – Guga Weigert
DJ e empreendedor, que a partir da experiência com a ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Quem não é capaz de rir de si mesmo será sempre um intolerante em potencial
Henrique Szklo
Humorista de verdade não tem lado, não tem ideologia, não tem bandeira. Independentemente de sua posição pessoal, tem de ser livre o suficiente para atirar em tudo o que se mexe e no que não se ...

Ver mais

Capitalismo Versus Esquerdismo*
Alessandro Loiola
Uma das consequências involuntárias do capitalismo é que ele coloca diferentes culturas e sociedades em contato direto muito mais amplo umas com as outras. Liga as pessoas entre si muito mais ...

Ver mais

A cavalgada de um cowboy
Jota Fagner
Origens do Brasil
Cowboy não havia dormido bem. Tinha feito corridas até às duas da manhã. O trabalho como moto-taxista costumava não render muito, mas em época de alta temporada a demanda era muito grande. ...

Ver mais

O ENEM e a (anti-)educação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Nos dois últimos fins-de-semana, milhões de candidatos ao ensino superior realizaram as provas do ENEM. O vestibular é o telos do ensino fundamental e médio no Brasil. As escolas privadas assumem ...

Ver mais

Cafezinho 125 – O chute
Cafezinho 125 – O chute
Se o governador mentiu ou se enganou, peço desculpas ...

Ver mais

Cafezinho 124 – À luz do sol
Cafezinho 124 – À luz do sol
É assim, com a luz do sol, que a gente faz a limpeza.

Ver mais

Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Cafezinho 123 – A zona da indiferença
Ter consciência sobre o que é certo e errado todo mundo ...

Ver mais

Cafezinho 122 – Vira a chave
Cafezinho 122 – Vira a chave
Mudar de assunto no calor dos acontecimentos é ...

Ver mais

Goiá

Goiá

Luciano Pires -

alt
Goiá

Gérson Coutinho da Silva, mais conhecido como Goiá, (Coromandel, 11 de janeiro de 1935 — Uberaba, 20 de janeiro de 1981) foi um compositor brasileiro.

Nascido em 11 de Janeiro de 1935, em Coromandel, MG, na Rua Raul Soares, numa casa que muitos anos depois ficou conhecida por “Casa do Períque”, desde pequeno Goiá gostava de “falar versos” (recitar trovas), e como sempre recebia em troca um “cachê” (doce, queijo, requeijão, etc.).

Ele ganhou do pai uma gaita de boca, que foi sua companheira por muitos anos, até que trocou-a por um cavaquinho, mas, sua maior alegria foi quando ganhou um violão “de tarrachas”. Começou a cantar em dupla com vários parceiros, dentre eles, Anterino Coutinho, seu irmão Nelson, Geraldo Telles (Geraldinho do Vigilato) e seu irmão José (Zé do Vigilato).

Goiá começou a  estudar música com  José Ferreira, e, após passar uma temporada em Lagamar, em casa de sua irmã Maria e do cunhado “Fulô”, foi ele e Miguelinho para Patos de Minas, onde cantou, por alguns meses, no programa do “Compadre Formiga”, seu amigo Padre Tomaz Olivieri. Mas ele não suportava passar mais que dois meses fora de Coromandel! Saía e voltava, voltava e saía…

Em 1953 ele foi para Goiânia, onde ficou por dois anos, aprendendo muito, em todos os sentidos! Formou o “Trio da Amizade”, (o primeiro nome artístico foi “Rouxinol”) com programas diários na inesquecível Rádio Brasil Central, e o trio foi o primeiro do Estado a gravar discos em São Paulo (2 discos com 78 RPM na antiga Columbia, atual CBS). Foi por causa de Goiás que ele acabou com o apelido de Goiá. Em 1955 ele foi para São Paulo. E foi na capital paulista que fez amizade com Belmonte. Os dois não gravaram juntos, mas compuseram Saudade de Minha Terra, que se tornaria o Hino Nacional Sertanejo do Brasil!

Em São Paulo Goiá gravou alguns discos com o “Trio Mineiro” e após uma temporada na Rádio Nacional, nos programas do amigo “Nhô Zé”, transferiu-se para a Rádio Bandeirantes, onde foi contratado como apresentador de programas.

Na Rádio Bandeirantes Goiá teve suas composições gravadas por quase todas as grandes duplas da época, como Pedro Bento e Zé da Estrada, Liu e Léo, as Irmãs Galvão, Zilo e Zalo, Caçula e Marinheiro, Tibagi e Miltinho, Souza e Monteiro, Primas Miranda, Milionário e José Rico, Chitãozinho e Xororó, Belmonte e Amaraí, Sergio Reis, Clayton Aguiar e João Renes e Reni. A partir da década de 60, Goiá largou o microfone e passou a viver apenas como compositor.

Um dia, para a alegria do povo de Coromandel, a dupla, Goiá e Biá, grava o seu primeiro LP, com todas as composições de Goiá, e muitas falando de Coromandel e Estado de Goiás, sendo que nesta época o seu parceiro e “cunhado” era bem conhecido na música sertaneja, através da dupla “Palmeira e Biá”, assim concretizando de vez os seus sonhos no âmago de sua alma. Mas sentindo certas dificuldades ao cantar em dupla, não com relação a Biá, que sempre foi o seu “parceiro-amigo-irmão”, como ele mesmo dizia, separou-se de Biá para gravar individualmente o seu primeiro LP em duas vozes, sendo um dos primeiros no Brasil a gravar neste estilo.

Por volta do ano de 1971, começa um tempo negro em sua vida; Goiá passou a ser portador de diabetes, e como ele mesmo dizia, abusava muito de sua saúde, não se alimentando corretamente, passando longos períodos de viagens e cantorias, ficando até três anos sem fazer um exame de sangue sequer. E foi em dezembro do ano de 1.979, nos exames realizados em Uberlândia que ficou comprovado: além do açúcar no sangue, Goiá tinha “Cirrose Hepática”, já bem acentuada,e “Ascite”, água no Piritônio.

De volta a São Paulo, começou a corrida aos hospitais na tentativa de estacionar a cirrose, e com isso ele perdia peso assustadoramente. Foi quando em novembro de 1.980, já vivendo praticamente só de cama, transferiu-se para Uberaba, ficando mais perto de Coromandel, podendo ser visitado freqüentemente pelos seus conterrâneos, trazendo para si, forças para continuar, mesmo acamado, a escrever suas canções.

Nos últimos anos de sua vida, Goiá já escrevia para o estilo sertanejo moderno e já era gravado por Chitãozinho e Xororó, João Mineiro e Marciano, Cesar e Paulinho, Milionário e José Rico, Duduca e Dalvã, Chico Rey e Paraná e muitos outros. E no dia 20 de Janeiro de 1.981, às 8 da manhã, morre em Uberaba, Minas Gerais, Gerson Coutinho da Silva, o Goiá, aos 46 anos de idade, e seu corpo foi levado para Coromandel e esperado por uma multidão de pessoas, exatamente na placa de 5 Km, onde outrora foi sempre esperado pelo seu povo.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Gérson_Coutinho_da_Silva

http://www.recantocaipira.com.br/goia.html