Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 12 – The Dark Side Of The Moon
Olha, este é outro daqueles programas de sonho, ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 11 – Qual é seu propósito?
Eu acho que você já deve ter sido questionado sobre ...

Ver mais

Café Brasil 718 – No lugar do outro
Café Brasil 718 – No lugar do outro
É nos momentos de tempestade, de crise, quando não há ...

Ver mais

Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Café Brasil Especial – Heróis da Saúde 10 – Va Pensiero
Sempre tivemos um sonho trazer ópera para o Café ...

Ver mais

LíderCast 200 – Marcio Ballas
LíderCast 200 – Marcio Ballas
Apresentador de televisão, ator e palhaço profissional. ...

Ver mais

LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
LíderCast 199 – Ricardo Corrêa
Empreendedor, fundador da Ramper, uma conversa ...

Ver mais

LíderCast 198 – Hélio Contador
LíderCast 198 – Hélio Contador
Ex-executivo de grandes empresas do setor automotivo, ...

Ver mais

LíderCast 197 – Luciana Cardoso
LíderCast 197 – Luciana Cardoso
A jovem executiva que coordena um dos grandes desafios ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Minuto da Produtividade 1 – A arte de dizer não!
Produtividade é a arte de dizer NÃO!

Ver mais

QI, educação e literatura
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O QI médio em praticamente todos os países do mundo cresceu muito nos últimos 100 anos.   Na Alemanha e nos EUA, o crescimento do QI médio foi de mais de 30 pontos. No Quênia e na Argentina, foi ...

Ver mais

Perfeccionismo só é defeito quando mal utilizado
Henrique Szklo
Iscas Criativas
Ao ser questionada sobre quais são seus defeitos, muita gente coloca, envergonhadamente, o perfeccionismo como um dos mais tóxicos, como está na moda dizer. Muitos, inclusive, culpam este ...

Ver mais

A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia?
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A economia criativa pode ser essencial para o pós-pandemia? “… as crises econômicas inevitavelmente dão origem a períodos críticos em que uma economia é refeita para que possa recuperar-se ...

Ver mais

Samba no céu
Chiquinho Rodrigues
Por volta dos anos 90 a Som Livre lançou um álbum com o infeliz nome de “Samba no Céu”. Eu me lembro de alguns nomes como Elis, Cartola, Pixinguinha, Gonzaguinha e outros artistas que já haviam ...

Ver mais

Cafezinho 284 – A polarização de araque
Cafezinho 284 – A polarização de araque
Assistir a rinha de galos diária tem o mesmo efeito que ...

Ver mais

Cafezinho 283 – COVID 20
Cafezinho 283 – COVID 20
Precisamos reconhecer quem fez um bom trabalho e punir, ...

Ver mais

Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Cafezinho 282 – O cochilo de 50 anos
Passada a pandemia, teremos de ser ainda mais ...

Ver mais

Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Cafezinho 281 – O freestyle cognitivo
Você aí no seu pedaço tem valor, viu? E faz coisas que ...

Ver mais

UFC no STF

UFC no STF

Luciano Pires -

Escrevi um texto sobre a Ética da Agressão, no qual comentei sobre a situação atual no Brasil quando parece aumentar a quantidade de pessoas que não conseguem argumentar e apelam para o xingamento e desqualificação dos interlocutores. Mas existem momentos em que o confronto, mais que esperado, é necessário.

Na retomada do julgamento do mensalão, em Agosto de 2013, assistimos a mais um confronto entre o Presidente do STF, Ministro Joaquim Barbosa, e seu colega Ricardo Lewandowski. A razão é conhecida por todos: Levandowski age como advogado de defesa dos réus, tentando de qualquer forma encontrar meios de reduzir suas penas, para isso até mesmo revendo votos já dados ou criando interpretações marotas para leis. Joaquim Barbosa, já cansado das malandragens de Lewandowski, o interpelou de forma dura, acusando-o de querer fazer “chicanas”. Aconteceu então uma áspera discussão que se prolongou nos bastidores. Chicana, no mundo Jurídico, quer dizer dificuldade criada pela apresentação de um argumento com base em um detalhe ou ponto irrelevante; abuso dos recursos, sutilezas e formalidades da justiça; trapaça, tramóia. A dura interpelação de Barbosa custou-lhe críticas. Ele foi chamado de intempestivo, descontrolado, mal humorado, desequilibrado, que age em desacordo com a liturgia de seu cargo, etc. E várias entidades vieram a público com desagravos ao pobre Lewandowski, que foi maltratado pelo malvado Joaquim.

Na década de 1990, Rorion Gracie criou nos EUA um campeonato onde lutadores de várias modalidades se enfrentavam praticamente sem limites. Era o Vale Tudo, que tinha por intenção mostrar que o Jiu-Jitsu, especialidade dos Gracies, tinha supremacia sobre qualquer outro estilo de luta. Mais tarde o Vale Tudo se transformou no UFC – Ultimate Fight Championship. Naquela época, os lutadores do UFC eram especialistas. Embora hoje os especialistas estejam em baixa, ainda há lutadores que têm como ponto forte a “trocação”, a porrada. Saem batendo, chutando, dando cotoveladas, e algumas vezes conseguem nocautear o adversário. É sempre um espetáculo violento, não raro com o ringue cheio de sangue, o que leva a platéia ao delírio e choca os que não conseguem engolir tanta violência.

Já o Jiu-Jitsu é uma arte suave. Não tem porrada. É saber aproveitar movimentos leves, sinuosos, que acabam levando à submissão do adversário. Sem sangue, sem violência.

Joaquim Barbosa é um trocador num ambiente do Jiu-Jitsu, faz barulho, tira sangue, nocauteia o adversário. É tudo menos suave. Gosta mesmo é de trocação. É um pugilista, um lutador de Muay-Thai, esse é seu estilo, no qual se sente bem. Quando acerta o ponto, é nocaute. Mas tem gente que fica indignada com a brutalidade, a violência.

O maior campeão de Jiu-Jitsu no UFC foi Royce Gracie, que bateu adversários muito mais fortes, pesados e agressivos, por vários anos. Até encontrar especialistas em trocação que treinaram Jiu-Jitsu. Então a arte suave deixou de ter supremacia. Ganha quem se especializa em várias modalidades, que dá porrada quando precisa e parte para a arte suave quando necessário.

Eu gosto do estilo do Joaquim Barbosa. Acho que falta ao Brasil gente assim, que chama as coisas pelo nome que elas têm, que explode quando se sente tratado como idiota. Que parte para a porrada quando acha que é preciso.

Para ficar no ponto, só falta treinar Jiu-Jitsu.

Só então os confrontos necessários realmente valerão a pena.

Luciano Pires