Artigos Café Brasil
#EnquantoIsso
#EnquantoIsso
Isca intelectual de Luciano Pires sobre celebrar ...

Ver mais

O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

550 – Carnaval revisitado
550 – Carnaval revisitado
Podcast Café Brasil 550 - Carnaval Revisitado. Mais um ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Como não saber pela imprensa o que acontece na política
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca intelectual de Bruno Garschagen, afirmando que basta que um político não seja a expressão daquele ideal de mundo acalentado por certos jornalistas para que eles abram mão do compromisso de ...

Ver mais

A arte de empreender
Tom Coelho
Sete Vidas
“É melhor aproximadamente agora do que exatamente nunca. Quem espera permanentemente pelo melhor momento jamais vai empreender.” (Aleksandar Mandic)   O Brasil é o 7º colocado mundial entre ...

Ver mais

Kenneth Arrow
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Kenneth Arrow   1921 – 2017 “Kenneth Arrow foi o mais importante economista teórico do século XX.” Paul Samuelson Kenneth Arrow nasceu em Nova York, EUA, em 1921. Estudou sempre em sua ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Vaga-Lumes

Vaga-Lumes

Luciano Pires -


VAGA-LUMES



Recebi muitas respostas ao texto que escrevi quando completei meus quarenta e nove anos este ano. Uma delas fez com que eu visualizasse a cena. Quem escreveu foi Ledy Buttendorf: “Você não é diferente da gente. Já completei cinqüenta e posso adiantar que não dói. Sou avó e a Júlia é uma graça. Sexta-feira, 9,30h da manhã ela chegou ao meu escritório de advogada, dia lindo, sol iluminando tudo, não deu outra: fomos pra praia brincar, pulamos amarelinha riscada com graveto na areia dura, fizemos castelo, corremos, rimos e molhamos o pé na água fria. O trabalho teve que esperar pra hoje, mas ganhei o dia. Essa é a diferença: aos cinqüenta a gente é capaz de fazer escolhas especiais…”.


Pouco tempo antes, eu tinha recebido uma outra reflexão de um amigo, que escreveu assim: “Ontem ouvi uma expressão curiosa em um programa esportivo citando que o apelido de um determinado jogador é vaga-lume, pois às vezes brilha e em outras ocasiões fica apagado.
Realmente, as exigências do meio que nos cerca são grandes e, na maior parte do tempo, temos que brilhar. Acho que o importante não é ter um brilho forte por pouco tempo, mas sim fornecer luminosidade, ainda que mais branda, porém duradoura. São pequenas realizações que não se apagam e ficam na lembrança. Cito um exemplo: semana passada tinha umas 4 horas disponíveis no sábado e resolvi compartilhar com pessoas. Assim sendo, de improviso, convidei minha filha maior e de contra peso o pequeno Mateus, filho de nossa empregada, para pescar na represa.   Comprei caniços, linha, anzóis e iscas e fomos lá pra beira do lago onde ficamos conversando  por pelo menos duas horas e não pegamos nada de peixe apesar das inúmeras tentativas. Na volta parei em uma lanchonete como fazia nos velhos tempos e fomos felizes para casa. De repente vejo o valor daquele evento tanto para um bom papo com minha filha quanto à alegria do Mateus de sair um pouco da rotina e pescar pela primeira vez. O que mais marcou aquele frio dia foi o brilho de alegria nos olhos de meus dois valiosos companheiros. Provavelmente era o reflexo das poucas horas de vaga-lume que representei para eles. Preciso praticar mais vezes”.
 


A Ledy e meu amigo fizeram papel de vaga-lumes. Aquele garoto certamente levará pela vida toda a lembrança de sua primeira pescaria. E a neta da Ledy jamais se esquecerá dos castelos feitos na areia.


Quanto vale isso?


Pois pensei em escrever este artigo como um singelo presente de Natal. Mas depois concluí que um presente melhor seria lançar uma questão…


Tá sentado? Tá sentada?


Então tó:



– Você tem sido o vaga-lume de alguém? 


Boas Festas.