Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Benny Carter

Benny Carter

Luciano Pires -

 

Foi compositor, tocou saxofone alto, clarinete, trompete, e liderou diversas bandas. Foi uma das figuras principais do mundo do jazz desde os anos 30 até aos anos 90.

A juventude de Benny Carter foi passada em Harlem, ao lado de Bubber Miley, o trompetista principal de Duke Ellington. Carter foi influenciado por Miley, o que o levou a adquir um trompete, mas cedo percebeu que nunca iría tocar como Miley; assim, trocou este instrumento por um saxofone.

Carter começou a tocar profissionalmente aos quinze anos. A sua primeira gravação data de 1928 e, no ano seguinte, forma a sua primeira banda. Toca com Fletcher Henderson em 1930 e 1931, e torna-se o seu arranjador principal. Passa temporáriamente, pelo grupo McKinney’s Cotton Pickers, até voltar a liderar a sua própria banda, em 1932.

As poucas gravações que efetuam entre 1933 e 1934, são consideradas, pelos profissionais do jazz, como marcos nos primórdios do swing. Sofisticadas, e de arranjos complexos, algumas delas tornaram-se standards, por diversas vezes interpretadas por outras bandas (Blue Lou é um exemplo). Foi também arranjador de Duke Ellington durantes estes anos. No início dos anos 30, Carter e Johnny Hodges, eram considerados os melhores saxofonistas alto. Carter tornou-se, também, um dos principais trompetista a solo, nesta década, gravando várias composições.

Em 1933, Carter fez parte de várias sessões em que participou a banda britânica liderada por Spike Hughes, vindo de Nova Iorque, especificamente para organizar uma série de gravações, em que também participaram alguns dos melhores músicos negros da época.

Dois anos depois, em 1935, Carter viaja para a Europa, onde se torna o organizador da orquestra de dança da BBC, e onde efectua várias gravações. Compõe dois grandes sucessos: “Blues in My Heart” e “When Lights are Low”. Em 1938 regressa aos EUA e lidera uma Big Band, e um sexteto, antes de se mudar para Los Angeles, em 1943, para escrever para filmes.

O seu maior êxito foi “Cow Cow Boogie”, uma música escrita com a colaboração de Don Raye e Gene Paul, que se tornou um sucesso na voz de Ella Mae Morse, em 1942.

Nos anos 40, e anos 50, Benny Carter foi um dos primeiros negros a escrever músicas para filmes. Foi mentor, e serviu de inspiração, a Quincy Jones, quando este começou a escrever para televisão, e filmes, nos anos 60.

Miles Davis fez algumas das suas primeiras gravações com Benny Carter, considerando-o um mentor e amigo pessoal. Carter também participou, de forma discreta, no filme de 1952, As Neves de Kilimanjaro.

Carter foi membro do conselho de música da “National Endowment for the Arts”. Foi também membro do “Black Film Makers’ Hall of Fame” (“Quadro de Honra dos Realizadores Negros de Filmes”) e, em 1980, recebe o prémio Golden Score, da “American Society of Music Arrangers” (“Sociedade Americana de Arranjadores de Música”). Benny Carter foi também reconhecido pelo Kennedy Center, em 1996, e recebeu vários doutoramentos honorários das universidades de Princeton, Harvard e Rutgers, do do conservatório de New England.

Em 1987, Carter recebeu o Grammy Lifetime Achievement Award, por lhe ter sido reconhecido o trabalho dedicado toda a sua vida em prol da música.

Benny Carter morre de complicações respiratórias, no hospital de Los Angeles, em 12 de Julho de 2003, com 95 anos.

http://www.bennycarter.com/ – em inglês


Benny Carter

[youtube]5HwXE3Cx1Ac[/youtube]
[youtube]O3LMJARkc8[/youtube]
[youtube]KX4HJ9ito3I[/youtube]