Artigos Café Brasil
Palestra O Meu Everest
Palestra O Meu Everest
Meu amigo Irineu Toledo criou um projeto chamado ...

Ver mais

Brazilian Rhapsody
Brazilian Rhapsody
O pessoal da Chinchila fez uma paródia de Bohemian ...

Ver mais

O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts
O Guia do Anunciante em Podcasts traz informações ...

Ver mais

Bandidos Na TV
Bandidos Na TV
Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que ...

Ver mais

691 – Os agilistas
691 – Os agilistas
Conversei com o Marcelo Szuster no LíderCast 175, um ...

Ver mais

690 – Vale quanto?
690 – Vale quanto?
Cara, você aceita pagar pelo ingresso de um show a ...

Ver mais

689 – A Missão
689 – A Missão
De quando em quando publicamos no Café Brasil a íntegra ...

Ver mais

688 – Doar órgãos é doar vida
688 – Doar órgãos é doar vida
A doação de órgãos é um ato de generosidade, é o ...

Ver mais

LíderCast 178 – Tristan Aronovich
LíderCast 178 – Tristan Aronovich
Ator, músico, escritor, diretor e produtor de cinema, ...

Ver mais

LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
LíderCast 177 – Rodrigo Ricco
CEO da Octadesk, empresa focada na gestão de ...

Ver mais

LíderCast 176 – Willians Fiori
LíderCast 176 – Willians Fiori
Professor, podcaster e profissional de marketing e ...

Ver mais

LíderCast 175 – Marcelo Szuster
LíderCast 175 – Marcelo Szuster
O cara do “Business Agility", que trata da capacidade ...

Ver mais

Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Cafezinho Live – Como será o Brasil com Bolsonaro
Um bate papo entre Adalberto Piotto, Carlos Nepomuceno ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

A chave de fenda
Chiquinho Rodrigues
Toninho Macedo era um daqueles músicos de fim de semana. Amava música e tocava seu cavaquinho “de brincadeira” (como ele dizia) aos sábados e domingos em uma banda de pagode ali do bairro onde ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Morfologia Sincategoremática (parte 6)
Alexandre Gomes
A MORFOLOGIA SINCATEGOREMÁTICA se refere a PALAVRAS que só tem significado quando associadas a outras PALAVRAS.   Bom, se tais palavras se referente a outras palavras, então as funções delas ...

Ver mais

Vilmoteca
Chiquinho Rodrigues
Ser músico e ter viajado por esse imenso Brasil são dádivas que agradeço todo dia ao Papai do Céu! Ter colecionado experiências e conhecido os mais variados tipos de malucos acabaram fazendo de ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 3 – Palavras Atributivas: verbos, advérbios e adjetivos (parte 5)
Alexandre Gomes
Continuando a tratar de VERBOS, irei expor agora sobre as classes de verbos:   TRANSITIVOS: aqueles que expressam uma ação que começa no sujeito (agente) e “vai até” (trans + ire) o objeto ...

Ver mais

Cafezinho 229 – Manicômio Legal
Cafezinho 229 – Manicômio Legal
O manicômio legal no qual estamos presos.

Ver mais

Cafezinho 228 – O medo permanente
Cafezinho 228 – O medo permanente
Enquanto destruíam nosso sistema de justiça criminal ...

Ver mais

Cafezinho 227 – Paralisia por análise
Cafezinho 227 – Paralisia por análise
A falta de experiência e repertório dessa moçada ...

Ver mais

Cafezinho 226 – O MCSC
Cafezinho 226 – O MCSC
Um movimento que independe de partidos, de políticos, ...

Ver mais

UFC no STF

UFC no STF

Luciano Pires -

Escrevi um texto sobre a Ética da Agressão, no qual comentei sobre a situação atual no Brasil quando parece aumentar a quantidade de pessoas que não conseguem argumentar e apelam para o xingamento e desqualificação dos interlocutores. Mas existem momentos em que o confronto, mais que esperado, é necessário.

Na retomada do julgamento do mensalão, em Agosto de 2013, assistimos a mais um confronto entre o Presidente do STF, Ministro Joaquim Barbosa, e seu colega Ricardo Lewandowski. A razão é conhecida por todos: Levandowski age como advogado de defesa dos réus, tentando de qualquer forma encontrar meios de reduzir suas penas, para isso até mesmo revendo votos já dados ou criando interpretações marotas para leis. Joaquim Barbosa, já cansado das malandragens de Lewandowski, o interpelou de forma dura, acusando-o de querer fazer “chicanas”. Aconteceu então uma áspera discussão que se prolongou nos bastidores. Chicana, no mundo Jurídico, quer dizer dificuldade criada pela apresentação de um argumento com base em um detalhe ou ponto irrelevante; abuso dos recursos, sutilezas e formalidades da justiça; trapaça, tramóia. A dura interpelação de Barbosa custou-lhe críticas. Ele foi chamado de intempestivo, descontrolado, mal humorado, desequilibrado, que age em desacordo com a liturgia de seu cargo, etc. E várias entidades vieram a público com desagravos ao pobre Lewandowski, que foi maltratado pelo malvado Joaquim.

Na década de 1990, Rorion Gracie criou nos EUA um campeonato onde lutadores de várias modalidades se enfrentavam praticamente sem limites. Era o Vale Tudo, que tinha por intenção mostrar que o Jiu-Jitsu, especialidade dos Gracies, tinha supremacia sobre qualquer outro estilo de luta. Mais tarde o Vale Tudo se transformou no UFC – Ultimate Fight Championship. Naquela época, os lutadores do UFC eram especialistas. Embora hoje os especialistas estejam em baixa, ainda há lutadores que têm como ponto forte a “trocação”, a porrada. Saem batendo, chutando, dando cotoveladas, e algumas vezes conseguem nocautear o adversário. É sempre um espetáculo violento, não raro com o ringue cheio de sangue, o que leva a platéia ao delírio e choca os que não conseguem engolir tanta violência.

Já o Jiu-Jitsu é uma arte suave. Não tem porrada. É saber aproveitar movimentos leves, sinuosos, que acabam levando à submissão do adversário. Sem sangue, sem violência.

Joaquim Barbosa é um trocador num ambiente do Jiu-Jitsu, faz barulho, tira sangue, nocauteia o adversário. É tudo menos suave. Gosta mesmo é de trocação. É um pugilista, um lutador de Muay-Thai, esse é seu estilo, no qual se sente bem. Quando acerta o ponto, é nocaute. Mas tem gente que fica indignada com a brutalidade, a violência.

O maior campeão de Jiu-Jitsu no UFC foi Royce Gracie, que bateu adversários muito mais fortes, pesados e agressivos, por vários anos. Até encontrar especialistas em trocação que treinaram Jiu-Jitsu. Então a arte suave deixou de ter supremacia. Ganha quem se especializa em várias modalidades, que dá porrada quando precisa e parte para a arte suave quando necessário.

Eu gosto do estilo do Joaquim Barbosa. Acho que falta ao Brasil gente assim, que chama as coisas pelo nome que elas têm, que explode quando se sente tratado como idiota. Que parte para a porrada quando acha que é preciso.

Para ficar no ponto, só falta treinar Jiu-Jitsu.

Só então os confrontos necessários realmente valerão a pena.

Luciano Pires