Artigos Café Brasil
#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

583 – A regra dos dois desvios
583 – A regra dos dois desvios
Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois ...

Ver mais

582 – Sobre transgressão
582 – Sobre transgressão
Alguns fatos recentes trouxeram à tona a discussão ...

Ver mais

581 – Carta aos jornalistas
581 – Carta aos jornalistas
Advogados erram. Treinadores erram. Mecânicos erram. ...

Ver mais

580 – O esquecimento do bem
580 – O esquecimento do bem
O Brasil continua de pé, apesar de todos os tropeços e ...

Ver mais

LíderCast 085 William Polis
LíderCast 085 William Polis
William é um daqueles empreendedores que a gente gosta: ...

Ver mais

LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LíderCast 084 Rodrigo Azevedo
LiderCast 084 – Rodrigo Azevedo – Rodrigo Azevedo é ...

Ver mais

LíderCast 083 Itamar Linhares
LíderCast 083 Itamar Linhares
Itamar Linhares é médico-cirurgião na cidade de ...

Ver mais

LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LíderCast 082 Bruno Soalheiro
LiderCast 082 – Bruno Soalheiro – Bruno criou a ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Mudança, inovação e o espírito conservador
Bruno Garschagen
Ciência Política
Mudei de casa recentemente. Muito mais do que necessário, mudei porque quis, porque considerei que seria melhor. Mudar é sempre, porém, um tormento. Embalar os pertences, transportá-los para ...

Ver mais

O pior dos pecados
Tom Coelho
Sete Vidas
“A conduta é um espelho no qual todos exibem sua imagem.” (Goethe)   Um renomado palestrante é contratado para fazer uma apresentação em um evento de uma multinacional. Porém, apenas uma ...

Ver mais

Gênese da corrupção
Tom Coelho
Sete Vidas
“(…) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (…) e indo-se para ...

Ver mais

Analfabetismo funcional
Tom Coelho
Sete Vidas
“Só a educação liberta.” (Epicteto)   O índice de reprovação no exame anual da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo, tem atingido a impressionante marca de 90%. Realizado em duas ...

Ver mais

Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Cafezinho 14 – A sala, o piano e a partitura
Mesmo uma obra de arte, só tem utilidade de houver uma ...

Ver mais

Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Cafezinho 13 – A sociedade da confiança
Quem confia nas leis não precisa quebrá-las.

Ver mais

Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Cafezinho 12 – Os tortos e os direitos
Eu sou direito. Quero tratamento diferente dos tortos.

Ver mais

Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Cafezinho 11 – Vergulho e Orgonha
Se tenho orgulho de meu país? Sim. Mas também tenho vergonha.

Ver mais

Um bosta

Um bosta

Luciano Pires -

Em 2015 palestrei num grande evento onde assisti uma apresentação do BNDES. Não me lembro se era evento do SEBRAE, mas a apresentação foi entusiasmante. Tava tudo lá: o banco criado para fomentar o empreendedorismo, que poderia garantir financiamento barato a quem quisesse se aventurar a construir um negócio. Até então a ideia que eu tinha do BNDES era do banco inacessível, feito para empresas grandes. Mas aquela apresentação me encantou. O BNDES era pra mim!

Estava lá , num dos primeiros slides: “Fundado em 1952, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é um dos maiores bancos de desenvolvimento do mundo e, hoje, o principal instrumento do Governo Federal para o financiamento de longo prazo e investimento em todos os segmentos da economia brasileira. Para isso, apoia empreendedores de todos os portes, inclusive pessoas físicas, na realização de seus planos de modernização, de expansão e na concretização de novos negócios, tendo sempre em vista o potencial de geração de empregos, renda e de inclusão social para o País.”

Quando voltei a São Paulo fui atrás, perguntei ao gerente do banco com o qual trabalho e ele me disse que poderia arranjar o contato. Não demorou, estavam os dois aqui na minha frente, o gerente do meu banco e o representante do BNDES. Contei a história do Café Brasil, mostrei o estúdio, expliquei que estava buscando meios para expandir o negócio e que o BNDES, pela apresentação que assisti, poderia ser a solução. Mostrei os planos e as ideias de investimento. De quanto eu precisava?

-Ah, uns R$ 500 mil reais dariam para botar o trem andando.

O cara do BNDES então começou a mostrar o que podia ser feito, que tamanho eu devia ter, que só podia ser para compra de equipamentos, que eu podia escolher o cartão BNDES, que a prestação de contas era um inferno burocrático… e no final concluiu:

– No seu caso, é melhor levantar o dinheiro com o seu banco aqui.

O gerente do banco então me mostrou o que podia fazer: talvez (atente para o talvez) um empréstimo garantido por um imóvel meu, igual a tudo que eu já havia visto por aí, com aqueles juros vampirescos, etc e tal.

Mas e o BNDES? E aquelas taxas de juros baixinhas? E aquele monte de dinheiro à minha disposição?

Esqueça. Não é para meu bico. Sou só um empreendedor brasileiro, que tem uma microempresa, que usa o Simples, que tem 2 funcionários. Não importam meus planos, não interessa o que pretendo ou como pretendo ser. Aquele dinheiro barato que o palestrante mostrou naquela apresentação não é para meu bico. Para ter acesso a ele você tem de ser grande. Faturar milhões. Gastar milhões. Ter milhares de empregados. Ser amigo das pessoas certas. E o mais importante: não precisar do empréstimo.

Aos milhares de pequenos empreendedores como eu sobra o quê? O banco, o “meu” banco, louco para me depenar enquanto jura que me ama.

Escrevo estas linhas no momento em que recebo a notícia de que Eike Batista, procurado pela Polícia Federal por suspeita de lavagem de 100 milhões de dólares, foi avisado da batida policial e se mandou para Nova Iorque, onde estaria hospedado no apartamento de um renomado advogado carioca na Trump Tower.

Naquele mesmo 2015 da apresentação sobre o BNDES que me animou, Eike foi convocado para falar na Câmara dos Deputados sobre a situação dos R$ 10 bilhões em financiamentos obtidos por seu Grupo EBX, que faliu em 2013.

O BNDES deu 10 bilhões pra ele.

Parece que estou ouvindo os dois gerentes quando saíram do meu escritório:

– Mas é um bosta mesmo.