Assine o Café Brasil
Portal Café Brasil
A rã e o escorpião
A rã e o escorpião
Isca intelectual de Luciano Pires, dizendo que é como ...

Ver mais

Fake News
Fake News
Isca intelectual lembrando da teoria dos Quatro Rês, ...

Ver mais

Matrizes da Violência
Matrizes da Violência
Isca intelectual lembrando que os presídios brasileiros ...

Ver mais

Mudei de ideia
Mudei de ideia
Isca intelectual de Luciano Pires incentivando que você ...

Ver mais

544 – Persuadível
544 – Persuadível
Podcast Café Brasil 544 - Persuadível. Vivemos numa ...

Ver mais

543 – Desengajamento moral
543 – Desengajamento moral
Podcast Café Brasil 543 - Desengajamento moral. Como é ...

Ver mais

542 – Tapestry
542 – Tapestry
Podcast Café Brasil 542 - Tapestry. Em 1971 uma cantora ...

Ver mais

541 – A festa do podcast
541 – A festa do podcast
Podcast Café Brasil 541 - A festa do Podcast. ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Metamorfose ambulante
Tom Coelho
Sete Vidas
“Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou. Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor.” (Raul Seixas)   Foram necessários 18 séculos para que a teoria geocêntrica, segundo a qual a Terra ...

Ver mais

A verdade inconveniente da política atual
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o risco imediato para o futuro do mundo não é a desgraça do populismo: é o casamento incestuoso entre a degradação da política de hoje com a ...

Ver mais

A força da vocação
Tom Coelho
Sete Vidas
“Eu nunca quis ser o maior ou o melhor. Queria apenas desenhar.” (Mauricio de Sousa)   Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali. É quase impossível que estes personagens de histórias em quadrinhos ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, lembrando que o que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19.

Ver mais

Atílio Versuti

Atílio Versuti

Luciano Pires -

Compositor. Trabalhou como pintor de placas e cartazes. Iniciou a carreira artística na década de 1970. Sua primeira composição gravada foi “A porteira”, com Luis de Castro, registrada em LP Beverly pela dupla Zilo e Zalo.

Em 1978, duas composições suas foram gravadas pelo grupo Companheiros da Lua no LP “Degraus da vida”, do selo Califórnia: “Obsessão” e “Meu sertão chora comigo”, ambas em parceria com Paulo Santos. No mesmo ano, a dupla Lourenço e Lourival gravou “Palhaço do teu amor”, parceria com Luis de Castro, no LP “Novo caminho”, da Chantecler, e a dupla Tião Carreiro e Paraíso gravou “Minha terra, minha infância”, com Luis de Castro e Tião Carreiro, no LP “Tá do jeito que eu queria”, pela gravadora Caboclo/Continental. Dois anos depois, a dupla Liu e Leu gravou “Volta do caminheiro” no LP “Sementinha”.

Ainda nesse ano, compôs com Jeca Mineiro a guarânia “Fuscão Preto”, que seria seu maior sucesso, lançada pelo trio Os Gladiadores. O hit alcançou uma vendagem de 100 mil cópias e seria gravada no mesmo ano pela dupla Zé Tapera e Teodoro.

Em 1981, quatro composições foram gravadas pela dupla Tião do Norte e Coitelinho, no LP “Filho do pecado” pelo selo Brasil Rural: “A filha do capataz”, com Mariel, “Paixão do luar”, com Coitelinho, “Filho do pecado”, com Mariel, e “Resposta”, com Jeca Mineiro. Nesse ano, “Nunca vi um amor assim”, com Jeca Mineiro, foi gravada pela dupla Valdecy e Celita, no LP “Homenagem a Goiás” do selo Cartaz. Essa mesma música foi gravada no mesmo período, pelo Trio Parada Sertaneja, juntamente com “Nossa felicidade”, também com Jeca Mineiro.

Também em 1981, a música “Fuscão preto” foi gravada pelas duplas Gilberto e Gilmar e Nestor e Nestorzinho, e pelo Trio Parada Dura. Ainda naquele ano, teve a música “Meu sabiá”, com Jeca Mineiro, gravada pelo cantor Compadre Moreira, pela gravadora Tocantins.

Em 1982, “Fuscão preto” alcançou a consagração nacional ao ser gravada por Almir Rogério que vendeu 700 mil cópias, conhecendo ainda no mesmo ano, registros por parte de André Ricardo, Poly, Irmãs Castro, Celinho da Sanfona, Trio Arizona, entre outros.

Em 1983, foi lançado o filme “Fuscão preto” com as presenças de Almir Rogério atuando ao lado da apresentadora Xuxa Meneghel, então em começo de carreira. No mesmo ano, “Fuscão preto” foi gravada pelo grupo de rock Magazine.

Em 1984, outra parceria com Jeca Mineiro foi gravada: “Quem não arrisca não petisca (Sai água da minha boca)” pela dupla João Seresta e Cantador no LP “Saudade de carreiro”, da gravadora Continental.

Em 1985, a dupla Chico Viola e Rancho Alegre gravou “Documentos sertanejos”, com Chico Viola, que deu nome ao LP lançado pela dupla, além de “Os dez mandamentos”, com Chico Viola, “Fofoqueiro”, com Mariel, e “Vaidosa”, com Rancho Alegre.

Em 1991, “Quem não arrisca não petisca”, com Jeca Mineiro, foi gravada pela dupla Barreira e Dino Bueno no LP “Os caboclões” da gravadora Chororó. Em 1995, “O Pinto Piou”, com Mariel e Ney Vilela, foi gravada pelo Trio Lanute no LP “Delirando de amor”, da gravadora Chororó. Seu principal parceiro foi Jeca Mineiro com quem compôs “Fuscão preto”, composição que o imortalizou na história da música popular brasileira. Em 1997, a gravação de “Fuscão preto” na voz do Duo Ciriema foi relançada pela BMG no CD da série “Luar do sertão” dedicada aquela dupla.

www.dicionariompb.com.br/atilio-versuti