Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Tô de olho no sinhô!

Tô de olho no sinhô!

Luciano Pires -

O jornal O Estado de São Paulo divulgou pesquisa do Ibope sobre a simpatia do eleitor por partidos políticos. Em 20 anos, de junho de 1988 até maio de 2007, uma das curvas permaneceu estável: 40% dos eleitores não simpatizavam com partido algum. Mas nas pesquisas de 2010 e 2012 a curva mudou de tendência e cresceu para 50% e 56% respectivamente. E agora em 2013, depois do mensalão e das loucuras que aconteceram e ainda estão por vir, a curva deve subir mais um pouco.

Por volta de 1982 o PMDB tinha a simpatia de 25% dos eleitores, caindo para 5% em 2012. O PSDB, que vinha de 10% em 1994, chegou a 5% em 2012. O PT, que vinha de 15% entre 1998 e 2000 e subiu para 33% entre 2002 e 2003, terminou 2012 com 24%. Enquanto isso Lula e Dilma alcançavam índices de popularidade excepcionais, mostrando que o brasileiro descola a figura do governante dos partidos de onde eles vêm.

Enquanto isso, a maior empresa de relações públicas do mundo, a Edelman, divulgou a edição 2013 da pesquisa que ela realiza desde 1998, o “Trust Barometer”. Ela entrevistou mais de 31.000 formadores de opinião em 26 países, examinando o índice de confiança em quatro instituições: governo, negócios, mídia e ONGs. Em 2011 o Brasil estava em primeiro lugar na lista, com um índice espetacular de 80% de confiança nas quatro instituições. Em 2012 caímos para 14º lugar, com 51%, subindo em 2013 para 12º com 55%.

Na edição de 2013 (que você encontra aqui: http://bit.ly/VjDa7j) , a avaliação global da capacidade de ação dos governantes revelou que 85% dos participantes acreditam que eles são incapazes de resolver os problemas sociais; 86% acham que são incapazes de tomar decisões éticas e morais, e 87% acham que jamais falam a verdade sobre questões complexas ou impopulares.

Há que se mergulhar profundamente na pesquisa para tirar conclusões que sirvam de reflexão sobre quais os caminhos da sociedade, mas de imediato dá para sacar que existe uma clara distinção entre “confiar no governo” e “confiar nos governantes”. A pesquisa da Edelman mostrou que, globalmente, 41% dizem confiar no governo, mas apenas 13% confiam nos governantes. E como confiança, simpatia ou popularidade não são a mesma coisa, fica evidente que existe um claro processo de destruição de valor em andamento. O resultado é uma transição da confiança: a pesquisa mostra que a maioria dos respondentes considera uma pessoa comum ou um professor, duas vezes mais confiável que um governante, o que abre uma avenida bem pavimentada para as redes sociais em relação às ruas esburacadas das mídias tradicionais.

Isso dá pano pra manga. Essa reflexão me trouxe à lembrança o humorista Clayton Silva, que faleceu nos primeiros dias de 2013. Era dele o personagem da Praça é Nossa que usava o bordão:

– Tô de olho no sinhô.

O recado para os políticos é claro: continuem assim que uma hora o caldo entorna.

Luciano Pires