Artigos Café Brasil
Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
Síntese de indicadores sociais 2016 do IBGE
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - ...

Ver mais

Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

614 – Limão ou limonada
614 – Limão ou limonada
No começo dos anos 1970 apareceu um termo que anos mais ...

Ver mais

Café Brasil 613 – Biologia política
Café Brasil 613 – Biologia política
E aí? Você é de direita ou de esquerda? Se incomoda com ...

Ver mais

612 – O Efeito Genovese
612 – O Efeito Genovese
Em 1964, Kitty Genovese foi assassinada em Nova York. ...

Ver mais

611 – Momentos felizes
611 – Momentos felizes
Felicidade não existe. O que existe na vida são ...

Ver mais

LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 – Rafael Baltresca
LíderCast 110 - Hoje conversamos com Rafael Baltresca, ...

Ver mais

LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 – Romeo Busarello
LíderCast 109 - Hoje conversamos com Romeo Busarello, É ...

Ver mais

Lídercast 108 – Leandro Nunes
Lídercast 108 – Leandro Nunes
LíderCast 108 - Hoje conversamos com Leandro Nunes, um ...

Ver mais

Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Lídercast 107 – Lucia Bellocchio
Hoje conversamos com Lucia Bellocchio, uma jovem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Complexo e outros males
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Uma das expressões que a esquerda (radical ou não) adora usar é o tal “complexo de vira-latas”. Essa gente não tem a menor ideia do que seja isso, nem de quem cunhou a expressão, mas a macaqueia ...

Ver mais

Interpretações do Brasil X – As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Interpretações do Brasil X As escolhas públicas e as instituições como pano de fundo “Bons jogos dependem mais de boas regras do que de bons jogadores.” James Buchanan  Considerações iniciais A ...

Ver mais

O que aprender quando o futuro já era
Mauro Segura
Transformação
A minha experiência no ano passado mostrou que a história de viver cada dia como se fosse o último é uma baboseira. Aprendi que eu não preciso ter planos mirabolantes para ter uma vida digna, ...

Ver mais

MInha culpa é sua, camarada!
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
A tragédia do edifício que pegou fogo e desabou no Largo do Paissandu, em São Paulo, desvendou mais um bem bolado golpe; e golpe, novamente, travestido de “movimento social”: A máfia das invasões ...

Ver mais

Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Cafezinho 74 – O valor subjetivo
Os impostos estão lá sim, altíssimos, exorbitantes, mas ...

Ver mais

Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Cafezinho 73 – Estupidez Coletiva
Não interessa determinar o que é verdade e o que é ...

Ver mais

Cafezinho 72 – Fake News 1
Cafezinho 72 – Fake News 1
Quem julga o juiz?

Ver mais

Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Cafezinho 71 – Reenquadre o hater
Reenquadre o otário e ele vira ouro. Reenquadre a ...

Ver mais

Uma Segunda Chance

Uma Segunda Chance

Luciano Pires -


UMA SEGUNDA CHANCE


Abalado com a cara de pau dos políticos e técnicos que teimam em “não tomar decisões no calor da emoção”, comecei a escrever um texto sobre a violência nossa de cada dia. Subitamente senti que estava sendo repetitivo. E decidi dar uma revisada e publicar outra vez um texto meu de 2003. Veja que tristeza é a atualidade dele…


Terminei de ministrar minha palestra O MEU EVEREST e desci para cumprimentar algumas pessoas. No meio delas vi um rapaz que não me era estranho, um pouco mais novo que eu, de ascendência japonesa, calado, tímido, aguardando sua vez. Uma pessoa que estava com ele disse:
– Luciano, este é o Masataka Ota. O pai do Ives.
Entrei naquela confusão mental. O rosto… Os nomes… Até ver estampada na camiseta a imagem de um japonesinho, lindo, sorrindo.
Ives Ota. O garotinho que em 1997 foi barbaramente assassinado e depois enterrado na sala de uma casa, no bairro de Vila Carrão, aqui em São Paulo.
Era o pai dele que estava em pé, à minha frente, emocionado, cumprimentando-me pela decisão de dividir com outros a experiência única de minha viagem ao Everest. Ao abraçar aquele pai, imaginei o tamanho da dor que ele passou. Fiquei sem palavras, com um nó na garganta e incapaz de me expressar. Aquilo era insólito. O que poderia significar uma viagem, diante da perda de um filho?
Alguns dias depois, mais uma vez emudecido, vi e ouvi pela televisão um pai que perdeu uma filha, a Liana, barbaramente assassinada por um bando liderado por um bandido de apelido Champinha:
– Ela era uma pérola. Que levaram embora.
Mesmo chocado, suas palavras me soaram familiares. Aquela imagem disputada pelos programas sensacionalistas era mais um pai, que a mídia exploraria até aparecer outro caso violento envolvendo jovens de classe média. E quando ouvi pelo rádio, no enterro do Felipe, os amigos entre lágrimas, cantando suas músicas preferidas, não suportei. Emocionei-me como agora, ao escrever estas linhas.
Que horror essa sensação de impotência. De saber que não há palavras, gestos nem discursos que expliquem, justifiquem ou consolem.
Lembro-me de ficar impressionado com o brilho nos olhos de Masataka Ota enquanto ele contava que, tempos depois daquele período de sofrimento, sua esposa, que na teoria não podia mais ter filhos, veio com a notícia de que estava grávida. A criança nasceu, e todos se impressionaram com as semelhanças. Era o Ives de volta.
Eles tiveram uma segunda chance.
Não sei se os pais da Liana e do Felipe terão mais uma chance. Não sei se os parentes daquela família queimada dentro do automóvel em Bragança Paulista terão mais uma chance. Não sei se os pais do João Helio, que foi arrastado pelas ruas do Rio até morrer, terão mais uma chance.
Só sei que é preciso fazer algo para que nenhum pai, mãe, filho, avô, avó, marido, esposa ou amigo, precise de mais uma chance.
Chega de estupidez!