Artigos Café Brasil
Democracia, Tolerância e Censura
Democracia, Tolerância e Censura
O que distingue uma democracia de uma ditadura é a ...

Ver mais

O dia seguinte
O dia seguinte
Com o aumento considerável do mercado de palestrantes ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.
Fact Check? Procure o viés.
Investigar o que é verdade e o que é mentira - com base ...

Ver mais

O impacto das mídias sociais nas eleições
O impacto das mídias sociais nas eleições
Baixe a pesquisa da IdeiaBigdata que mostra o impacto ...

Ver mais

631 – O valor de seu voto – Revisitado
631 – O valor de seu voto – Revisitado
Mais discussão de ano de eleição: afinal o que é o ...

Ver mais

630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
630 – Outra Guerreira – Simone Mozilli
Este é outro Café Brasil que reproduz na íntegra um ...

Ver mais

629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
629 – Gramsci e os Cadernos do Cárcere
Essa aparente doideira que aí está não é doideira. É ...

Ver mais

628 – O olhar de pânico
628 – O olhar de pânico
Aí você para, cansado, desmotivado, olha em volta e se ...

Ver mais

LíderCast 125 – João Amoêdo
LíderCast 125 – João Amoêdo
Decidimos antecipar o LíderCast com o João Amoêdo ...

Ver mais

LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
LíderCast 124 – Sidnei Alcântara Oliveira
Segunda participação no LíderCast, com uma história que ...

Ver mais

LíderCast 123 – Augusto Pinto
LíderCast 123 – Augusto Pinto
Empreendedor com uma história sensacional de quem ...

Ver mais

LíderCast 122 – Simone Mozzilli
LíderCast 122 – Simone Mozzilli
Uma empreendedora da área de comunicação, que descobre ...

Ver mais

046 – Para quem vai anular o voto
046 – Para quem vai anular o voto
Fiz um vídeo desenhando claramente o que acontece com ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural
Jota Fagner
Origens do Brasil
A ideia de concentração hegemônica não é exclusividade de Gramsci, outros autores de diferentes espectros ideológicos propuseram caminhos parecidos. Júlio de Mesquita Filho é um deles É preciso ...

Ver mais

Imagine uma facada diferente
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Imagine Fernando Haddad sendo vítima de uma tentativa de assassinato. Por um ex-militante do DEM ou do PSL, no mesmo dia em que Bolsonaro quase morreu pelas mãos de um ex-PSOL. Primeiramente, os ...

Ver mais

Uma discussão sobre inteligência artificial na educação
Mauro Segura
Transformação
Uma discussão sobre os benefícios que as novas tecnologias podem trazer para a educação brasileira. Mas será que estamos preparados para isso?

Ver mais

A burocracia e a Ignorância Artificial
Henrique Szklo
O Estado brasileiro, desde 1500, tem se esmerado em atravancar qualquer mecanismo da administração pública com um emaranhado de processos burocráticos de alta complexidade, difícil interpretação ...

Ver mais

Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
Cafezinho 108 – O Ismo Quântico
O Ismo Quântico é o fenômeno que acontece quando o ...

Ver mais

Cafezinho 107 – O voto proporcional
Cafezinho 107 – O voto proporcional
Seu voto, antes de ir para um candidato, vai para um ...

Ver mais

Cafezinho 106 – Sobre fake news
Cafezinho 106 – Sobre fake news
Fake News são como ervas daninhas, não se combate ...

Ver mais

Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Cafezinho 105 – Quem categoriza?
Quem define e categoriza o que será medido pode ...

Ver mais

Terceirização fora de foco

Terceirização fora de foco

Luciano Pires -

Nós brasileiros temos um talento inigualável para entender mal, traduzir mal e aplicar mal conceitos de administração. Foi assim com o “partnership”, que virou “parceria”, com “reengineering”, que virou “reengenharia” e com o “outsourcing” que virou “terceirização”.

Toda essa discussão em função da PL 4330, por exemplo, que regulamenta a terceirização, não trata daquele “outsourcing” que conheci 25 anos atrás, mas de outra coisa. Tem uma matemática nessa discussão rasteira que não fecha. Se o Zé custa para a empresa 100 e, terceirizado, vai custar 80, de onde saíram os 20? Do salário menor que ele receberá? De impostos menores que pagará? Da comida pior que comerá? Dos benefícios que deixará de ter? Das horas a mais que trabalhará? E a conta piora se entre o Zé e a empresa que vai terceirizar, aparecer um intermediário…

Mas essa discussão está fora de foco. Discute-se o que se vê, quando o que interessa é o que não se vê, como diria São Bastiat.

Tomei contato com o tema ” tercerização”depois que Collor arrombou as portas do Brasil para o mundo em 1991 e tivemos que sair atrás de soluções para aumento de competitividade. O ” outsourcing”, traduzido para “terceirização”,  foi uma delas, mas havia regras bem claras. Só valia a pena terceirizar se o terceirizado fosse capaz de fazer o trabalho de forma mais eficiente que a minha empresa. Não era na redução do salário dos funcionários que se buscavam os ganhos, mas na possibilidade de redução da estrutura administrativa das empresas, nos ganhos de produtividade e com a divisão de meus custos fixos com outras empresas.

Exemplo: se eu conseguisse terceirizar 20% da força de trabalho de minha fábrica, poderia ter menos gente nas áreas administrativas, não teria que investir em ferramental e equipamentos que permaneciam parte do tempo ociosos e que, sendo do terceirizado, poderiam ser utilizados para atender a outros clientes. Mas o mais importante: os terceirizados seriam especialistas, focados em suas atividades, com mais conhecimento e experiência do que minha empresa jamais poderia ter, com mais facilidade para decidir investimentos e flexibilidade para atender às demandas.

Conheci situações em que o processo de terceirização ficou mais caro que manter os funcionários contratados, mas os ganhos em eficiência  que o terceirizado proporcionou, e que a mediocridade imediatista não conseguia ver,  tiveram impacto muito maior nos resultados do que a redução na folha salarial, que era a única coisa que a mediocridade imediatista conseguia ver.

A discussão que toma os espaços no Brasil neste momento não é sobre terceirização, é sobre locação de mão de obra, que é outra coisa. Por isso os sindicatos e os progressistas estão tão assanhados. Esse pessoal só enxerga um patrão ganancioso querendo se livrar de todos os torneiros mecânicos, comprando o trabalho deles por um preço vil e os empurrando para as garras de outros patrões mal intencionados, desonestos e exploradores. Isso não é terceirização. E gente mal intencionada, desonesta e exploradora não precisa de terceirização para agir como abutres. Fazem isso de qualquer jeito.

A PL 4330, ao criar mecanismos para garantir os direitos e colocar terceirizador e terceirizado em posição solidária, vem justamente para defender daqueles abutres os trabalhadores que têm sua mão de obra locada.

Mas, de novo, locação de mão de obra não é terceirização.

Terceirização implica em inteligência, inovação, riscos, empreendedorismo, comprometimento e, acima de tudo, numa relação de confiança. Sou a favor da liberação para se terceirizar tudo, se possível até o presidente da empresa, mas essa decisão tem que ser estratégica, focada nos resultados indiretos.

O idiota que, pensando apenas em redução de custos, achar que dá para terceirizar a inteligência, o tesão e a cultura de sua empresa, vai quebrar.

E os abutres têm que ser presos. Para isso nem precisa da PL 4330, bastaria cumprir a lei.

Mas nós brasileiros temos um talento inigualável para entender mal, traduzir mal, aplicar mal…