Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Vaga-Lumes

Vaga-Lumes

Luciano Pires -


VAGA-LUMES



Recebi muitas respostas ao texto que escrevi quando completei meus quarenta e nove anos este ano. Uma delas fez com que eu visualizasse a cena. Quem escreveu foi Ledy Buttendorf: “Você não é diferente da gente. Já completei cinqüenta e posso adiantar que não dói. Sou avó e a Júlia é uma graça. Sexta-feira, 9,30h da manhã ela chegou ao meu escritório de advogada, dia lindo, sol iluminando tudo, não deu outra: fomos pra praia brincar, pulamos amarelinha riscada com graveto na areia dura, fizemos castelo, corremos, rimos e molhamos o pé na água fria. O trabalho teve que esperar pra hoje, mas ganhei o dia. Essa é a diferença: aos cinqüenta a gente é capaz de fazer escolhas especiais…”.


Pouco tempo antes, eu tinha recebido uma outra reflexão de um amigo, que escreveu assim: “Ontem ouvi uma expressão curiosa em um programa esportivo citando que o apelido de um determinado jogador é vaga-lume, pois às vezes brilha e em outras ocasiões fica apagado.
Realmente, as exigências do meio que nos cerca são grandes e, na maior parte do tempo, temos que brilhar. Acho que o importante não é ter um brilho forte por pouco tempo, mas sim fornecer luminosidade, ainda que mais branda, porém duradoura. São pequenas realizações que não se apagam e ficam na lembrança. Cito um exemplo: semana passada tinha umas 4 horas disponíveis no sábado e resolvi compartilhar com pessoas. Assim sendo, de improviso, convidei minha filha maior e de contra peso o pequeno Mateus, filho de nossa empregada, para pescar na represa.   Comprei caniços, linha, anzóis e iscas e fomos lá pra beira do lago onde ficamos conversando  por pelo menos duas horas e não pegamos nada de peixe apesar das inúmeras tentativas. Na volta parei em uma lanchonete como fazia nos velhos tempos e fomos felizes para casa. De repente vejo o valor daquele evento tanto para um bom papo com minha filha quanto à alegria do Mateus de sair um pouco da rotina e pescar pela primeira vez. O que mais marcou aquele frio dia foi o brilho de alegria nos olhos de meus dois valiosos companheiros. Provavelmente era o reflexo das poucas horas de vaga-lume que representei para eles. Preciso praticar mais vezes”.
 


A Ledy e meu amigo fizeram papel de vaga-lumes. Aquele garoto certamente levará pela vida toda a lembrança de sua primeira pescaria. E a neta da Ledy jamais se esquecerá dos castelos feitos na areia.


Quanto vale isso?


Pois pensei em escrever este artigo como um singelo presente de Natal. Mas depois concluí que um presente melhor seria lançar uma questão…


Tá sentado? Tá sentada?


Então tó:



– Você tem sido o vaga-lume de alguém? 


Boas Festas.