Artigos Café Brasil
O desengajamento moral
O desengajamento moral
Isca intelectual de Luciano Pires sobre o ...

Ver mais

O ridículo
O ridículo
Isca intelectual de Luciano Pires pra incomodar: será ...

Ver mais

Quando um não quer.
Quando um não quer.
Isca intelectual de Luciano Pires com um exemplo de ...

Ver mais

Um bosta
Um bosta
Isca intelectual de Luciano Pires lembrando que ...

Ver mais

549 – Os quatro compromissos
549 – Os quatro compromissos
Podcast Café Brasil 549 - Os quatro compromissos. Cara, ...

Ver mais

548 – O efeito borboleta
548 – O efeito borboleta
Podcast Café Brasil 548 - O efeito borboleta. Você já ...

Ver mais

547 – Sobre desigualdade
547 – Sobre desigualdade
Podcast Café Brasil 547 - Sobre desigualdade. O tema da ...

Ver mais

546 – Só por hoje
546 – Só por hoje
Podcast Café Brasil 546 - Só por hoje. Adicção é o ...

Ver mais

LíderCast 056 – Paula Miraglia
LíderCast 056 – Paula Miraglia
LiderCast 056 - Hoje conversaremos com Paula Miraglia, ...

Ver mais

LíderCast 055 – Julia e Karine
LíderCast 055 – Julia e Karine
LiderCast 055 - Hoje vamos conversar com duas jovens ...

Ver mais

LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LíderCast 054 – Rodrigo Dantas
LiderCast 054 - Hoje vamos falar com o empreendedor ...

Ver mais

LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LíderCast 053 – Adalberto Piotto
LiderCast 053 - Hoje vamos entrevistar Adalberto ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata T02 07
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 07 Se a sua ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata T02 06
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 06 Em seu dia a ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata T02 05
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 05 Começo esta ...

Ver mais

Desafiando a Zona de Conforto
Mauro Segura
Transformação
Como podemos superar os nossos receios de tomar riscos? Como podemos mudar o curso da nossa história? A decisão de mudar é meramente individual. Aqui Mauro Segura conta algumas histórias e dá ...

Ver mais

Especial é o seu bolso, não o cheque
Tom Coelho
Sete Vidas
“Você não fica rico com o que ganha; fica rico com o que poupa.” (Yoshio Teresawa)   Crédito de cheque especial lembra visita de parentes distantes. Eles chegam quase sem avisar para um ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo
Bruno Garschagen
Ciência Política
Isca Intelectual de Bruno Garschagen. O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos temas fundamentais para a segurança da sociedade.

Ver mais

Carnaval: síntese da economia criativa
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Carnaval: síntese da economia criativa “A ‘Cadeia Produtiva do Carnaval’ pode ser traduzida num conceito formal de ‘Economia Criativa e Multidisciplinar’, pois lida com a interface entre ...

Ver mais

Therezinha De Jesus

Therezinha De Jesus

Luciano Pires -


THEREZINHA DE JESUS


Dia 21 de novembro de 1981 me casei. E em algum momento imaginei como eu estaria vinte e cinco anos depois. Me imaginei pai. Me imaginei com cinqüenta anos. Me imaginei morando em minha casa própria… Nem sei se imaginei como seriam minhas bodas de prata. Será que eu estaria bem? Será que ainda estaria casado? Onde será que eu estaria morando? Como seriam meus filhos? Eu estaria bem de vida? Trabalhando onde? Difícil imaginar, não é? Para um jovem recém-casado, o futuro fica distante demais diante das expectativas do presente.
A única certeza que eu tinha era de que estaria rodeado pela família. Afinal, sempre tinha sido assim e vinte e cinco anos depois não seria diferente. Pois foi assim mesmo. Dia 21 de novembro de 2006, passei meus vinte e cinco anos de casamento rodeado da família. Filhos, sobrinhos, tios, primos e pais. Mas não foi como imaginei…
Meus vinte e cinco anos de casamento foram marcados pelo falecimento, velório e sepultamento de minha sogra a Dona Thereza, aos 74 anos. Dona Thereza estava debilitada, com problemas de saúde que a levaram a internação por duas vezes num intervalo de dez dias. Na segunda vez, o coração não resistiu. E quis o destino – ou ela – que fosse no dia das minhas bodas de prata. E passei por aquela enxurrada de sensações e sentimentos que nos afoga quando acompanhamos nossos filhos da primeira vez que enfrentam a morte repentina de um ente próximo e querido. Como consolar aquelas lágrimas tão jovens e doídas? Que resposta dar a uma adolescente que aos prantos diz:
– Eu rezei tanto pra Deus! Tanto…
Como encarar as lágrimas de netos que perderam a avó, que os queria tão bem e deixava isso claro a cada encontro, a cada olhar, a cada gesto?
Dona Thereza era a pastora que não deixava que as ovelhas escapassem. Quando percebia que uma estava arredia, tratava de trazer de volta para o rebanho. Como a maioria das mães, era a cola que mantinha a família unida.
No velório, chamava atenção a imagem de Jesus Cristo no caixão. Dona Thereza gostava muito dele.
Mas como é difícil “cair a ficha”…
Como toda família, a nossa também tinha rotinas em torno do pai e da mãe, do Vô e da Vó. Natal, aniversários e datas especiais eram em Bauru, todo mundo hospedado na casa da vó Thereza.
Agora, acabou.
E é preciso lembrar a cada segundo que… acabou. Ensinar o cérebro a aceitar algo que parece impossível. As pessoas que a gente ama não vão morrer nunca. Quem morre são os parentes dos outros. Os nossos, jamais. E quando isso acontece, a gente não aceita. Não aprendemos a viver sem referências.
No entanto… Não aceitar a morte é não aceitar a vida. Precisamos da perspectiva da morte para viver intensamente cada segundo de nossas vidas. E isso torna a morte nossa “cúmplice” e não inimiga. Você consegue pensar assim? Eu tô tentando. Mas tá difícil.
Minhas bodas de prata passaram e 21 de novembro virou data esquisita. De festa e de saudades. Pra rir e pra chorar. De alegria e de tristeza.  
Therezinha não é mais do Perez, da Mar, do Gui, da Deni, do Lu, da Lilian, do Dani, da Ju, da Gabi e do Vini.
Therezinha é de Jesus.