Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

LíderCast 087 – Ricardo Camps
LíderCast 087 – Ricardo Camps
Ricardo Camps, empreendedor e fundador do Tocalivros, ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

O que aprendi com o câncer
Mauro Segura
Transformação
Esse é o texto mais importante que escrevi na vida. Na ponta da caneta havia um coração batendo forte. Todo o resto perto a importância perto do que vivemos ao longo desse ano.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Cafezinho 24 – Não brinco mais
Cafezinho 24 – Não brinco mais
Pensei em não assistir mais, até perceber que só quem ...

Ver mais

Uma Segunda Chance

Uma Segunda Chance

Luciano Pires -


UMA SEGUNDA CHANCE


Abalado com a cara de pau dos políticos e técnicos que teimam em “não tomar decisões no calor da emoção”, comecei a escrever um texto sobre a violência nossa de cada dia. Subitamente senti que estava sendo repetitivo. E decidi dar uma revisada e publicar outra vez um texto meu de 2003. Veja que tristeza é a atualidade dele…


Terminei de ministrar minha palestra O MEU EVEREST e desci para cumprimentar algumas pessoas. No meio delas vi um rapaz que não me era estranho, um pouco mais novo que eu, de ascendência japonesa, calado, tímido, aguardando sua vez. Uma pessoa que estava com ele disse:
– Luciano, este é o Masataka Ota. O pai do Ives.
Entrei naquela confusão mental. O rosto… Os nomes… Até ver estampada na camiseta a imagem de um japonesinho, lindo, sorrindo.
Ives Ota. O garotinho que em 1997 foi barbaramente assassinado e depois enterrado na sala de uma casa, no bairro de Vila Carrão, aqui em São Paulo.
Era o pai dele que estava em pé, à minha frente, emocionado, cumprimentando-me pela decisão de dividir com outros a experiência única de minha viagem ao Everest. Ao abraçar aquele pai, imaginei o tamanho da dor que ele passou. Fiquei sem palavras, com um nó na garganta e incapaz de me expressar. Aquilo era insólito. O que poderia significar uma viagem, diante da perda de um filho?
Alguns dias depois, mais uma vez emudecido, vi e ouvi pela televisão um pai que perdeu uma filha, a Liana, barbaramente assassinada por um bando liderado por um bandido de apelido Champinha:
– Ela era uma pérola. Que levaram embora.
Mesmo chocado, suas palavras me soaram familiares. Aquela imagem disputada pelos programas sensacionalistas era mais um pai, que a mídia exploraria até aparecer outro caso violento envolvendo jovens de classe média. E quando ouvi pelo rádio, no enterro do Felipe, os amigos entre lágrimas, cantando suas músicas preferidas, não suportei. Emocionei-me como agora, ao escrever estas linhas.
Que horror essa sensação de impotência. De saber que não há palavras, gestos nem discursos que expliquem, justifiquem ou consolem.
Lembro-me de ficar impressionado com o brilho nos olhos de Masataka Ota enquanto ele contava que, tempos depois daquele período de sofrimento, sua esposa, que na teoria não podia mais ter filhos, veio com a notícia de que estava grávida. A criança nasceu, e todos se impressionaram com as semelhanças. Era o Ives de volta.
Eles tiveram uma segunda chance.
Não sei se os pais da Liana e do Felipe terão mais uma chance. Não sei se os parentes daquela família queimada dentro do automóvel em Bragança Paulista terão mais uma chance. Não sei se os pais do João Helio, que foi arrastado pelas ruas do Rio até morrer, terão mais uma chance.
Só sei que é preciso fazer algo para que nenhum pai, mãe, filho, avô, avó, marido, esposa ou amigo, precise de mais uma chance.
Chega de estupidez!