Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cacique e Pajé

Cacique e Pajé

Luciano Pires -

Antônio iniciou carreira em 1968, formando várias duplas, com outros nomes artísticos: Peixoto e Peixinho (João Rodrigues); Peão Campeiro e Rei do Gado (Antônio); João Ferreira e Rei do Gado; João Ferreira e Ferreirinho (Antônio), nome adotado para não confundir com a antiga dupla João Ferreira e Ferreirinha.

Em 1977, já com o parceiro Roque, mas com o nome artístico de Rei do Gado (Antônio) e Boiadeiro (Roque) – e o pseudônimo de Índios Caiapós – gravou pela etiqueta Sonora um LP, cujo destaque foi Rancho quarto de milha.

Em 1978, a dupla se oficializou como Cacique e Pajé, gravando o primeiro LP na Chantecler, com Pescador e catireiro (Cacique e Carreirinho).

Em 1979 lançaram o segundo LP, destacando-se Caçando e pescando (Cacique e Tangará) e Deixa o índio em paz (Cacique e Capitão Furtado) e, no ano seguinte, saiu o terceiro, com destaque para Poemas das cordas (Paulo Gaúcho e Zé Raimundo), todos os três com o nome de Cacique e Pajé.

Em 1981 lançaram o LP Os índios e a viola, com realce para Mosca branca (Cacique e Jesus Belmiro); em 1982, lançaram o quinto LP, cuja música-título e destaque foi As flores e animais (Paraíso e José Fortuna). Em 1983 saíram o sexto e o sétimo LPs: Cadê o gato, salientando-se a música-título, de autoria da dupla, e O sertão, com destaque para Viola no samba (Rei do Mar e Cacique).

O oitavo LP saiu em 1985, sobressaindo-se a música-título Peão sabido (Cacique e Nhô Véio). No mesmo ano, Pajé adoeceu, e a dupla só voltou a gravar em 1989, na RGE, destacando-se então Inquilina de violeiro (Cacique, João Gonçalves e Thomaz).

Em 1994, Pajé faleceu em São Paulo. Em 1995, Cachoeira (José Pereira de Sousa), violeiro conceituado, assumiu o lugar de Pajé na gravação de um LP. Cacique mantém-se em plena atividade.


Cacique e Pajé

[youtube]jKkf-BFEEhk[/youtube]

[youtube]raUczITcVBM[/youtube]

[youtube]WC7P2x8-xtY[/youtube]