Artigos Café Brasil
Terezinha de Santana
Terezinha de Santana
Isca Intelectual de Luciano Pires propondo uma reflexão ...

Ver mais

O pacto dos canalhas
O pacto dos canalhas
Isca Intelectual de Luciano Pires sobre o grande mal ...

Ver mais

A colheita
A colheita
isca intelectual de Luciano Pires, sobre um Brasil que ...

Ver mais

Pelo exemplo
Pelo exemplo
Isca intelectual de Luciano Pires sobre gestão. Todo ...

Ver mais

562 – Orgulho de ser corrupto
562 – Orgulho de ser corrupto
Podcast Café Brasil 562 - Orgulho de ser corrupto. ...

Ver mais

561 – Intueri
561 – Intueri
Podcast Café Brasil 561 - Intueri. Às vezes você tem a ...

Ver mais

560 – Welcome to the Hotel California
560 – Welcome to the Hotel California
Podcast Café Brasil 560 - Hotel Califórnia. O programa ...

Ver mais

559 – Vida de vampiro
559 – Vida de vampiro
Podcast Café brasil 559 - Vida de vampiro. Ainda na ...

Ver mais

LíderCast 070 – Alexandre Barroso
LíderCast 070 – Alexandre Barroso
Hoje conversamos com Alexandre Barroso, num programa ...

Ver mais

LíderCast 069 – Panela Produtora
LíderCast 069 – Panela Produtora
Hoje converso com Daniel, Filipe, Janjão e Rhaissa ...

Ver mais

LíderCast 068 – Gilmar Lopes
LíderCast 068 – Gilmar Lopes
Hoje converso com Gilmar Lopes, que de pedreiro se ...

Ver mais

LíderCast 067 – Roberto Caruso
LíderCast 067 – Roberto Caruso
Hoje conversamos com Roberto Caruso, um empreendedor ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Viajar perdeu a graça
Raiam Santos
O título chamou a atenção né? Pô, Raiam… viajar não era a melhor coisa do mundo? Depende! Meu trabalho aqui nesse site é desconstruir mitos. Já desconstruí a “empresa” do filho ...

Ver mais

O lado negro de fazer networking
Raiam Santos
Esses dias, eu tava assistindo uma entrevista entre o Brian Johnson do site Philosopher’s Notes e o Cal Newport. Cal Newport é um PhD pica das galáxias formado no MIT que hoje dá aula de ...

Ver mais

Assuma o Brasil de vez
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Isca intelectual de Adalberto Piotto, No Brasil, tem coisas que só acontecem no Brasil.

Ver mais

A mentalidade da caixa preta
Raiam Santos
Fiquei um tempinho distante do MundoRaiam porque estava em “Modo Buda” focado 100% na produção do meu quinto livro CLASSE ECONÔMICA: PAÍSES BALCÃS. Agora que o livro já tá na mão da ...

Ver mais

Três Cês

Três Cês

Luciano Pires -

Outro dia escrevi um artigo falando da dificuldade que é lidar com o volume de informação que nos esmaga diariamente, e com a incompetência que as fontes dessas informações têm em tornálas acessíveis e inteligíveis para o interessado.

Mas tem um outro problema, que é tão ou mais importante: a confusão que todos fazemos entre DADOS e INFORMAÇÃO. Dados normalmente são números frios que, trabalhados e colocados em perspectiva, podem transformar-se em informação. Mas quem deveria fazer com que isso aconteça, não faz.

Trabalhamos olhando para dados perdidos, fora de contexto ou não relacionados e tomamos decisões sem embasamento, na maioria das vezes usando a velha intuição. Falta de tempo? Não.

Falta de cultura? Sim. Falta de experiência? Sim. Falta de capacidade? Sim.

Repare só na sua empresa: como é que são feitas as previsões de vendas? Ou de crescimento de mercado? Ou de participação de mercado? Não tem sempre alguém que bota um “”…eu acho””?

Pois é.

E se os dados que ele viu são ruins, o “”eu acho”” dele é ruim. Se os dados são bons, o “”eu acho”” dele é bom. Mas continuam sendo “”eu achos””.

Eu tive um chefe, o Paulo Regner, que dizia com muita propriedade: “”Acho por acho, acho eu que sou mais que tu””.

É dessa forma que surgem os apagões: das avaliações apressadas, sem base, no achismo.

Culpa de quem acha? Sim.

Mas culpa também de quem pensa estar disponibilizando informações, mas na verdade está fornecendo dados.

Dados e informações mal distribuídos. Fora de contexto. Complexos, ininteligíveis e frios. E raramente recebemos ou damos atenção ao retorno de nosso público-alvo.

Bem-vindos ao Brasil.

Pessoalmente, quebrei a cuca durante anos para entender como tratar esse problema. Acabei desenvolvendo um plano que chamo de C3. Procuro fazer com que minha equipe focalize seus esforços nos “” três cês”” que usei como título deste artigo.

O primeiro C é de COMUNICAÇÃO. Da necessidade que temos de fazer com que os canais de comunicação múltiplos sejam integrados, que sejam mãos de duas vias, que levem a informação para fora mas tragam-na para dentro também. Que sejam um canal para falar aos interlocutores (clientes, fornecedores, empregados, etc.), mas para ouvi-los também. E com a internet, isso ficou muito mais fácil. Está até ganhando um nome mais pomposo: conectividade. Ainda bem que é com “”cê””.

O segundo C é de CONTEÚDO. Esse é o maior desafio. Temos de interpretar os dados e transformálos numa história fluente, com começo, meio e fim. Com humor, com inteligência, com consistência. Algo que instigue o leitor, que chame a atenção, que traga embutido um valor que ele certamente saberá apreciar. Experimente ler os textos constantes em seu catálogo de produtos, na sua página de internet, no seu relatório anual. Provavelmente você vai ver o outro lado: como NÃO fazer…
Textos longos, chatíssimos, sem humor, sem relevância, focados no próprio umbigo, sem apelo…

O terceiro C é de COLABORAÇÃO. Construir uma rede de relacionamentos que proporcione as fontes de informação para seu trabalho. Fontes que preservamos e respeitamos e que garantem a riqueza de dados que transformaremos em informação.
Como é que isso se traduz para o nosso dia-a-dia? Na relação fornecedor – cliente?
Experimente pensar sobre o relacionamento com seus clientes, seus fornecedores, sob a ótica da colaboração. Com certeza, a maioria daquilo que você pensou que era colaboração não passará da troca simples e fria de dados…
Colaboração é mais que isso. É construir e compartilhar o sucesso e o fracasso. E nós, brasileiros, estamos longe disso. Os gringos também, mas eles são mais espertos. Criam as tendências atrás das quais nós saímos correndo…

Esses “”cês”” estão interligados. Comunicação sem conteúdo é perda de tempo. Conteúdo sem colaboração envelhece. Colaboração sem comunicação inexiste.
Os três implicam numa incessante busca por interatividade, por riqueza de informação, por fornecer algo que AGREGUE VALOR aos nossos interlocutores.

Só assim vamos nos diferenciar, pela inteligência, no mar de mediocridade que assola nosso mercado, nossa comunidade, nosso país.