Artigos Café Brasil
Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

É tudo soda
É tudo soda
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

A selhófrica da pleita
A selhófrica da pleita
Isca intelectual de Luciano Pires tratando do nonsense ...

Ver mais

Freestyle
Freestyle
Isca Intelectual de Luciano Pires dizendo que quando ...

Ver mais

575 – As horas
575 – As horas
Quem segue o Café Brasil sabe da fascinação que temos ...

Ver mais

Café Brasil Curto 20 – Acho por acho
Café Brasil Curto 20 – Acho por acho
Não queira ser mestre sem antes ser discípulo.

Ver mais

Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Café Brasil Curto 19 – Mudar por discurso?
Aceitemos a luz. E paremos com essa bobagem do "sempre ...

Ver mais

574 – Os agoristas
574 – Os agoristas
Café Brasil 574 - Os agoristas. Vivemos no presente, ...

Ver mais

LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 Waldey Sanchez
LíderCast 077 – Waldey Sanches - Waldey Sanches é um ...

Ver mais

LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 Raquel e Leo Spencer
LíderCast 076 – Raquel e Leo Spencer – A Raquel e o ...

Ver mais

LíderCast 075 Renato Seraphin
LíderCast 075 Renato Seraphin
Renato Seraphin é presidente da Albaugh, uma empresa do ...

Ver mais

LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 Camila Achutti
LíderCast 074 – Camila Achutti é uma jovem e muito bem ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

37 não é febre
Tom Coelho
Sete Vidas
“Nada mais comum do que julgar mal as coisas.” (Cícero)   “Filha, leve um agasalho, pois vai esfriar.” “Querido, lembre-se de seu guarda-chuva; parece que vai chover…” “Não vá tomar ...

Ver mais

Lições de viagem 10
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Lições de viagem 10 Itália  Penso che un sogno così non ritorni mai più mi dipingevo le mani e la faccia di blu poi d’improvviso venivo dal vento rapito e incominciavo a volare nel cielo ...

Ver mais

Gente do bem
Tom Coelho
Sete Vidas
“Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos, 12:21)   Em meio ao trânsito desordenado, um motorista gentilmente cede-me passagem. Visito um ex-professor na faculdade ...

Ver mais

Homenagem aos Economistas 2017
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Homenagem aos Economistas 2017 Memoráveis citações “Quando foi criada a Faculdade de Ciências Econômicas da USP, em 1945, eu decidi fazer Economia. Fiquei muito feliz com a Economia, me ajustei ...

Ver mais

Tudo Igual

Tudo Igual

Luciano Pires -

Há uns cinco anos realizei uma pesquisa sobre a qualidade da comunicação no segmento de autopeças do Brasil. A conclusão foi antológica. Lembro-me da moça que apresentou o resultado, uma pesquisadora com muitos anos de experiência:

– A propaganda do segmento de autopeças é uma merda. O nível de exigência do público ao qual ela se dirige é uma merda. Vocês se merecem…

Lembrei-me disso quando esta semana, por telefone, uma mulher identificou-se como representante de uma empresa de pesquisas querendo levantar informações sobre a imagem e atributos ligados a empresas financeiras. Bancos. Achei a proposta curiosa e concordei. A moça queria saber se eu me lembrava de alguma propaganda de bancos na televisão, jornais e revistas. Eu disse que até me lembrava, mas não saberia dizer qual empresa assinava. E ela começou a descrever as propagandas:

– Olha, a propaganda do banco X mostra uma mãe com seu bebê, o pai chegando e mostrando a chave do carro novo e todos felizes. O banco realiza seus sonhos. O que é que o senhor acha dessa propaganda?

– Bonitinha.

– Então veja a do banco Y. O rapaz feliz com seu primeiro emprego, a moça abrindo seu primeiro negócio. Quer dizer que o banco proporciona às pessoas as condições para que suas vidas profissionais tornem-se bem sucedidas. O que o senhor acha?

– Bonitinha.

– Bom, tem também a do banco Z, que mostra um velhinho jogando vôlei e uma velhinha fazendo ginástica na piscina. E os netos chegando para almoçar com eles. Mostra que o banco pensa no futuro das pessoas. O que o senhor acha?

– Bonitinha.

– Mas qual delas mais agradou ao senhor?

E eu expliquei. Os bancos usam apelos emocionais tentando ganhar-me pelo coração. Mas eu não quero nada emocional com bancos. Quero pragmatismo. Assim como o banco quer o meu dinheiro. Mostrar crianças correndo, mamães sorridentes, velhinhos ativos ou executivos felizes para mim não traz nenhuma proposta de valor. O banco quer minha grana, mais que minha felicidade. E eu jamais escolheria um banco pelo comercial que me fez chegar às lágrimas.
Em seguida usei o exemplo das cervejas. Experimente trocar os logotipos das propagandas de cerveja pra ver o que acontece. Se botar o da Brahma no da Kaiser, o da Antarctica no da Schincariol, o que acontece? Nada. É tudo igual, o mesmo discurso, a mesma falta de argumentos, os mesmos filminhos engraçadinhos. Parece que não se faz mais propaganda no Brasil. Faz-se cinema.
Os bancos, as cervejarias, as telefônicas, montadoras, supermercados e cadeias de lojas populares gastam bilhões de reais por ano para ficarem… iguais. A propaganda é igual, a mensagem é a mesma, mas o discurso dos marqueteiros é o máximo.  E, pensando bem, acho que aquilo que a pesquisadora do segmento de autopeças disse anos atrás vale hoje para todo o mercado: a propaganda está toda igual. O nível de exigência do público está todo igual. Ambos se merecem…
Quer saber? Nenhum anúncio milionário substitui o sorriso que a gerente do meu banco não me deu.