Artigos Café Brasil
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Silvio Santos, Zé Celso e o Oficina
Uma reunião para ser objeto de estudo em qualquer aula ...

Ver mais

#TransgressaoEhIsso
#TransgressaoEhIsso
Transgredir é muito mais que pintar o rosto, urinar na ...

Ver mais

Vem aí o Cafezinho
Vem aí o Cafezinho
Nasce nesta segunda, 4/9 o CAFEZINHO, podcast ...

Ver mais

Educação adulta
Educação adulta
Preocupados demais com a educação de nossos filhos, ...

Ver mais

591 – Alfabetização para a mídia
591 – Alfabetização para a mídia
Hoje em dia as informações chegam até você ...

Ver mais

590 – O que aprendi com o câncer
590 – O que aprendi com o câncer
O programa de hoje é uma homenagem a uns amigos ...

Ver mais

589 – A cultura da reclamação
589 – A cultura da reclamação
Crianças mimadas, multiculturalismo, politicamente ...

Ver mais

588 – Escola Sem Partido
588 – Escola Sem Partido
Poucos temas têm despertado tantas paixões como a ...

Ver mais

LíderCast 91 – Saulo Arruda
LíderCast 91 – Saulo Arruda
Saulo Arruda, que teve uma longa carreira como ...

Ver mais

LíderCast 90 – Marcelo Ortega
LíderCast 90 – Marcelo Ortega
Marcelo Ortega, palestrante na área de vendas, outro ...

Ver mais

LíderCast 89 – Bruno Teles
LíderCast 89 – Bruno Teles
Bruno Teles, um educador que sai de Sergipe para se ...

Ver mais

LíderCast 88 – Alfredo Rocha
LíderCast 88 – Alfredo Rocha
Alfredo Rocha, um dos pioneiros no segmento de ...

Ver mais

Confraria Café Brasil
Confraria Café Brasil
A Confraria Café Brasil nasceu para conectar pessoas ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata T02 10
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 10 - Hábitos ...

Ver mais

Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata – T02 09
Videocast Nakata - Temporada 02 Episódio 09 Quando ...

Ver mais

Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata T02 08
Videocast Nakata Temporada 02 Episódio 08 Já falei ...

Ver mais

Vale fazer um curso universitário se as profissões vão desaparecer?
Mauro Segura
Transformação
Numa perspectiva de que tudo muda o tempo todo, será que vale a pena sentar num banco de universidade para se formar numa profissão que vai desaparecer ou se transformar nos próximos anos?

Ver mais

Tolerância? Jura?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Engraçada essa tal “tolerância” que pregam por aí, por dois simples motivos: 1) é de mão única e 2) pretende tolher até o pensamento do indivíduo. Exagero? Não mesmo. Antes que algum ...

Ver mais

Ensaio sobre a amizade
Tom Coelho
Sete Vidas
“A gente só conhece bem as coisas que cativou. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm ...

Ver mais

Um reino que sente orgulho de seus líderes
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Um reino que sente orgulho de seus líderes  Victoria e Abdul   Uma vez mais, num curto espaço de tempo, o cinema nos brinda com um filme baseado na história de uma destacada liderança britânica. ...

Ver mais

Cafezinho 28 – No grito
Cafezinho 28 – No grito
Não dá pra construir um país no grito.

Ver mais

Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Cafezinho 27 – Planos ou esperanças
Tem gente que, em vez de planos, só tem esperança.

Ver mais

Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Cafezinho 26 – Brasil Futebol Clube
Não dá para ganhar um jogo sem acreditar no time.

Ver mais

Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
Cafezinho 25 – Podres de mimados 2
O culto do sentimento destrói a capacidade de pensar e ...

Ver mais

Terceirização fora de foco

Terceirização fora de foco

Luciano Pires -

Nós brasileiros temos um talento inigualável para entender mal, traduzir mal e aplicar mal conceitos de administração. Foi assim com o “partnership”, que virou “parceria”, com “reengineering”, que virou “reengenharia” e com o “outsourcing” que virou “terceirização”.

Toda essa discussão em função da PL 4330, por exemplo, que regulamenta a terceirização, não trata daquele “outsourcing” que conheci 25 anos atrás, mas de outra coisa. Tem uma matemática nessa discussão rasteira que não fecha. Se o Zé custa para a empresa 100 e, terceirizado, vai custar 80, de onde saíram os 20? Do salário menor que ele receberá? De impostos menores que pagará? Da comida pior que comerá? Dos benefícios que deixará de ter? Das horas a mais que trabalhará? E a conta piora se entre o Zé e a empresa que vai terceirizar, aparecer um intermediário…

Mas essa discussão está fora de foco. Discute-se o que se vê, quando o que interessa é o que não se vê, como diria São Bastiat.

Tomei contato com o tema ” tercerização”depois que Collor arrombou as portas do Brasil para o mundo em 1991 e tivemos que sair atrás de soluções para aumento de competitividade. O ” outsourcing”, traduzido para “terceirização”,  foi uma delas, mas havia regras bem claras. Só valia a pena terceirizar se o terceirizado fosse capaz de fazer o trabalho de forma mais eficiente que a minha empresa. Não era na redução do salário dos funcionários que se buscavam os ganhos, mas na possibilidade de redução da estrutura administrativa das empresas, nos ganhos de produtividade e com a divisão de meus custos fixos com outras empresas.

Exemplo: se eu conseguisse terceirizar 20% da força de trabalho de minha fábrica, poderia ter menos gente nas áreas administrativas, não teria que investir em ferramental e equipamentos que permaneciam parte do tempo ociosos e que, sendo do terceirizado, poderiam ser utilizados para atender a outros clientes. Mas o mais importante: os terceirizados seriam especialistas, focados em suas atividades, com mais conhecimento e experiência do que minha empresa jamais poderia ter, com mais facilidade para decidir investimentos e flexibilidade para atender às demandas.

Conheci situações em que o processo de terceirização ficou mais caro que manter os funcionários contratados, mas os ganhos em eficiência  que o terceirizado proporcionou, e que a mediocridade imediatista não conseguia ver,  tiveram impacto muito maior nos resultados do que a redução na folha salarial, que era a única coisa que a mediocridade imediatista conseguia ver.

A discussão que toma os espaços no Brasil neste momento não é sobre terceirização, é sobre locação de mão de obra, que é outra coisa. Por isso os sindicatos e os progressistas estão tão assanhados. Esse pessoal só enxerga um patrão ganancioso querendo se livrar de todos os torneiros mecânicos, comprando o trabalho deles por um preço vil e os empurrando para as garras de outros patrões mal intencionados, desonestos e exploradores. Isso não é terceirização. E gente mal intencionada, desonesta e exploradora não precisa de terceirização para agir como abutres. Fazem isso de qualquer jeito.

A PL 4330, ao criar mecanismos para garantir os direitos e colocar terceirizador e terceirizado em posição solidária, vem justamente para defender daqueles abutres os trabalhadores que têm sua mão de obra locada.

Mas, de novo, locação de mão de obra não é terceirização.

Terceirização implica em inteligência, inovação, riscos, empreendedorismo, comprometimento e, acima de tudo, numa relação de confiança. Sou a favor da liberação para se terceirizar tudo, se possível até o presidente da empresa, mas essa decisão tem que ser estratégica, focada nos resultados indiretos.

O idiota que, pensando apenas em redução de custos, achar que dá para terceirizar a inteligência, o tesão e a cultura de sua empresa, vai quebrar.

E os abutres têm que ser presos. Para isso nem precisa da PL 4330, bastaria cumprir a lei.

Mas nós brasileiros temos um talento inigualável para entender mal, traduzir mal, aplicar mal…