Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Brandão Filho

Brandão Filho

Luciano Pires -

Moacyr Augusto Soares Brandão (Rio de Janeiro, 6 de janeiro de 1910 — Rio de Janeiro, 22 de março de 1998), mais conhecido como Brandão Filho, foi um ator e humorista brasileiro.

Filho do conhecido ator João Augusto Soares Brandão (1844 – 1921), conhecido pelo nome artístico de Brandão, o Popularíssimo, ficou órfão desde os 11 anos. Começou a trabalhar cedo como entregador de roupa em uma tinturaria e depois em uma padaria.

Sua estreia no teatro foi em 1929, no circo, e logo ele se descobriu como alguém que perdia a inibição no palco e fazia os outros rirem. Em 1942 foi convidado para participar da primeira radionovela brasileira, Em Busca de Felicidade, da Rádio Nacional. Também nessa época estreava no cinema com os filmes O Dia é Nosso e Samba em Berlim.

O sucesso veio com o personagem “primo pobre” no programa radiofônico Balança Mas Não Cai, da Rádio Nacional, onde contracenava com Paulo Gracindo — o “primo rico”. O sucesso foi tão grande que os atores passaram anos interpretando os mesmos personagens e depois foram para a TV fazendo o mesmo quadro.

Também na Nacional estrelou, ao lado dos comediantes Apolo Correia e Ema D’Avila, o humorístico de grande sucesso Tancredo e Trancado, escrito por Ghiaroni e patrocinado pelas Pílulas de Vida do Dr. Ross.

Depois de vários filmes e do sucesso na Rádio Nacional, onde ficou por mais de 40 anos, Brandão Filho chegou à TV em programas e seriados cômicos como Uau, Balança Mas Não Cai, Faça Humor, Não Faça a Guerra, Viva o Gordo, Chico Anysio Show, Estados Anysios de Chico City e a primeira versão de A Grande Família, em 1973.

Após a experiência em A Grande Família, Brandão Filho foi para as novelas e, na TV Globo, participou de Bravo!, Saramandaia, Nina, Sinal de Alerta, Te Contei?, Feijão Maravilha, Chega Mais, Plumas e Paetês e O Salvador da Pátria.

No cinema ganhou o prêmio Air France de melhor ator do ano pelo filme Romance da Empregada, dirigido por Bruno Barreto. Participou da Escolinha do Professor Raimundo, um de seus últimos trabalhos na TV.

Brandão Filho morreu em 1998, de câncer, após sofrer duas paradas cardiorrespiratórias e permanecer internado por 40 dias em uma clínica no Rio de Janeiro, aos 88 anos.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Brandão_Filho

http://www.memorialdafama.com/biografiasAB/BrandaoFilho.html


Brandão Filho

[youtube]vHplOxVCDjk[/youtube]
[youtube]mxZsj49V25M[/youtube]
[youtube]bkodKtjvjsU[/youtube]
[youtube]XP0zp28sdzM[/youtube]
[youtube]upyc5seOzZA[/youtube]