Assine o Café Brasil
Artigos Café Brasil
Por que eu?
Por que eu?
Ela foi a primeira mulher a assumir publicamente que ...

Ver mais

Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro
Cobertor de solteiro. Isca intelectual de Luciano Pires ...

Ver mais

O véinho
O véinho
Isca intelectual de Luciano Pires que pergunta: que ...

Ver mais

Pluralidade narrativa 2
Pluralidade narrativa 2
Revendo uma Isca Intelectual de Luciano Pires que tenta ...

Ver mais

537 – VAMO, VAMO CHAPE
537 – VAMO, VAMO CHAPE
Podcast Café Brasil 537 - Vamo,vamo, Chape. Este é um ...

Ver mais

536 – A política da pós-verdade
536 – A política da pós-verdade
Podcast Café Brasil 536 - A política da pós-verdade. ...

Ver mais

535 – Hallelujah
535 – Hallelujah
Podcast Café Brasil 535 - Hallelujah. Poucos dias atrás ...

Ver mais

534 – Labfazedores
534 – Labfazedores
Podcast Café Brasil 534 - Labfazedores. Luciano Pires é ...

Ver mais

LíderCast 050 – Bia Pacheco
LíderCast 050 – Bia Pacheco
LiderCast 050 - Hoje vamos conversar com Bia Pacheco, ...

Ver mais

LíderCast 051 – Edu Lyra
LíderCast 051 – Edu Lyra
LiderCast 051 - Hoje conversaremos com Edu Lyra, um ...

Ver mais

LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
LíderCast 049 – Luciano Dias Pires
Lídercast 049 - Neste programa Luciano Pires conversa ...

Ver mais

LíderCast 048 – Jonas e Alexandre
LíderCast 048 – Jonas e Alexandre
LiderCast 048 - Hoje recebemos o Jonas e o Alexandre, ...

Ver mais

045 – Recuperando do trauma
045 – Recuperando do trauma
Quando terminar o trauma, quando o Brasil sair deste ...

Ver mais

Vem Pra Rua!
Vem Pra Rua!
Um recado para os reacionários que NÃO vão às ruas dia ...

Ver mais

44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
44 – Tudo bem se me convém – Palestra no Epicentro
Apresentação de Luciano Pires no Epicentro em Campos de ...

Ver mais

43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
43 – Gloria Alvarez – Sobre República e Populismo
Gloria Alvarez, do Movimento Cívico Nacional da ...

Ver mais

Tempo de escolher
Tom Coelho
Sete Vidas
“Um homem não é grande pelo que faz, mas pelo que renuncia.” (Albert Schweitzer)   Muitos amigos leitores têm solicitado minha opinião acerca de qual rumo dar às suas carreiras. Alguns ...

Ver mais

O caso é o caso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Sobre a morte do assassino nojento, tudo já já foi dito; Fidel Castro foi tarde e deve estar devidamente instalado no caldeirão-suíte número 13, com aquecedor forte, decoração vermelha e vista ...

Ver mais

SmartCamp: as startups transformam o mundo
Mauro Segura
Transformação
Vivemos o boom das startups no Brasil e no mundo. O que está por trás disso? Mauro Segura esteve no SmartCamp, que é uma competição global de startups, e fez um vídeo contando a sua experiência.

Ver mais

Desemprego zero
Tom Coelho
Sete Vidas
“O desemprego do homem deve ser tratado como tragédia e não como estatística econômica.” (Papa João Paulo II)   No início dos anos 1990, experimentei o sabor amargo do desemprego. Por opção, ...

Ver mais

Therezinha De Jesus

Therezinha De Jesus

Luciano Pires -


THEREZINHA DE JESUS


Dia 21 de novembro de 1981 me casei. E em algum momento imaginei como eu estaria vinte e cinco anos depois. Me imaginei pai. Me imaginei com cinqüenta anos. Me imaginei morando em minha casa própria… Nem sei se imaginei como seriam minhas bodas de prata. Será que eu estaria bem? Será que ainda estaria casado? Onde será que eu estaria morando? Como seriam meus filhos? Eu estaria bem de vida? Trabalhando onde? Difícil imaginar, não é? Para um jovem recém-casado, o futuro fica distante demais diante das expectativas do presente.
A única certeza que eu tinha era de que estaria rodeado pela família. Afinal, sempre tinha sido assim e vinte e cinco anos depois não seria diferente. Pois foi assim mesmo. Dia 21 de novembro de 2006, passei meus vinte e cinco anos de casamento rodeado da família. Filhos, sobrinhos, tios, primos e pais. Mas não foi como imaginei…
Meus vinte e cinco anos de casamento foram marcados pelo falecimento, velório e sepultamento de minha sogra a Dona Thereza, aos 74 anos. Dona Thereza estava debilitada, com problemas de saúde que a levaram a internação por duas vezes num intervalo de dez dias. Na segunda vez, o coração não resistiu. E quis o destino – ou ela – que fosse no dia das minhas bodas de prata. E passei por aquela enxurrada de sensações e sentimentos que nos afoga quando acompanhamos nossos filhos da primeira vez que enfrentam a morte repentina de um ente próximo e querido. Como consolar aquelas lágrimas tão jovens e doídas? Que resposta dar a uma adolescente que aos prantos diz:
– Eu rezei tanto pra Deus! Tanto…
Como encarar as lágrimas de netos que perderam a avó, que os queria tão bem e deixava isso claro a cada encontro, a cada olhar, a cada gesto?
Dona Thereza era a pastora que não deixava que as ovelhas escapassem. Quando percebia que uma estava arredia, tratava de trazer de volta para o rebanho. Como a maioria das mães, era a cola que mantinha a família unida.
No velório, chamava atenção a imagem de Jesus Cristo no caixão. Dona Thereza gostava muito dele.
Mas como é difícil “cair a ficha”…
Como toda família, a nossa também tinha rotinas em torno do pai e da mãe, do Vô e da Vó. Natal, aniversários e datas especiais eram em Bauru, todo mundo hospedado na casa da vó Thereza.
Agora, acabou.
E é preciso lembrar a cada segundo que… acabou. Ensinar o cérebro a aceitar algo que parece impossível. As pessoas que a gente ama não vão morrer nunca. Quem morre são os parentes dos outros. Os nossos, jamais. E quando isso acontece, a gente não aceita. Não aprendemos a viver sem referências.
No entanto… Não aceitar a morte é não aceitar a vida. Precisamos da perspectiva da morte para viver intensamente cada segundo de nossas vidas. E isso torna a morte nossa “cúmplice” e não inimiga. Você consegue pensar assim? Eu tô tentando. Mas tá difícil.
Minhas bodas de prata passaram e 21 de novembro virou data esquisita. De festa e de saudades. Pra rir e pra chorar. De alegria e de tristeza.  
Therezinha não é mais do Perez, da Mar, do Gui, da Deni, do Lu, da Lilian, do Dani, da Ju, da Gabi e do Vini.
Therezinha é de Jesus.