Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Xerxesando

Xerxesando

Luciano Pires -

XERXESANDO

Estou relendo um livro precioso. Chama-se Ética & Negócios e foi escrito por Julio Lobos. É uma publicação independente, não está à venda em livrarias. Foi publicado em 2003 e nunca esteve tão atual. Julio trata de ética no ambiente empresarial, numa linguagem simples e objetiva. É uma delícia. Lá pelas tantas, encontro uma história saborosa. No ano 480 a.C., o rei persa Xerxes, após ser derrotado pelos gregos, foge em seu navio abarrotado de cortesãos, para a Turquia. No meio do caminho, com o navio açoitado por fortes ventos, o rei ouve o comandante alertar que o peso está excessivo e podem naufragar a qualquer momento. O comandante lança, então, um olhar significativo em direção à comitiva real. O rei entende o recado e faz um discurso:


– Homens da Pérsia, eis o momento de demonstrar o quanto amam o seu rei. Pois é de vocês, ao que tudo indica, que depende a sorte dele.


Um a um, os cortesãos atiram-se ao mar, aliviando o peso do navio, que chega com segurança ao destino. Em terra firme, o rei, satisfeito e já com a cara cheia de vinho, premia o comandante com uma coroa de ouro. Ele salvara a vida do rei! Em seguida Xerxes manda decapitar o comandante, por ter provocado a morte de muitos súditos.


Julio Lobos comenta a história: “Ao sugerir veladamente o sacrifício dos cortesãos, o comandante afasta-se do código ancestral dos humanos, que manda: ´não matarás´. Xerxes é conivente. Mas também é rei – precisa se conservar inocente. Após concordar com a imolação dos cortesãos, joga a culpa no comandante – ´Não falou claramente´; ´Fui usado´; ´Ignorava as conseqüências´… E assim premia-o primeiro por honrar o direito divino – proteger o rei, que é um deus -, e depois o pune por ter induzido a ele, Xerxes, um mero mortal, a desrespeitar o direito humano à vida. Finalmente, deita-se a desfrutar tranqüilamente o sono dos justos.” 


Xerxes, dois mil e quinhentos anos atrás…


Enquanto lia a história, um filme passava na minha cabeça. Nele, eu via personagens muito conhecidos, que freqüentam nossas televisões, jornais e revistas diariamente. Todos vestidos de Xerxes. E outros com a roupa do comandante… Quantas histórias semelhantes você consegue encontrar no nosso Brasil varonil de hoje, hein? Quantos Xerxes conseguiria apontar? E quantos comandantes? Estou me mordendo aqui para não começar a listar os nomes… Se o fizer, as patrulhas e os ideologicamente estressados dirão que sou preconceituoso, que sou de direita ou de esquerda, que sou da elite ou que sou comunista… Então deixo pra você fazê-lo, vamos lá. Releia a historinha e me aponte um Xerxes na política nacional. E outro no futebol. Mais um na justiça. E outro na segurança pública. Um na empresa onde você trabalha! Quem sabe você não é um Xerxes? Talvez não. Pra ser um Xerxes, tem de ter poder, coisa que nem todos têm.


Pois estou tentado a criar o verbo “xerxesar”.


Eu xerxeso, tu xerxesas, ele xerxesa.


Nós xerxesamos, vós xerxesais, eles xerxesam…


Eu xerxesei, tu xerxesaste, ele xerxesou.


Nós xerxesamos, vós xerxesastes, ele xerxesou. 


Que ótimo!



O xerxesador usa seu poder para jogar a responsabilidade nos ombros de um subalterno, que vai arcar com as conseqüências enquanto ele afirma: “eu não sabia de nada”…


Êpa!