Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Conrado Paulino

Conrado Paulino

Luciano Pires -

alt

Nascido em Buenos Aires, Conrado Paulino mudou-se para Campinas em 1980, fugindo da violenta repressão militar que imperava na Argentina. Mas, independente disso, já era fanático pela mpb.

Na adolescência costumava passar horas ouvindo João Gilberto e Vinícius de Moraes e Toquinho, com fone de ouvido e a luz apagada. Em seu fone também tocava muita música espanhola, principalmente Joan Manuel Serrat, e ainda Frank Zappa, Yes e Beatles, assim como John Coltrane, Oscar Peterson, Dave Brubeck, Modern Jazz Quartet e mais tudo de interessante que caísse em sua mão. Não poderia ter ignorado o moderno tango argentino; costumava ouvir o grupo vocal Buenos Aires 8 e principalmente Astor Piazzola, por quem ainda é fanático.

Aos domingos tinha de encontrar alguma outra coisa para fazer, pois naquele dia a vitrola era de sua mãe que botava para rodar discos de bolero e música erudita. Conrado começou a tocar no violão de seu pai, músico diletante, que foi lhe passando as primeiras dicas e mais tarde lhe arrumou um professor.

Estudou com os concertistas Jorge Molinari e Roberto Lara e também aprendeu muito tirando de ouvido os discos de Baden Powell, sua primeira grande influência. Outra grande ajuda foi o método para violão de Paulinho Nogueira.

Antes de mudar-se para São Paulo, Conrado viveu seis anos em Campinas onde começou sua carreira tocando em restaurantes, casas noturnas e bailes. Tinha de tocar de tudo quase sem ensaio, o que lhe deu, além de traquejo musical, um grande e variado repertório. Tocando em bailes conheceu todo o interior do estado e sul de Minas, geralmente começando as dez e indo até as cinco da manhã.

Então surgiu o convite para dar aulas no Clam, a prestigiosa escola de música do Zimbo Trio. Começou como professor de violão e guitarra e passados de dois anos tornou-se Supervisor de Guitarra e dois anos mais tarde era Supervisor do Depto. de Cordas, responsável pelo planejamento e gerenciamento dos cursos de violão, guitarra e contrabaixo. Conrado Paulino é um dos professores mais respeitados de São Paulo, atualmente leciona na ULM e de suas aulas particulares saíram Chico César, Nuno Mindelis, Fernando Corrêa e Tomati, para citar alguns.

Conrado já acompanhou e acompanha muita gente, principalmente cantoras, entre elas Alaíde Costa, Rosa Passos, Johnny Alf, Alzira Espíndola, Claudete Soares e ainda Cláudio Curi, Roberto Luna, João Suplicy e outros.

Fazendo o que mais gosta, tocar mpb com roupagem jazzística, subiu ao palco com grandes nomes da cena instrumental, entre tantos outros: Zimbo Trio, Heraldo do Monte, Vinícius Dorin, Lito Robledo, Itamar Collaço, Nenê, Hector Costita, Luís Chaves e Paulinho Nogueira.

Atualmente sua atenção está principalmente voltada para seu quarteto que conta com Celso de Almeida na bateria (baterista da Rosa Passos, entre outros artistas), Marinho Andreotti no contrabaixo (toca na Orquestra Jazz Sinfônica, entre outros), e a Débora Picarelli Gurgel no piano e sopros. Do quarteto Conrado comenta: “fazemos releituras de classicos da mpb, tocamos Jobim, Caymmi, Edu Lobo, Ivan Lins, Carlos Lyra -entre outros- e também composições minhas, que são bem “brazucas”, samba, choro ou valsa, tudo com linguagem jazzística, no sentido da abertura para a improvisação e da “roupagem” harmônica, muito sofisticada, por sinal.”

http://va.mu/XWQC – Conrado Paulino no Clube de Jazz

http://www.conradopaulino.com.br/

http://www.myspace.com/conradopaulino

[youtube]ukZYabvKpl4[/youtube]
[youtube]ee8triCb6_A[/youtube]
[youtube]c5507Mg7jkA[/youtube]
[youtube]-2WrmV2_spE[/youube]
[youtube]gMI_ZhFmacs[/youtube]