Portal Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Balança mas não cai

Balança mas não cai

Luciano Pires -

Balança mas não cai foi um programa humorístico brasileiro.

Criado por Max Nunes e Paulo Gracindo na Rádio Nacional do Rio de Janeiro na década de 1950, o programa migrou para a TV Globo em 1968.

O programa “Balança Mas Não Cai”, foi um marco da televisão e do rádio brasileiro. Era uma época em que se escrevia humor de verdade e que eram interpretados por grandes comediantes. “Balança…”, foi uma criação de Max Nunes e Paulo Gracindo, primeiro para a Rádio Nacional carioca, na década de 50. Já em 1968, ele passou a ser exibido pela TV Globo, carioca.

A chamada do humorístico era sempre a mesma e todos sabiam que lavinham boas gargalhadas. Ele começava assim: – “Quando muita gente diferente vive debaixo do mesmo teto muitas histórias engraçadas acabam acontecendo”.

No início, quando ainda era exibido ao vivo, para garantir a agilidade do humorístico, foi construída uma estrutura giratória com quatro cenários diferentes. Era em cima deles que 60 comediantes se revezavam.

Enquanto uma cena era levada ao ar, as demais eram preparadas nos outros três cenários. A passagem de uma cena para outra era feita pelo Vannucci. O programa tinha ainda a participação de uma orquestra, que acompanhava cada cena.

“Balança…” repetiu na TV o mesmo sucesso que teve na rádio. Em outubro, um mês depois da estreia, já batia a audiência do Rio de Janeiro em relação aos programas humorísticos exibidos até aquele momento. Vários dos bordões cunhados pelos personagens eram repetidos pelas pessoas na rua. Era a prova maior de seu verdadeiro sucesso.

Ele tinha como base as histórias cotidianas dos moradores de um mesmo edifício. Os quadros, que na maioria das vezes não eram fixos, seguiam-se num ritmo intenso.

Porém, o número de maior sucesso era, sem sombra de dúvidas, o da impagável dupla Brandão Filho e Paulo Gracindo, respectivamente, nos papéis de “Primo Pobre x Primo Rico” no qual o pobre primo humilhado (Brandão), saia-se sempre com seu bordão: “Primo você é óóótimo!”.

Também tinha Lúcio Mauro e Sônia Mamede que viviam o casal Fernandinho e Ofélia, no quadro que popularizou o bordão “Cala a boca Fernandinho, eu só abro a boca quando tenho certeza!”.

O outro número inesquecível, para a época, era a do Lilico, que tocava o bumbo e entrava cantando: “Tempo bom, lê, lê, não volta mais, saudade…”.

Porém, como tudo era muito rápido e sempre um ator se atrasava, o diretor apelava para Augusto César Vannucci, que enrolava a platéia por alguns minutos, dando tempo para que o problema fosse resolvido e o próximo quadro pudesse ir ao ar. Ele fazia um rápido perfil do personagem, do tipo: “Lá no apartamento 304 mora um primo que é muito rico e etc. e tal.”

Quem dirigia essa babel de comediantes, do fosso da orquestra do auditório da TV Globo, no Jardim Botânico, era Lúcio Mauro.

Também estavam no elenco, entre outros, os comediantes Dinorah Marzullo, Ema D Ávila, Walter D Ávila, Ary Leite, Berta Loran, Nádia Maria, Carvalhinho, Zé Trindade, Castrinho, Cecil Thiré, Colé, Costinha, Felipe Carone, Ferrugem, Marcos Plonka, Milton Carneiro, Milton Gonçalves, Paulo Silvino, Tião Macalé.

No rádio, onde ficou de 50 a 67, ele era ancorado por Wilton Franco. Que apresentava os quadros humorísticos, supostamente passados nos apartamentos de um edifício residencial fictício, onde moravam as personagens.

Na TV Globo, onde ficou de 68 a 71, era inicialmente, apresentado ao vivo por Augusto César Vanucci. Em 1972, o humorístico passou a ser apresentado na TV Tupi, e só retornaria para a Globo em 1982, com apresentação de Paulo Silvino.


Elenco de Balança mas não cai
Entre outros: Lúcio Mauro, Sonia Mamede, Tião Macalé, Brandão Filho, Paulo Gracindo

[youtube]gUevDfSi5bc[/youtube]
[youtube]tAyUZ0WzN_o[/youtube]
[youtube]fTtcfRhymEQ[/youtube]
[youtube]ow8-_SCKyWY[/youtube]
[youtube]EjkmUkKTYYM[/youtube]