Portal Café Brasil
1964 – O Brasil entre armas e livros
1964 – O Brasil entre armas e livros
Um documentário para ser visto como outro ângulo pelo ...

Ver mais

Os Podcasts Café Brasil Musicais
Os Podcasts Café Brasil Musicais
Música é uma de nossas grandes paixões, por isso de ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky
#DicaNetFlix Trotsky
É uma série de terror. Tem assassinos em série, ...

Ver mais

Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Visualizando as estruturas do discurso do Portal Café Brasil
Se você se aproximar do Café Brasil, prepare-se para ...

Ver mais

666 – O diabo é o pai do rock
666 – O diabo é o pai do rock
Existem dezenas de explicações para o 666 ser chamado ...

Ver mais

665 – O Vale
665 – O Vale
A trilha para o sucesso envolve trabalho duro e ...

Ver mais

664 – Sobre lagartas e borboletas
664 – Sobre lagartas e borboletas
Cara, como mudar é difícil... perder peso...manter ...

Ver mais

663 – A crisálida
663 – A crisálida
A maturidade entende que existe a escuridão no mundo, ...

Ver mais

LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
LíderCast 154 – Diógenes e Michelle Cezila
Empreendedores brasileiros, que se mudam para os ...

Ver mais

LíderCast 153 – Rafael Bernardes
LíderCast 153 – Rafael Bernardes
Empreendedor em TI, que capacita outros profissionais ...

Ver mais

LíderCast 152 – Lucia Moyses
LíderCast 152 – Lucia Moyses
Escritora, psicóloga e neuropsicóloga, um papo sobre ...

Ver mais

LíderCast 151 – Irineu Toledo
LíderCast 151 – Irineu Toledo
Radialista, uma das vozes mais marcantes e conhecidas ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Bolsonaro errou, mas nem tanto
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Bolsonaro fala demais, e sem freios. Não faz a necessária reflexão prévia. Ele precisa lembrar, urgentemente, que não é mais deputado nem está no balcão do boteco. O cargo que ocupa merece todo o ...

Ver mais

TRIVIUM: CAPITULO 2 – DIMENSÕES LÓGICA E PSICOLÓGICA DA LINGUAGEM (parte 8)
Alexandre Gomes
  Eu prometo que esse segundo capítulo vai acabar! Acho que terá umas 12 partes… Mas vamos lá! De volta à diversão. É claro que a linguagem tem aspectos LÓGICOS e PSICOLÓGICOS, veja ...

Ver mais

O Brasil da TV Globo, do Whatsapp e as manifestações do dia 26/05
Carlos Nepomuceno
RESUMO DA LIVE: LIVE COMPLETA: https://web.facebook.com/carlos.nepomuceno/videos/10157340715398631 LINKS DAS OUTRAS LIVES: ...

Ver mais

Eu não acredito na democracia moderna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Eu não acredito na democracia representativa moderna. * * * Concordo com Schumpeter: no modelo de democracia do século XX, os indivíduos comuns são simplesmente consumidores de produtos políticos ...

Ver mais

Cafezinho 178 – O Exorcista
Cafezinho 178 – O Exorcista
O Brasil está sofrendo um imenso exorcismo, e o demônio ...

Ver mais

Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
Cafezinho 177 – Os monstros da negatividade 3
A negatividade tem suas raízes no medo de ser ...

Ver mais

Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Cafezinho 176 – Gostou? Compartilhe.
Gostou? Compartilhe! Só assim, fazendo a nossa parte, ...

Ver mais

Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Cafezinho 175 – Não use sua ignorância
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será ...

Ver mais

Edmundo Barreto Pinto

Edmundo Barreto Pinto

Luciano Pires -

alt
Edmundo Barreto Pinto

Edmundo Barreto Pinto foi eleito deputado pelo PTB no Rio de Janeiro.

O deputado tentava tornar ainda mais marcante a sua imagem pública, os jornalistas queriam fornecer mais um escândalo ao público

Em 1946, Barreto Pinto, um novo rico recém-eleito deputado (teve pouco mais de 200 votos, assumiu o mandato por ser um dos suplentes de Getúlio Vargas), teria acertado com os jornalistas David Nasser e Jean Manzon, da revista ‘O Cruzeiro’, uma reportagem sobre a sua importante presença na alta sociedade carioca.

A sessão de fotos foi realizada na casa da nova esposa, um palacete em Botafogo. Os jornalistas, devido ao calor, teriam sugerido que ele se dispensasse de vestir as calças, até porque as fotos o mostrariam da cintura para cima. O deputado, ingenuamente, teria concordado.

Correu, no entanto, a versão de que ele teria pago a reportagem, já incluindo a combinação de processar posteriormente os jornalistas, uma vez que todos ganhariam notoriedade com isso177. A publicação da matéria ‘Barreto Pinto sem Máscara’ (que chegou a ser republicada pela revista Time nos EUA), na qual o deputado aparece em várias fotos nestes trajes (tanto posando quanto nos preparativos), provocou grande celeuma, incluindo a questão do suposto acordo entre os repórteres e o fotografado.

A consequ?ência maior do imbróglio foi a cassação do deputado por ‘falta de decoro’, a primeira do Congresso brasileiro.

Quanto à publicação da matéria, não houve maiores conseqüências jurídicas ou legais. Um resultado que não surpreende, pois, como define, na sequ?ência, a própria Silvana Louzada, ‘ambas as versões, a de acordo remunerado entre as partes ou a de exploração da boa fé do parlamentar, remetem a procedimentos jornalísticos éticos espúrios, mas que eram bem absorvidos e mesmo incentivados pela direção da revista’.

Uma história que traz à tona, portanto, o lado ‘mau’ das relações entre fotógrafo e fotografado, a exemplo de muitas outras situações duvidosas e/ou criticáveis na imprensa brasileira, sempre em torno de dinheiro ou poder, relativamente freqüentes na história das empresas jornalísticas. Independente das questões éticas, percebe-se, no caso, a presença, apesar do conflito de versões, de um processo de negociação prévio entre fotógrafo e fotografado, que definiu uma previsão de formato para a matéria (que já incluía as fotos) e o estabelecimento de uma relação de confiança.

Resultou que, feita a reportagem, passamos a ter ou a manutenção do combinado (na versão do conluio entre todos) ou a quebra do acordo (na versão da ingenuidade do deputado, traído pelos jornalistas).

A primeira hipótese é possível, ainda que seja difícil acreditar em uma auto-promoção tão múltipla e radical, embora não se deva esquecer outras muito maiores, em outros níveis de decisão… Não sendo da prática comum do fotojornalismo, deixamos de considerar.

A segunda possibilidade, porém, é altamente característica da reportagem fotográfica. Corresponde ao fato de que o fotografado não tem controle sobre a imagem que vai ser publicada. Por mais que novas leis e decisões da justiça sobre os direitos de imagem tenham surgido e possam até inibir excessos, a decisão da publicação não pertence ao fotografado. Aliás, na maioria das vezes, como sabemos, também não pertence ao fotógrafo…

Esta é, sem dúvida, uma das mais imediatas dificuldades éticas do fotojornalismo e podemos notar que ela perpassa todos os depoimentos recebidos. Praticamente nenhum problema ocorre quando o fotografado é retratado (ou melhor, publicado) de uma forma positiva (do seu ponto de vista), mas tudo muda quando a combinação tácita é transgredida, como em uma das possibilidades desta comparação, ou quando o fotografado desenvolve novos interesses ou reconsidera os antigos.’

Texto de Aguinaldo Ramos, extraído da tese de mestrado A História bem na Foto, apresentada na UFRJ.”

.