Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Daniel de Oliveira

Daniel de Oliveira

Luciano Pires -

alt
Daniel de Oliveira

Daniel de Oliveira (Belo Horizonte, 19 de junho de 1977) é um ator brasileiro.

Nascido em Belo Horizonte, estreou como ator em 1998, quando um comercial lhe abriu as portas para participar da novela Brida, na extinta Rede Manchete. Antes disso, já havia participado de diversas peças teatrais na capital mineira, chegando, inclusive, a fundar um grupo teatral com os amigos.

No ano seguinte, transferiu-se para a Rede Globo, onde permanece até os dias atuais com contrato de exclusividade, e, atuou no seriado teen Malhação, como o coprotagonista Marquinhos. Entre outros conflitos, seu personagem envolveu-se com o mundo das drogas e ainda engravidou uma adolescente.

Em 2000, estreou nas telonas com o filme O Circo das Qualidades Humanas, interpretando Bosco, um dependente químico. Depois, participou da novela A Padroeira, onde encarnou um padre, Gregório, que chegou à cidade fictícia da trama para substituir um outro padre, morto cruelmente pelo antagonista da novela, Fernão. Seu personagem, assim como outros, chegava à história já com uma certa frente de capítulos exibidos, na tentativa de alavancar a audiência do folhetim.

Posteriormente, manteve-se recluso da TV e da mídia por cerca de três anos, quando retornou na minissérie Um Só Coração, como Bernardo, filho do poderoso fazendeiro de café Coronel Totonho, que o rejeita por considerá-lo fruto de uma traição de sua falecida esposa.

A consagração foi alcançada nesse mesmo ano, quando esteve em cartaz com o longa Cazuza – O Tempo Não Pára, de 2004, em que deu vida ao cantor Cazuza. Esse trabalho impulsionou sua carreira e representa um verdadeiro marco em sua vida profissional. Pela sua atuação recebeu diversos prêmios e se tornou conhecido em todo o Brasil. Desde então, tornou-se o queridinho do cinema nacional e também dos diretores de televisão. No filme, tamanha sua dedicação e entrega ao personagem, que para viver o protagonista emagreceu onze quilos e aprendeu trejeitos do cantor nos palcos, aparecendo em alguns momentos da película cantando sem dublagem.

No mesmo ano, colhendo os bons frutos derivados do enorme sucesso de crítica do filme que narrou parte da história de vida do cantor Cazuza, foi promovido a galã global e ganhou seu primeiro papel de protagonista em novelas da emissora. No remake de Cabocla, viveu o mulherengo Luís Jerônimo, que após descobrir estar muito doente, vai passar uma temporada na fazenda de um primo, numa cidadezinha do interior, onde conheceu Zuca, interpretada pela sua, na época, esposa Vanessa Giácomo. Foi durante esse trabalho, que iniciou um affair com a intérprete de seu par romântico, com quem casou-se e teve dois filhos: Raul, nascido em 2008, e, Moisés, nascido em 2010, até que, em 2012, o casal se separou.

Em 2005, esteve presente das duas temporadas da minissérie Hoje é Dia de Maria. Na primeira, interpretou um único personagem, o palhaço Quirino. Já na segunda, despontou em pelo menos dez personagens diferentes. Ainda nesse ano, no cinema, dublou o personagem-título do longa de animação O Galinho Chicken Little, da Disney.

Em 2006, protagonizou a novela Cobras e Lagartos, como o office-boy Duda, que após iniciar um relacionamento afetivo com a perfumista Bel, herda uma fortuna do avô da moça, Omar Pasquim, que para evitar que o dinheiro caia em mãos erradas, decide deixar tudo o que tem para um desconhecido.
Também nesse ano, no cinema, deu vida a mais duas importantes personalidades brasileiras: Stuart Edgard Angel Jones, filho da estilista Zuzu Angel, torturado e morto durante a ditadura militar, e Santos Dumont; participações feitas respectivamente nos filmes Zuzu Angel e 14 Bis. E ainda, dublou o pinguim Mano, na animação Happy Feet, que teve a voz de Elijah Wood na versão original.

Em 2007, esteve em cartaz com o polêmico filme Batismo de Sangue, onde interpretou o papel do religioso Frei Beto, que junto a outros religiosos, e, em represália à ditadura miliar da década de 1960, envolveu-se com um grupo guerrilheiro, sendo perseguido e torturado pela polícia. Nesse mesmo ano, foi o antagonista principal da novela Desejo Proibido, Henrique, o primeiro vilão de sua carreira. Na trama, seu personagem é um jovem inescrupuloso, mimado e sem moral, neto da poderosa fazendeira Cândida, mulher que também não mede esforços para conseguir o que quer. Acostumado a ter tudo, alia-se à ambiciosa enfermeira Raquel, ao sentir-se ameaçado com a aproximação da doce Laura ao padre Miguel.

Em 2008, integrou o elenco da minissérie Som & Fúria, que narra os bastidores de duas companhias de teatro numa montagem de Hamlet. Nesse trabalho, representou um ator vindo da televisão para protagonizar a peça, dentro da política de popularização do teatro, e, que sofre o preconceito dos atores mais velhos da companhia. No entanto, o lançamento da minissérie só aconteceu no final do primeiro semestre de 2009.

Também em 2008, recusou o convite para viver um dos personagens centrais da novela Negócio da China, sendo substituído pelo ator Thiago Fragoso. Em seguida, gravou o embrião da série Decamerão – A Comédia do Sexo, exibido na programação de final de ano da Globo, em janeiro de 2009. No cinema, esteve em cartaz com o filme A Festa da Menina Morta, em que interpretou o jovem Santinho, rapaz que tem o dom de transmitir os recados através de sua própria fala de uma menina desaparecida.

Em 2009, novamente recusou participação em uma novela da emissora, Tempos Modernos, onde viveria o protagonista, personagem que ficou a cargo do ator Thiago Rodrigues. No segundo semestre desse ano, voltou a aparecer na série Decamerão – A Comédia do Sexo, que entrou para a grade fixa do canal numa temporada de quatro episódios. Ainda esse ano, filmou o longa 400 Contra 1 – Uma História do Crime Organizado, que narra a história da facção Comando Vermelho.

Em 2010, pôde ser visto no horário nobre da Rede Globo, em Passione, como o ambicioso Agnello, filho do protagonista Totó, que apaixona-se pela socialite Stella, porém vê-se dividido ao conhecer sua filha, Lorena.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Daniel_de_Oliveira

http://www.adorocinema.com/personalidades/personalidade-221612/

[youtube]KNgClvAhZJk[/youtube]