Portal Café Brasil
Como decidi em quem votarei para Presidente
Como decidi em quem votarei para Presidente
Não sei se estou certo, não fui pela emoção, não estou ...

Ver mais

Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

635 – De onde surgiu Bolsonaro?
635 – De onde surgiu Bolsonaro?
O pau tá quebrando, a eleição ainda indefinida e nunca ...

Ver mais

634 – Me chama de corrupto, porra!
634 – Me chama de corrupto, porra!
Cara, que doideira é essa onda Bolsonaro que, se você ...

Ver mais

633 – Ballascast
633 – Ballascast
O Marcio Ballas, que é palhaço profissional, me ...

Ver mais

632 – A era da inveja
632 – A era da inveja
Uma pesquisa de 2016 sobre comportamento humano mostrou ...

Ver mais

LíderCast 128 – Leide Jacob
LíderCast 128 – Leide Jacob
Empreendedora cultural e agora cineasta, que ...

Ver mais

LíderCast 127 – Lito Rodriguez
LíderCast 127 – Lito Rodriguez
Empreendedor, criador da DryWash, outro daqueles ...

Ver mais

LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
LíderCast 126 – Alexis Fonteyne
Empresário criativo e agora candidato a Deputado ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

O que aprender (ou não) com os headhunters
Mauro Segura
Transformação
Será que os headhunters realmente ajudam (ou não) a nossa carreira? A experiência de Mauro Segura com headhunters pode ajudar a encontrar a resposta para essa pergunta.

Ver mais

Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nobel de Economia valoriza sustentabilidade e inovação tecnológica “Nossos filhos terão mais de quase tudo, com uma gritante exceção: eles não terão mais tempo. À medida que a renda e os salários ...

Ver mais

Ah, se os políticos usassem sua criatividade para o bem
Henrique Szklo
Tem gente que acha que os políticos não são corruptos. Nós é que somos certinhos demais. Já o meu amigo Rodriguez diz que o pior tipo de político é o honesto, porque, além de trouxa, é traidor da ...

Ver mais

Somos quem podemos ser
Jota Fagner
Origens do Brasil
Já faz um tempo que venho desiludido quanto aos resultados da educação. Ainda acredito que ela seja essencial, mas já consigo enxergar que não basta. Uma pessoa bem instruída não é garantia de ...

Ver mais

Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Cafezinho 115 – Um voto não vale uma amizade
Não gaste sua energia e seu tempo precioso de vida ...

Ver mais

Cafezinho 114 – E se?
Cafezinho 114 – E se?
Mudanças só acontecem quando a crise que sofremos for ...

Ver mais

Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Cafezinho 113 – Merdades e Ventiras
Conte até dez antes de compartilhar uma merdade

Ver mais

Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Cafezinho 112 – Como decidi meu voto
Meu voto é estratégico, para aquilo que o momento exige.

Ver mais

Balança mas não cai

Balança mas não cai

Luciano Pires -

Balança mas não cai foi um programa humorístico brasileiro.

Criado por Max Nunes e Paulo Gracindo na Rádio Nacional do Rio de Janeiro na década de 1950, o programa migrou para a TV Globo em 1968.

O programa “Balança Mas Não Cai”, foi um marco da televisão e do rádio brasileiro. Era uma época em que se escrevia humor de verdade e que eram interpretados por grandes comediantes. “Balança…”, foi uma criação de Max Nunes e Paulo Gracindo, primeiro para a Rádio Nacional carioca, na década de 50. Já em 1968, ele passou a ser exibido pela TV Globo, carioca.

A chamada do humorístico era sempre a mesma e todos sabiam que lavinham boas gargalhadas. Ele começava assim: – “Quando muita gente diferente vive debaixo do mesmo teto muitas histórias engraçadas acabam acontecendo”.

No início, quando ainda era exibido ao vivo, para garantir a agilidade do humorístico, foi construída uma estrutura giratória com quatro cenários diferentes. Era em cima deles que 60 comediantes se revezavam.

Enquanto uma cena era levada ao ar, as demais eram preparadas nos outros três cenários. A passagem de uma cena para outra era feita pelo Vannucci. O programa tinha ainda a participação de uma orquestra, que acompanhava cada cena.

“Balança…” repetiu na TV o mesmo sucesso que teve na rádio. Em outubro, um mês depois da estreia, já batia a audiência do Rio de Janeiro em relação aos programas humorísticos exibidos até aquele momento. Vários dos bordões cunhados pelos personagens eram repetidos pelas pessoas na rua. Era a prova maior de seu verdadeiro sucesso.

Ele tinha como base as histórias cotidianas dos moradores de um mesmo edifício. Os quadros, que na maioria das vezes não eram fixos, seguiam-se num ritmo intenso.

Porém, o número de maior sucesso era, sem sombra de dúvidas, o da impagável dupla Brandão Filho e Paulo Gracindo, respectivamente, nos papéis de “Primo Pobre x Primo Rico” no qual o pobre primo humilhado (Brandão), saia-se sempre com seu bordão: “Primo você é óóótimo!”.

Também tinha Lúcio Mauro e Sônia Mamede que viviam o casal Fernandinho e Ofélia, no quadro que popularizou o bordão “Cala a boca Fernandinho, eu só abro a boca quando tenho certeza!”.

O outro número inesquecível, para a época, era a do Lilico, que tocava o bumbo e entrava cantando: “Tempo bom, lê, lê, não volta mais, saudade…”.

Porém, como tudo era muito rápido e sempre um ator se atrasava, o diretor apelava para Augusto César Vannucci, que enrolava a platéia por alguns minutos, dando tempo para que o problema fosse resolvido e o próximo quadro pudesse ir ao ar. Ele fazia um rápido perfil do personagem, do tipo: “Lá no apartamento 304 mora um primo que é muito rico e etc. e tal.”

Quem dirigia essa babel de comediantes, do fosso da orquestra do auditório da TV Globo, no Jardim Botânico, era Lúcio Mauro.

Também estavam no elenco, entre outros, os comediantes Dinorah Marzullo, Ema D Ávila, Walter D Ávila, Ary Leite, Berta Loran, Nádia Maria, Carvalhinho, Zé Trindade, Castrinho, Cecil Thiré, Colé, Costinha, Felipe Carone, Ferrugem, Marcos Plonka, Milton Carneiro, Milton Gonçalves, Paulo Silvino, Tião Macalé.

No rádio, onde ficou de 50 a 67, ele era ancorado por Wilton Franco. Que apresentava os quadros humorísticos, supostamente passados nos apartamentos de um edifício residencial fictício, onde moravam as personagens.

Na TV Globo, onde ficou de 68 a 71, era inicialmente, apresentado ao vivo por Augusto César Vanucci. Em 1972, o humorístico passou a ser apresentado na TV Tupi, e só retornaria para a Globo em 1982, com apresentação de Paulo Silvino.


Elenco de Balança mas não cai
Entre outros: Lúcio Mauro, Sonia Mamede, Tião Macalé, Brandão Filho, Paulo Gracindo

[youtube]gUevDfSi5bc[/youtube]
[youtube]tAyUZ0WzN_o[/youtube]
[youtube]fTtcfRhymEQ[/youtube]
[youtube]ow8-_SCKyWY[/youtube]
[youtube]EjkmUkKTYYM[/youtube]